Adel assessora e capacita agricultores beneficiados pelo Projeto São José

Atividade prática para a produção de canteiro de flores para abelhas nativas, Comunidade Riacho do Paulo, Apuiarés (CE)

Desde 2018, a Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel) assessora e capacita quatro (4) associações comunitárias e uma (1) cooperativa de agricultores familiares na região do Médio Curu, municípios Apuiarés e General Sampaio; e, Região Metropolitana de Fortaleza, municípios Cascavel, Horizonte e Maranguape. No total, 147 agricultores familiares são beneficiados pela Adel por meio do Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável – PDRS/Projeto São José III.

O Projeto São José III tem como foco o fortalecimento da agricultura familiar e o bem-estar de comunidades rurais. É uma iniciativa do Governo Estadual do Ceará através da Secretaria de Desenvolvimento Agrário (SDA), em parceria com o Banco Mundial (BIRD). O Projeto é desenvolvido por diversas instituições selecionadas por meio de licitação, sendo a Adel uma delas.

A proposta do Projeto São José III fortalece a agricultura familiar, grande responsável pela produção de alimentos no Brasil. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o país tem mais de 4 milhões de famílias agricultoras, o que corresponde a 84% dos estabelecimentos agropecuários e responde por aproximadamente 33% do valor total da produção do meio rural. Dentro da cadeia produtiva do Brasil, o agricultor familiar abastece o mercado brasileiro com: mandioca (87%), feijão (70%), carne suína (59%), leite (58%), carne de aves (50%), milho (46%), dentre outros.

Além de fornecer boa parte dos alimentos, a agricultura familiar tem se tornado chave na construção de políticas públicas, na adoção de incentivos financeiros, na formulação de normas e leis, na criação de modelos de compras, inclusive a compra direta pelo governo, possível por meio do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).

Participantes da Oficina sobre Pasto Apícola, realizada na comunidade Riacho do Paulo, Apuiarés (CE)

Os grupos assessorados pela Adel por meio do Projeto São José trabalham com apicultura, ovinocaprinocultura, fruticultura e agricultura de sequeiro, isto é, técnica agrícola de cultivo em terrenos de baixo pluviosidade e solo firme. As primeiras ações desenvolvidas no projeto foram: mobilização dos agricultores, caracterização das propriedades rurais e elaboração de planos de trabalho em cada grupo.

A assessoria técnica é contínua e acontece em cada propriedade. Já as capacitações são desenvolvidas de forma coletiva a partir das demandas e especificidades de cada grupo. Ambas as atividades visam a disseminação de técnicas sustentáveis, agroecológicas e com rentabilidade às entidades representativas e aos agricultores familiares beneficiados, com inclusão e adequação de novas tecnologias nos empreendimentos produtivos. Proporcionam também a inclusão e ampliação do acesso a mercados formais pelos agricultores, inclusive na oferta de alimentos aos programas governamentais, como PAA e PNAE.

Capacitações com agricultores

Os agricultores consideram que as capacitações são fundamentais para o desenvolvimento das atividades agrícolas. Segundo Francisco Alves, agricultor que reside no Assentamento Ramalhete, em General Sampaio, as oficinas ministradas pela Adel possibilitam aos agricultores o acesso ao conhecimento. “Os cursos, encontros que a gente faz, facilita mais o nosso trabalho, a vida, só vem aperfeiçoar ainda mais o nosso conhecimento sobre o semiárido”, ressalta Francisco.

As capacitações realizadas pela Adel com os grupos produtivos envolvem diversas temáticas como: associativismo, cooperativismo, empreendedorismo, defensivos naturais, importância de reflorestamento na atividade agrícola e apícola, produção de forragem e armazenamento, boas práticas e conservação de produtos alimentícios apícolas, práticas de agricultura orgânica, manejo alimentar de abelhas, auxílio da elaboração de planos de negócio e comercialização, gestão de custos, dentre outros.

“Eu acho muito importante esses encontros porque a gente fica sabendo de assuntos que não conhecemos. Apresentam os projetos que surgem para beneficiar a comunidade, também tiram dúvidas dos produtores sobre vários assuntos, gosto de participar”, afirma Ana Lúcia, agricultora que reside no Assentamento Ramalhete, em General Sampaio.

Para a Especialista de Projetos da Adel, Pollyanna Quemel, o impacto do Projeto tem sido positivo, os beneficiários estão recebendo sistematicamente uma visita de assistência técnica. “Isso [a assessoria técnica], é algo muito positivo, porque o agricultor está sendo acompanhado bem de perto mensalmente, recebendo as orientações e aplicando no seu dia a dia”, destaca.

Outros resultados percebidos ao longo das ações foram o aumento da interação social e cooperação entre os agricultores; elevação da produtividade e da rentabilidade das atividades agrícolas, o que consequentemente gera trabalho e renda; inclusão econômica e social das famílias nos processos de produção e beneficiamento de produtos; organização produtiva para o processo de comercialização; além da forte presença e participação de mulheres nas atividades produtivas e nos momentos de discussões coletivas.

As atividades do Projeto executadas pela Adel seguirão até abril de 2019, com realização de capacitação e assessoria técnica na produção, gestão e comercialização dos produtos da agricultura familiar. Além da assessoria técnica aos grupos produtivos do São José III, a Adel desenvolve diversas ações com agricultores familiares no Nordeste brasileiro. Por meio da área de Novos Negócios, a instituição oferece diversos serviços que contribuem com o desenvolvimento produtivo e a sustentabilidade da agricultura.

O Projeto São José III

A perspectiva do Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável – PDRS/PSJ III é aumentar a inserção econômica, a agregação de valor dos empreendimentos familiares da área rural, com financiamento de projetos produtivos no âmbito de cadeias produtivas promissoras, numa perspectiva de fortalecimento dessas cadeias e da inserção sustentável da agricultura familiar nos respectivos mercados.

Os beneficiários são agricultores familiares que desenvolvem atividades agrícolas e não-agrícolas em comunidades rurais representados por suas organizações, tais como: associações, cooperativas condomínios ou outras desde que legalmente constituídas. São beneficiados também grupos sociais específicos, tais como quilombolas, povos indígenas, pescadores artesanais e outros grupos. O Projeto visa atender ao todo 32.400 mil famílias por meio da implantação de 490 Projetos.

Para saber mais acesse: https://www.sda.ce.gov.br/ugp-sao-josee-iii/

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *