Meliponicultores do Vale do Curu participam de Intercâmbio

Membros do projeto Rede de Meliponicultores do Vale do Curu participaram no dia 17/06, do Intercâmbio de Meliponicultores no Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Ceará (UFC), em Fortaleza.

Em parceria com o Departamento de Zootecnia da UFC e a Rede Néctar do Sertão, a Adel promoveu a troca de saberes e aprendizagens entre jovens, agricultores familiares, grupos produtivos e pesquisadores da área.

Os participantes do intercâmbio visitaram o Setor de Abelhas e Polinização da Universidade e foram acompanhados pelo professor Breno Magalhães, pesquisador do Departamento de Zootecnia. Após cumprimentar e desejar boas vindas ao grupo, o Prof. Breno, juntamente com Jânio Felix e Epifânia de Macêdo, doutorandos em Zootecnia, apresentaram o trabalho do grupo de pesquisa.

Jânio Felix, Doutorando em Zootecnia, apresenta estudos realizados na UFC com abelhas nativas

As pesquisas com abelhas são desenvolvidas no Departamento de Zootecnia desde 1996, são relacionadas à diversas espécies de abelhas, tanto sociais como solitárias. Os trabalhos e estudos do grupo contextualizam a importância das diversas abelhas no equilíbrio do bioma da caatinga.

Segundo Jânio, as abelhas são responsáveis pela polinização da grande maioria das plantas silvestres cultivadas no planeta. Portanto, é necessário produzir mel de maneira sustentável. Trabalhar com técnicas modernas de manejo, modelos de caixas e outras estratégias de produção adaptadas para agricultura familiar, enfatizou Epifânia em conversa com os meliponicultores.

Epifânia Macêdo, Doutoranda em Zootecnia, apresenta o manejo, divisão e multiplicação de colônias de abelhas nativas

Além das instalações da UFC, os integrantes do intercâmbio visitaram no período da tarde, o Meliponário São Francisco, em Aquiraz. O Meliponário São Francisco conta com mais de 200 colmeias, sob a responsabilidade do Sr. Ximenes, integrante da Associação Cearense de Meliponicultores (ACMEL). A ACMEL tem como finalidade preservar a vida das abelhas sem ferrão e divulgar os processos de multiplicação e manejo racional das espécies.

Para Neto Ribeiro, articulador de Rede Néctar do Sertão, o intercâmbio dos meliponicultores oportunizou a troca de conhecimentos e inspirou os participantes. “Vê o que a UFC e o meliponário São Francisco tem feito para melhorar o trabalho do meliponicultor durante o manejo e os cuidados com as espécies, nos mostra como é importante estudar e aprender para potencializar essa atividade como negócio sustentável da agricultura familiar”.

O intercâmbio é uma das atividades do projeto Rede de Meliponicultores do Vale do Curu realizado pela Adel com o apoio do Instituto População e Natureza (ISPN) e em parceria com a Rede Néctar do Sertão.

Projeto Rede de Meliponicultores do Vale do Curu

O Projeto Rede de Meliponicultores do Vale do Curu é uma das ações do Programa Soluções Rurais da Adel e tem como objetivo contribuir para o fortalecer a rede de meliponicultores do Vale do Curu com práticas produtivas sustentáveis, a partir da consolidação da produção de mel de abelhas nativas.

Em parceria com a Rede Néctar do Sertão e apoio do Instituto População e Natureza (ISPN) a Adel tem investido na criação e fortalecimento de fundos rotativos solidários nas comunidades rurais de Pentecoste e Apuiarés.

Participantes do intercâmbio, Aurigele Alves, Diretora de Programas Adel, Jânio Felix e Epifânia Macêdo, doutorandos UFC


A Adel também promove a troca de saberes e aprendizagens entre jovens agricultores familiares, grupos produtivos e pesquisadores sobre a produção sustentável da abelha nativa no semiárido cearense.

‪Meliponicultores discutem a implantação de fundos rotativos em suas comunidades

Vinte meliponicultores do projeto Rede de Meliponicultores do Vale do Curu discutem a implantação de dois fundos rotativos nas comunidades de Boa Vista, Monte Alverne e Riacho do Paulo, em Apuiarés.

A iniciativa faz parte das ações da Adel em parceria com a Rede Néctar do Sertão e busca fortalecer a cadeia produtiva do mel de forma agroecológica no Vale do Curu. Através dos fundos rotativos os meliponicultores acessam recursos financeiros para estruturar a cadeia produtiva e ampliam as técnicas de produção agroecológica.

As reuniões com os meliponicultores para discutir a criação dos fundos rotativos aconteceram ontem (30/05) e hoje (31/05), em Apuiarés, e contou com a participação da Diretora de Programas da Adel, Aurigele Alves. Além de discutir o regimento dos fundos rotativos, duas oficinas levaram os participantes a vivenciar as mais diversas práticas relacionadas à produção de mel de abelhas nativas.

Meliponicultores reunidos na propriedade de Everardo Alves, em Lagoa das Pedras, Apuiarés

A ideia é que as ações estejam integradas e sejam sustentáveis, pois os fundos rotativos são equipamentos permanentes que beneficiam as comunidades, especialmente os meliponicultores. Aurigele conta que o momento é muito importante para a consolidação do trabalho com a meliponicultura na região.

“É importante discutir com os novos meliponicultores que participam do projeto como desenvolver a atividade com segurança e reduzir os impacto ambientais causados pela prática tradicional da criação de abelhas nativas. Através da criação dos fundos rotativos eles têm a oportunidade de desenvolver de forma agroecológica a atividade”, ressalta.

Meliponicultores reunidos na propriedade de Everardo Alves, em Lagoa das Pedras, Apuiarés

Maria Lenilda, da comunidade de Boa vista, Apuiarés, participa do projeto junto com a filha Antônia Elineuda, seu esposo Antônio Batista e seu sogro Sr. Milton. Toda a família participou das discussões e quer investir na atividade.

“Gostei muito das explicações e pretendo aplicar o conhecimento aqui aprendido. A meliponicultura é muito importante e rentável. Se soubermos fazer o negócio direitinho, ela pode gerar muitos resultados. Eu comecei a produzir por curiosidade, agora tenho o desejo de investir e faço parte do fundo rotativo”, comenta.

A criação de fundos rotativos para meliponicultura é uma ação do projeto Rede de Meliponicultores do Vale do Curu, realizado pela Adel com o apoio do Instituto População e Natureza (ISPN) e da Rede Néctar do Sertão.

Adel participa de oficina do ISPN em Brasília

Entre os dias 08 e 10 de julho, a Adel participa da Oficina de Planejamento e Capacitação do Programa de Pequenos Projetos Ecossociais (PPP-ECOS) em Brasília.

A oficina é realizada pelo Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN) com o objetivo de orientar as organizações parceiras sobre os procedimentos e as boas práticas de gestão dos projetos. Os membros das organizações aprendem na oficina a realizar as prestações de contas, sistematizar os indicadores e elaborar os relatórios de atividades e financeiros. Além disso, na oficina são aprimorados os planos de trabalho e o orçamento dos projetos.

Aurigele Alves, gerente de programas da Adel e Edilardo Sales, meliponicultor, participam do evento representando a Adel e o grupo de Meliponicultores da Rede Néctar do Sertão, uma iniciativa coletiva que busca fortalecer a cadeia produtiva do mel nas comunidades rurais do Vale do Curu.

Aurigele Alves – Adel, da direita para a esquerda.

Segundo Aurigele, o evento é uma oportunidade para apresentar os resultados que a Adel tem alcançado com o projeto Rede Néctar do Sertão de Meliponicultores, iniciativa apoiada pelo PPP-ECOS em 2014. O apoio do Programa possibilitou a articulação e organização de três grupos de meliponicultores em Pentecoste e Apuiarés.

“O evento é muito importante, aqui estão 68 representantes de 34 projetos de todo o país que foram contemplados no vigésimo segundo edital do PPP-ECOS. É uma ótima oportunidade para apresentar o trabalho da Adel a nível nacional, mostrando a inovação e os impactos positivos no meio ambiente que a organização tem promovido”, enfatiza Aurigele.

Edilardo Sales – Meliponicultor, da esquerda para a direita.

O Programa de Pequenos Projetos Ecossociais (PPP-ECOS) foi criado para apoiar projetos de organizações não-governamentais e de base comunitária que desenvolvam ações que geram impactos ambientais globais positivos, combinados com o uso sustentável da biodiversidade. A Adel é parceira do Programa e do Instituto desde 2014.

Curso de Beneficiamento e comercialização de produtos da sociobiodiversidade no Crato

Entre os dias 26 a 30 de maio, o projeto Captação de Projetos de Temática Ambiental (CAPTA), realizado pelo Instituto Sociedade População e Natureza (ISPN), realizou em Crato/CE, o curso de Beneficiamento e comercialização de produtos da sociobiodiversidade.

O projeto CAPTA tem como objetivo a promoção da conservação do Cerrado e da Caatinga e a melhoria da qualidade de vida de seus povos e comunidades tradicionais, por meio da valorização da floresta em pé e do uso sustentável da biodiversidade.

O jovem Neto Ribeiro, integrante do Programa Jovem Empreendedor Rural, participou da formação representando a Adel, e relata que a iniciativa é bastante significativa por fomentar a atuação socioambiental das organizações. “Já é o segundo módulo que participo e vejo o quanto é importante enxergarmos que a qualidade de vida dos povos e comunidades tradicionais depende diretamente da valorização e do uso sustentável da biodiversidade”, enfatiza.

Após a formação, espera-se que os participantes ampliem o acesso a recursos e elevem as ações de conservação e promoção do uso sustentável da biodiversidade. Na Adel, a ideia inicial é impulsionar o
processo de comercialização dos produtos apícolas de maneira sustentável, através do projeto “Sertão produtivo e agroecológico” realizado em parceria com o ISPN.

Leia mais sobre o projeto CAPTA: http://migre.me/jvoC2

Projeto da Adel é aprovado em edital do ISPN

O projeto “Sertão produtivo e agroecológico” foi uma das iniciativas aprovadas no 17º Edital do Programa de Pequenos Projetos Ecossociais do Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN).

Com esta iniciativa a Adel pretende fortalecer a produção agroecológica de mel de abelhas nativas e incentivar o desenvolvimento comunitário e a conservação da natureza em cinco comunidades rurais nos municípios de Apuiarés e Pentecoste, no Ceará.

Estas comunidades apresentam várias áreas de degradação ambiental e precisam de ações voltadas para o uso e manejo racional dos recursos naturais. A Adel através desta iniciativa e do projeto Convivência com o Semiárido que realiza desde abril, busca contribuir com a promoção da agricultura sustentável e melhorar os níveis de renda no meio rural.

No projeto “Sertão produtivo e agroecológico” os agricultores além de participarem de formações estarão organizando e articulando o processo de comercialização da cadeia produtiva do mel na região.

Confira a lista dos 36 projetos selecionados: http://migre.me/gdgOa