Adel realiza seminário sobre resiliência e cooperação

Sabrina Santos, Aurigele Alves e Brunna Bastos, da esquerda para a direita

A Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel) realizou hoje (5), o Seminário Resiliência e Desenvolvimento Local – Um debate sobre o protagonismo e a cooperação de jovens rurais LGBT+, na Escola  Alan Pinho Tabosa, em Pentecoste (CE). O evento conclui o ciclo formativo do Projeto Diversidade e Empreendedorismo de Jovens Rurais, estratégia de fomento ao desenvolvimento de empreendimentos de negócios e de impacto socioambiental com jovens LGBT+ no Ceará.

O evento iniciou com a fala de abertura de Adriano Batista, Diretor Executivo da Adel. Adriano compartilhou um pouco de sua trajetória de vida, abordando o conceito de resiliência como a capacidade de resistir, superar e de conviver com desafios em um determinado contexto, avançando nos caminhos desejados independentes dos obstáculos encontrados. A Gestora de Projetos Júlia Figueiredo, representando a Mais Diversidade e o Itaú, agradeceu a oportunidade de parceria com um projeto tão necessário. “A gente se orgulha muito por apoiar esse Projeto. A gente acredita na diversidade, que pessoas diversas trazem soluções diversas. Pessoas diversas pensando soluções diversas vão trazer uma sociedade muito mais inclusiva e muito mais aberta a todas as formas de ser, todas as formas de se identificar e a todas as formas de amar”, destacou Júlia.

Júlia Figueiredo, representante da Mais Diversidade e Itaú

O evento contou com o Painel: Resiliência e Desenvolvimento Local – Um debate sobre o protagonismo e a cooperação de jovens rurais LGBT+, com mediação de Brunna Bastos, Assistente de Desenvolvimento Adel. Estiveram contribuindo com o debate, Gláucio Gomes, Diretor de Desenvolvimento Adel; Aurigele Alves, Diretora de Programas Adel; Sabrina Santos, Jovem Empreendedora Rural e idealizadora da Flor do Sertão; e, Homero Henrique, Assessor Pedagógico na Coordenadoria da Diversidade e Inclusão educacional (Codin) da Secretaria de Educação do Estado do Ceará (SEDUC).

Homero Henrique e Gláucio Gomes

Gláucio destacou o desenvolvimento como liberdade para que os jovens possam enxergar o que têm de potência, de força, para fazer uma trajetória alternativa fora dos padrões sociais e do senso comum. Ele reforça que é preciso criar diferenciais e inovações para mostrar ao mercado. “Não existe uma economia rica que não seja diversa. Quando as pessoas valorizam suas idiossincrasias, suas particularidades e transformam aquilo em produtos, em forma de fazer, soluções, tecnologias e inovações, cada um pode produzir uma coisa única”, enfatiza.

Homero Henrique da Codin/SEDUC, destaca a importância de pensar esse recorte da juventude LGBT+ no meio rural, pois cada ambiente tem suas particularidades e vivências diversas. Ele acredita que a visibilidade do Projeto já é uma forma para quebrar os estereótipos e mitos que costumam estar associados à população LGBT+. Aurigele Alves traz sua própria história de vida para reforçar seu discurso de que é possível ter liberdade para fazer as próprias escolhas, que é possível empreender e contribuir para o desenvolvimento pessoal e do território.

Sabrina Santos também utiliza de sua vivência como jovem empreendedora rural e integrante do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER), para incentivar os próximas passos dos jovens nesse processo empreendedor, relatando os principais desafios enfrentados, mas também os bons resultados de suas escolhas.

Ainda estiveram presentes Teresa Cristina Franco e Nohemy Rezende da Secretaria de Educação do Estado do Ceará (SEDUC), Nonata Duarte, representando o Núcleo de Diversidade Sexual de Apuiarés (N.U.D.S), Helano Luz, Diretor Financeiro Adel, e, amigos e familiares dos jovens LGBT+ que concluíram o Curso Empreendedorismo e Protagonismo Social ministrado pelo Projeto. Vinte e dois (22) jovens receberam seus certificados de conclusão do curso ao final do evento.

Sobre o Projeto

O Projeto Diversidade e Empreendedorismo de Jovens Rurais integra as atividades do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) e trabalha estratégias de fomento ao desenvolvimento de empreendimentos de negócios e de impacto socioambiental em meio rural, no contexto do semiárido do Nordeste brasileiro. Alia, ainda o acesso dos jovens beneficiados a conhecimentos, crédito, redes colaborativas e tecnologias. No cenário de forte hostilidade no qual jovens LGBT+ estão inseridos, a aliança entre empreendedorismo e protagonismo social cria alternativas reais de trajetórias para mobilidade social positiva e garantia de liberdades fundamentais. O projeto é realizado em parceria com o Itaú e a consultoria Mais Diversidade.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *