ADEL é pré-finalista do Prêmio Rosani Cunha de Desenvolvimento Social


Iniciativa do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), a premiação tem como objetivo dar visibilidade e recompensar boas práticas desenvolvidas nas áreas de assistência social, transferência de renda e segurança alimentar e nutricional.

Bahia, Piauí, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Ceará e Goiás foram alguns dos Estados brasileiros selecionados como pré-finalistas do Prêmio Rosani Cunha de Desenvolvimento Social. A comissão organizadora fez a escolha após analisar 454 práticas governamentais. Já na modalidade direcionada aos estudantes e pesquisadores foram 80 inscritos. E naquela voltada para a sociedade civil, houve 57 inscrições.

Ao todo, serão premiadas 12 ações na modalidade Práticas de Governos Estaduais, Municipais e do DF – sendo quatro para governos estaduais ou do DF e oito para governos municipais. Na modalidade Práticas da Sociedade Civil serão selecionadas quatro iniciativas. Outros cinco prêmios serão distribuídos para Estudos Acadêmicos – sendo três na categoria profissional e dois na categoria estudante. A cerimônia que revelará os finalistas acontece no dia 25 deste mês, em Brasília (DF).

Com o tema Ações Integradas para a Proteção e Promoção Social, o concurso possui, ainda, o propósito de articular e integrar o debate e as reflexões entre pesquisas e estudos sobre a questão do desenvolvimento social e as práticas coordenadas por governos e pela sociedade civil organizada. A intenção é multiplicar as iniciativas de gestão que facilitam a vida da população. “Ações inovadoras têm características como criatividade, adaptação às localidades, efetividade para chegar ao público-alvo”, explica a coordenadora da Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação do MDS, Mônica Rodrigues. O efeito multiplicador dessas ações é forte: “Uma solução encontrada por um Município pode ser adaptada para outro contexto. Na identificação de quilombolas, por exemplo, o gestor local pode ter adotado uma unidade volante para cadastrar as famílias de comunidades remotas”, exemplifica.

Seleção – De acordo com as normas estabelecidas no regulamento do Prêmio (artigo décimo), a seleção contou com três etapas. Na primeira, técnicos do ministério fizeram a análise preliminar das práticas inscritas, com o objetivo de verificar o preenchimento adequado do formulário de inscrição e o atendimento aos requisitos.

Na segunda etapa, foi feita a seleção das 40 práticas finalistas, sendo 20 práticas municipais, 10 estaduais e 10 da sociedade civil. Também foram classificados 15 estudos – cinco na categoria estudante e 10 na categoria profissional.

A terceira etapa consiste na avaliação final, feita por especialistas. Eles selecionarão as 16 práticas finalistas, sendo 8 práticas de governos municipais, 4 práticas estaduais e do Distrito Federal e 4 de entidades da sociedade civil organizada. Na modalidade estudos, serão cinco finalistas: três da categoria profissional e dois para a categoria estudante.

Serão premiados, com a participação em missão internacional (com duração máxima de cinco dias) ou missão nacional de intercâmbio (com duração máxima de quatro dias), os seguintes casos:

a) os dois primeiros colocados entre as práticas de governos municipais;

b) o primeiro colocado entre as práticas de governos estaduais e do Distrito Federal;

c) o primeiro colocado entre as práticas da sociedade civil organizada;

d) primeiro colocado entre os classificados na categoria profissional e o primeiro colocado entre os classificados na categoria estudante da modalidade estudos.

Mais informações sobre os critérios de seleção do Prêmio Rosani Cunha estão disponíveis em www.mds.gov.br/premiorosanicunha.

Confira abaixo os finalistas no link abaixo:

Fonte:http://www.mds.gov.br/sites/banner-internas/viiconferencia premiorosanicunha/premiorosanicunha

1 responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *