Jovem beneficiado pela Adel participa da CowParade

Filho Luz, idealizador do Projeto “Acorda – CowParade 2018

O jovem Filho Luz, 23, natural de Canafístula, comunidade rural do município de Apuiarés é um dos artistas participantes da 12ª edição da CowParade, um dos maiores eventos de arte a céu aberto do mundo, cujo objetivo é democratizar a arte através da inclusão cultural. Artistas selecionados usam como suporte uma escultura de vaca feita em fibra de vidro e em tamanho natural. Elas são expostas em vias públicas, permitindo livre apreciação.

Filho participou de uma seleção com mais de 300 artistas e foi um dos 50 selecionados com o projeto “A Corda” que fala do amanhecer do sertão, brincando com o nome “corda”, uma vez que inicialmente a ideia era usar apenas este material na customização da escultura.

Todos os selecionados dividiram o espaço de trabalho e realizaram suas produções durante duas semanas no shopping Iguatemi. Para confeccionar a Acorda, foram usadas pouco mais de 400m de cordas de sisal. “Eu podia ter comprado as cordas em Fortaleza, uma corda de sisal industrial, mais macia, mais fácil de trabalhar. Porém optei pelas cordas do interior, do comércio local, uma corda mais seca, dura, áspera, mas que representa melhor meu conceito”, destaca o artista.

Ele ainda ressalta que percebeu na escultura muito mais que uma tela, lembrando da expressão utilizada no interior “do boi se aproveita até o berro”. Acorda representa um ser místico, por isso os detalhes em dourado, que sustentam o sertão, visto muitas vezes como frágil, seco, quente, mas que se mantém firme e forte, unido como as fibras do sisal.

Segundo Filho, “Acorda” fala do amanhecer do sertão, da paisagem árida, da vegetação, da simplicidade do meio. “O desenho feito em corda de sisal retrata a textura áspera da seca em contraste com a beleza proporcionada, a união dos indivíduos e a força do sertanejo. Os detalhes dourados dão um tom de divindade, um ser místico, que sustenta o mundo. E o chocalho é a anunciação, símbolo de boas novas, avisando que a vaca está passando e é hora de acordar”.

“Acorda”, escultura desenvolvida por Filho Luz

Filho conta como é difícil ser “artista” no interior e ainda não se vê como um. O jovem revela que sempre gostou de arte e cultura, mas acredita que ainda existe uma barreira muito forte para quem é da zona rural. “Participar da Cowparade foi muito interessante. Está no meio de uma galera que já é reconhecida como artista, foi desafiador. No início, quando comecei a colocar as primeiras cordas, acho que ninguém acreditou que iria sair algo interessante, mas saiu!”

Em 2011, o jovem participou do Programa Sertão das Artes, realizado pela Escola Popular Cooperativa de Canafístula, onde conheceu mais sobre desenho, serigrafia e fotografia. Em 2012 ingressou no Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) desenvolvido pela Adel, com o intuito de trabalhar com arte/design. “Desenvolvi um projeto com serigrafia, mas não estava maduro o suficiente para sair do papel. No final do curso iniciei faculdade de Sistemas e Mídias Digitais na Universidade Federal do Ceará (UFC), me distanciando um pouco de casa” comenta.

Hoje Filho viaja por diversas formas de arte, é designer digital, ilustrador, artesão, já desenvolveu projetos com madeira, argila, corda e hoje está se aventurando no bordado à mão. Junto com um amigo, está construindo um novo projeto de empreendedorismo, uma espécie de agência com dois segmentos: comunicação e cultura. Com foco no meio junino, a ideia é impulsionar e fortalecer os grupos culturais, elaborar projetos que envolve a temática cultural e trabalhar com mídias digitais.

O evento

Estima-se que mais de 500 milhões de pessoas já se depararam com pelo menos uma das obras das 97 edições da CowParade, registradas em 33 países. Pintores, escultores, artesãos, arquitetos, designers, grafiteiros, artistas plásticos, amadores ou profissionais apaixonados por arte e interessados em expressar seu talento e criatividade fazem parte desse projeto. Ao redor do mundo, mais de 10.000 artistas já participaram da CowParade.

Ao final de cada edição, as esculturas são leiloadas e a renda é revertida como doação para instituições beneficentes. Dessa forma, as vacas cumprem múltiplas funções: valorizam o entorno, expandem o acesso à arte, promovem novos artistas, e sensibilizam as pessoas para causas sociais. As vaquinhas estarão disponíveis para visitação até 16/12 no shopping Iguatemi, em Fortaleza.

Saiba mais: https://cowparade.com.br/

Seminário encerra projeto com Escolas Públicas do Ceará

Abertura do Seminário

O Seminário de Empreendedorismo e Protagonismo Social nas Escolas, cuja temática foi a atuação de adolescentes e jovens na promoção do Desenvolvimento Local, realizado ontem (06/12), na EEEP Alan Pinho Tabosa, em Pentecoste/CE, encerrou as atividades de formação do projeto Jovens Empreendedores e Protagonistas Rurais nas Escolas desenvolvido pela Adel no âmbito do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER).

Doze (12) microprojetos elaborados por grupos de estudantes das quatro escolas atendidas: EEM São Sebastião em Apuiarés; EEM Waldemar Alcântara em São Gonçalo do Amarante; EEM Etelvina Gomes Bezerra em Pentecoste; e, EEFM Edite Alcântara Mota em General Sampaio, foram apresentados no Seminário. Oito (8) deles, foram expostos em banners e os quatro (4) mais votados, um de cada escola, fizeram uma apresentação oral.

Os microprojetos incluem a realização de eventos culturais, melhorias na qualidade da merenda escolar, bullying na escola, educação ambiental, inclusão do público LGBTQ+ em sala de aula, combate às drogas e empatia no convívio escolar. Estudantes da  EEM Waldemar Alcântara em São Gonçalo do Amarante elaboraram o projeto “Inclusão do Público LGBTQ+ na Escola”.

Exposição dos microprojetos

“O nosso projeto busca acima de tudo a aceitação das pessoas como elas são, seja na orientação sexual, de gênero, religião, raça. Queremos realizar palestras que ressaltam o respeito dentro da própria sala de aula, pois acredito que o que aprendemos na sala levamos para a vida”, ressalta o jovem Luiz Felipe Ferreira.

Além da exposição dos microprojetos dos jovens, a Adel apresentou os resultados alcançados ao longo do ano e as atividades que possibilitaram a introdução, em quatro escolas de Ensino Médio, de tópicos que evidenciam aos jovens estudantes as oportunidades e as alternativas existentes para permanência no meio rural com qualidade de vida. As oficinas do projeto abordaram os temas convivência sustentável com o semiárido, desenvolvimento local e empreendedorismo rural, enquanto temas transversais, numa perspectiva de educação contextualizada.

Para Luiz Breno Pereira, estudante da EEM São Sebastião de Apuiarés, o projeto permitiu um conhecimento multidisciplinar. “Eu achei o projeto riquíssimo, pois trabalhou vários temas. Como tiveram várias oficinas, abriu um amplo conhecimento pra mim. Eu vi que a Adel estava muito bem preparada pra fazer o que ela propôs quando foi falar com o Diretor e fez parceria com o colégio, eu realmente gostei bastante dessa experiência” destaca.

Prof.a Dalvani Castro, EEFM Edite Alcântara Mota; Tony Elvys, Diretor da EEM São Sebastião; Prof. Caniggia Carneiro, Assessor da CODEA Gestão Pedagógica/SEDUC; e, Adriano Batista, Diretor Executivo da Adel entregam certificados aos representantes das equipes dos microprojetos (Da esquerda para direita)

Participaram da culminância do projeto estudantes, professores, gestores das escolas beneficiadas, integrantes da equipe da Adel e parceiros da instituição. Ambos celebraram os resultados alcançados e compartilharam o desejo de dar continuidade ao projeto.

A mesa de abertura do evento foi composta pelo Diretor Executivo da Adel, Adriano Batista; Prof. Caniggia Carneiro, Assessor da CODEA Gestão Pedagógica, representante da Secretaria de Educação do Estado do Ceará (SEDUC); Inês Mapurunga, representante da Coordenação do projeto São José III desenvolvido pela Secretaria de Desenvolvimento Agrário (SDA); Aymê Sales, Presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) de Pentecoste; Rina Braga, Coordenadora do CRAS Rural de Pentecoste; Elton Luz, Diretor da EEEP Alan Pinho Tabosa; Tony Elvys, Diretor da EEM São Sebastião; Roberto Lima, Diretor da EEM Etelvina Gomes Bezerra; o Secretário Anísio Soares e a Prof.a Dalvani Castro, ambos representando os Diretores das respectivas escolas parceiras EEM Waldemar Alcântara e EEFM Edite Alcântara Mota .

Expansão

O Prof. Caniggia Carneiro, representante da SEDUC, expressou no evento que o objetivo da Secretaria de Educação é expandir o projeto para outras escolas. “A Secretaria está muito feliz pelo convite e parceria, nós percebemos que o trabalho feito nas escolas com os alunos, com os professores, com o apoio da gestão, está surtindo um ótimo efeito e a gente deseja mais e mais projetos como este, mais oficinas e parcerias com a Adel, para que a gente possa levantar essa bandeira do empreendedorismo social e do protagonismo juvenil para mais locais e mais pessoas”.

Adriano Batista, Diretor Executivo da Adel, além de destacar a importância dos parceiros para criar uma Rede de Proteção Social para os jovens, divulgou em primeira mão o novo projeto que será realizado no início de 2019, aprovado junto ao CMDCA de São Gonçalo do Amarante que atenderá jovens na região do Pecém. “O que a gente tem interesse de construir aqui na região é exatamente isso, um grupo de parceiros que possa criar uma rede de proteção para que os jovens possam colocar na prática todo o potencial que têm dentro de si. E isso só é possível quando esse jovem encontra apoio”, destaca.

Participantes do Seminário de Empreendedorismo e Protagonismo Social nas Escolas

O Seminário encerrou as atividades de formação do projeto e apresentou para a comunidade os jovens estudantes empreendedores e protagonistas beneficiados. A expectativa é que novos jovens sejam formados e os microprojetos desenvolvidos pelos jovens nas escolas possam inspirar toda a comunidade escolar para promoção de novos projetos. Por meio das cartilhas que estão sendo elaboradas, a Adel planeja junto com os parceiros multiplicar esta ação no Nordeste.

Nas próximas semanas, haverá uma rodada de reunião nas escolas para avaliação das atividades realizadas ao longo do ano, a entrega dos certificados dos demais estudantes e ainda a viagem de intercâmbio dos microprojetos vencedores.

O projeto Jovens Empreendedores e Protagonistas Rurais nas Escolas beneficiou 400 adolescentes e jovens, na faixa etária entre 15 e 17 anos de idade, de quatro escolas da rede estadual de ensino. É realizado pela Adel em parceria com a UNESCO e a Rede Globo, por meio do Criança Esperança, e com o Conselho de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ceará (CEDCA/CE). Conta com o apoio da Secretaria da Educação do Estado do Ceará (SEDUC-CE).

 

Projeto da Adel é selecionado em edital nacional “LGBT+ Orgulho”

Diretora de Programas da Adel, Aurigele Alves

“Diversidade no Empreendedorismo de Jovens Rurais” é o nome do mais novo projeto da Adel selecionado em edital nacional LGBT + Orgulho do Itáu Unibanco em parceria com a consultoria Mais Diversidade. O anúncio foi feito hoje, 30/11, no Fórum Out & Equal Brasil, evento de maior referência mundial neste assunto, em São Paulo (SP).

O edital LGBT + Orgulho visa incentivar o desenvolvimento de iniciativas que auxiliem e estimulem a visibilidade, segurança e respeito às pessoas LGBT+. Dentre as 310 propostas apresentadas, o projeto da Adel ficou em segundo lugar e vai receber o apoio financeiro de R$ 50 mil para contribuir na inclusão socioprodutiva de jovens LGBT+ do Sertão do Ceará. O Projeto Casa das Negas, de Fortaleza, também foi finalista do edital. A Casa das Negas é um espaço de cultura e formação de mulheres negras LGBT+ na periferia da capital cearense.

Ontem, 29/11, a Diretora de Programas da instituição, Aurigele Alves, apresentou a proposta para uma banca formada por especialistas do Itaú, consultoria Mais Diversidade e representantes da comunidade LGBT+. Os critérios da seleção considerados foram aspectos como representatividade regional e atuação em conjunto com outros pilares da diversidade, como raça e etnia, gênero, pessoas com deficiência, idade, gerações e refugiados, assim como os de caráter cultural, educacional, esportivo ou social.

Representantes dos quatro projetos vencedores do Edital LGBT+ Orgulho

Toda a comunidade institucional da Adel está muito feliz pelo resultado e em contribuir para uma sociedade mais justa e inclusiva. “É um momento histórico na minha vida e da instituição. Ter a oportunidade de trabalhar com a comunidade LGBT+ é motivo de orgulho e gratidão. Conhecer também a diversidade de projetos lindos de todo país durante o Fórum Out & Equal Brasil nos anima ainda mais. Temos uma proposta valiosa para trabalhar em 2019 e que vai gerar oportunidades para que todxs possam empreender”, enfatiza Aurigele.

“Diversidade no Empreendedorismo de Jovens Rurais”

O Projeto “Diversidade no Empreendedorismo de Jovens Rurais” vai apoiar em 2019, 25 jovens LGBT+ de comunidades rurais dos municípios de Pentecoste, Apuiarés, Tejuçuoca, Paracuru e São Gonçalo do Amarante, no semiárido cearense, para que eles possam identificar oportunidades para empreender no território em que vivem.

Os jovens LGBT+ que vivem nestes municípios são bastante vulneráveis a preconceito e pressionados a migrar para centros urbanos. Com o Projeto, a Adel busca fomentar o desenvolvimento de empreendimentos de negócios e impacto socioambiental em meio rural, proporcionando aos jovens LGBT+ acesso a conhecimento, crédito, redes colaborativas e a tecnologias.

O Projeto faz parte das ações do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER), desenvolvido pela instituição há nove anos. É a primeira iniciativa em prol da comunidade LGBT+.

Empreendedorismo e Protagonismo Social nas Escolas

 

Com o objetivo de debater a atuação de adolescentes e jovens na promoção do desenvolvimento local, a Adel realiza na próxima quinta-feira, 6 de dezembro, às 8h, o Seminário de Empreendedorismo e Protagonismo Social nas Escolas, no auditório da EEEP Alan Pinho Tabosa, em Pentecoste.

O evento encerra as atividades do Projeto Jovens Empreendedores e Protagonistas Rurais nas Escolas que faz parte do portfólio de ações do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER). No Seminário, será abordado o quanto é importante o empreendedorismo e o protagonismo social na Escola. Os jovens, mesmo em um contexto de grande vulnerabilidade, quando são estimulados e apoiados são capazes de realizar ações positivas em suas vidas e nas comunidades onde vivem.

É o que está acontecendo com os beneficiários deste Projeto. No Seminário, eles vão apresentar os Microprojetos que eles elaboraram na oficina de Inovação e Tecnologias Socioambientais. Os Microprojetos envolvem temáticas diversas e foram elaborados com o objetivo de contribuir na solução de alguns desafios encontrados no ambiente escolar.

Dentre as temáticas que serão trabalhadas nas Escolas, destacam-se a realização de eventos culturais, melhorias na qualidade da merenda escolar, bullying na escola, educação ambiental, inclusão do público LGBTQ+ em sala de aula, combate às drogas e empatia no convívio escolar.

Todos os Microprojetos buscam criar uma convivência agradável entre alunos, professores e funcionários. Ao participarem de forma mais ativa na Escola, os jovens além de se desenvolverem enquanto pessoas, vão contribuir positivamente com a comunidade escolar e com o desenvolvimento local.

O Projeto

O Projeto Jovens Empreendedores e Protagonistas Rurais nas Escolas foi realizado ao longo do ano com adolescentes e jovens, na faixa etária entre 15 e 17 anos de idade, de quatro escolas da rede estadual de ensino: EEM São Sebastião em Apuiarés; EEM Waldemar Alcântara em São Gonçalo do Amarante; EEM Etelvina Gomes Bezerra em Pentecoste; e, EEFM Edite Alcântara Mota em General Sampaio.

No total, 400 estudantes foram beneficiados pelo Projeto e participaram das oficinas: Juventude e Direitos Humanos; Sustentabilidade e Conservação da Caatinga; Águas e Desenvolvimento do Semiárido; Juventude e Protagonismo Rural; Juventude e Empreendedorismo Rural e Inovação e Tecnologias Socioambientais. Eles também vivenciaram, ao final das oficinas, o Intercâmbio Educativo e elaboraram Microprojetos que serão implementados na própria Escola em que estudam.

O Projeto é realizado pela Adel em parceria com a UNESCO e a Rede Globo, por meio do Criança Esperança, e com o Conselho de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ceará (CEDCA/CE). Conta com o apoio da Secretaria da Educação do Estado do Ceará (SEDUC-CE).

Adel expande sua atuação para Amazonas e firma parceria com a Casa do Rio

Aurigele Alves, Diretora de Programas da Adel e Thiago Cavalli , Diretor Executivo da Casa do Rio

Com o objetivo de ampliar seu impacto social e aumentar a escala de sua operação em benefício de mais pessoas e comunidades em todo o Brasil, a Adel expande a partir deste semestre sua atuação para Amazonas e firma uma aliança estratégica com a Casa do Rio – instituição que atua desde 2009 no município de Careiro Castanho.

A Casa do Rio realiza diversas iniciativas de educação, geração de renda para o desenvolvimento sustentável local e para conservação da biodiversidade. Ela visa apoiar a transformação da realidade socioeconômica dos povos da floresta, respeitando as vertentes culturais, as tecnologias e os saberes tradicionais.

A expansão das operações da Adel para outras regiões no Brasil faz parte de sua estratégia de desenvolvimento institucional. Acredita-se que a expertise da Adel em promover o desenvolvimento local através do empreendedorismo e do protagonismo social é relevante em diversos outros contextos de resiliência no país.

Essa expansão já está acontecendo por meio da instalação de Núcleos Avançados em territórios na Região Nordeste. Já a expansão para outros contextos regionais do Brasil, ocorre por meio de alianças estratégicas com organizações parceiras locais, que são os aliados estratégicos da Adel nessa jornada de crescimento.

Um importante aliado estratégico da Adel, nessa perspectiva, é a Casa do Rio, que atua na Amazônia. O modelo institucional da Adel é visto pelos gestores da Casa do Rio como referência para seu próprio crescimento. Segundo Thiago Cavalli, Diretor Executivo da Casa do Rio, a maturidade de uma instituição passa por se repensar de tempos e tempos, rever seus padrões.

“Iniciamos o processo de fortalecimento institucional, revendo e repensando nossas estratégias, sistematizando nossas ações, aproveitando melhor as oportunidades. Isto só tem sido possível pelas parcerias estabelecidas com a BrazilFoundation e Adel, parceiras neste processo” enfatiza.

Aliança Estratégica

 

A aliança estratégica entre as duas organizações foi firmada recentemente. A Adel assume o compromisso de apoiar o desenvolvimento institucional da Casa do Rio para que a entidade possa ser um ponto avançado de experimentação e implementação de projetos e metodologias desenvolvidas pela Adel no contexto da Amazônia.

A Amazônia traz uma realidade socioeconômico muito particular, mas com um quadro de desafios e oportunidades para jovens empreendedores e protagonistas muito semelhante ao quadro vivenciado no semiárido do Nordeste brasileiro – desafios tais como pressão migratória, êxodo rural, cadeias de valor pouco estruturadas, mesmo em cenários com potencialidades econômicas diversas e que oferecem caminhos para criação de novos negócios. É um ambiente de alta resiliência para adolescentes, jovens e agricultores, em que as demandas por conhecimento, crédito, redes e tecnologias são bastante parecidas, embora não sejam iguais.

As atividades relacionadas a aliança estratégica iniciaram nesta semana, com a visita da Diretora de Programas da Adel, Aurigele Alves, à sede da Casa do Rio, em Careiro Castanho, município a cerca de 107 km de Manaus, Amazonas. É um primeiro momento de reconhecimento, de aprendizado sobre a Casa do Rio, suas perspectivas e estratégias, e de troca de informações e conhecimentos sobre ambas as organizações. O primeiro passo no apoio técnico que a Adel começa a oferecer à Casa do Rio.

Além disso, Adel e Casa do Rio, juntas, já estão elaborando e vão desenvolver projetos e ações em conjunto. Metodologias e conceitos programáticos gerados pela Adel em seus 11 anos de atuação serão reaplicados pela Casa do Rio, nas comunidades em que trabalha. A proposta da Adel é assessorar a Casa do Rio a partir do aprendizado adquirido como agência de desenvolvimento local com atuação consolidada em ambientes de resiliência no Brasil.

“Vamos trabalhar com aspectos tanto da configuração programática, quanto de governança e gestão, para que a Casa do Rio seja uma organização mais forte e consistente nos próximos anos”, ressalta Gláucio Gomes, Diretor de Desenvolvimento da Adel.

Adel divulga resultado da votação popular dos Microprojetos de jovens estudantes

 

O Projeto Jovens Empreendedores e Protagonistas Rurais nas Escolas, realizado pela Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel) em quatro instituições públicas de ensino do Estado do Ceará, chega a sua última etapa. Após participarem de oficinas que abordaram temas como convivência sustentável com o semiárido, desenvolvimento local, empreendedorismo rural, protagonismo social, direitos humanos, gestão dos recursos hídricos, convivência com o clima da região e intercâmbios educativos, foram eleitos os três melhores Microprojetos de cada escola, desenvolvidos na última oficina de Inovação e Tecnologias Socioambientais.

Os Microprojetos foram eleitos por votação popular online e serão apresentados no Seminário de Encerramento do Projeto. Os ganhadores participarão também de um novo Intercâmbio Educativo para aprimorar seus conhecimentos adquiridos ao longo das oficinas.

Segue abaixo a lista completa dos ganhadores:

EEM EDITE ALCÂNTARA MOTA

REALIZAÇÃO DE EVENTOS CULTURAIS NA ESCOLA, cujo objetivo é a realização de eventos interativos culturais na escola, em prol da educação, promovendo interação entre o núcleo gestor e os discentes, dando oportunidade aos alunos para se expressarem e fomentando a política de convivência, através da realização de gincanas e festas temáticas. Equipe: Luiz Frederico Mendes Neto, Maria Taís Monteiro Sousa, Maria Nataly Ferreira dos Santos, Francisco Orleando Cavalcante Lobo, Francisca Irys Rocha da Silva.

MELHORIAS NA QUALIDADE DA MERENDA ESCOLAR, cujo objetivo é articular o núcleo gestor para a qualidade da merenda escolar. Realizando questionários e palestras com nutricionistas. Equipe: Josimar Uchoa Cavalcante, Antônio Jandeyberg dos Santos Moura, Antônio Jandson dos Santos Moura, Amado Batista Rodrigues Nascimento.

COMBATE AO BULLYING NA ESCOLA, cujo objetivo é conscientizar os alunos das consequências do bullying e incentivar o respeito às diferenças, através de palestras, rodas de conversas e atividades lúdicas. Equipe: Francisca Samylla Lopes de Souza, Nicolas Gabriel Bastos, Francisca Amanda Soares da Silva, Natália Vieira Martins, Antônia Alice Pires Rodrigues.

EEM ETELVINA GOMES BEZERRA

DESPERDÍCIO DE ALIMENTO NA ESCOLA, cujo objetivo é diminuir ou acabar com o desperdício de alimentos dentro da escola, conscientizando alunos no que diz respeito ao desperdício de alimentos dentro ou fora do ambiente escolar. Dessa forma, contribuir para uma comunidade escolar e sociedade como um todo, mais empática, consciente e humana, através de palestras e rodas de conversa educativas. Equipe: Andreina da Silva dos Santos, Ester Marques da Silva, Amon Rosário Matos, Luciano Ferreira da Silva, Carlos Daniel da Silva Vieira.

INOVAÇÃO DA METODOLOGIA DE ENSINO, cujo objetivo é aumentar o aprendizado e rendimento escolar dos estudantes, buscando estimular o protagonismo estudantil, diminuir a indisciplina em sala de aula e melhoria no rendimento escolar. Promovendo aulas de campo, oficinas e palestras educativas sobre temas transversais, inclusão de jogos, música, etc. Equipe: Davi Araújo da Silva, Maria Lidiane Barroso Lopes, Bianca Ferreira da Silva, Rian Rodrigo Moraes Cruz, Francisca Beatriz de Sousa Alves. 2755

BULLYING NA ESCOLA, cujo objetivo é promover o respeito, empatia, solidariedade e tolerância no ambiente escolar, criando um local agradável, harmonioso e propício ao desenvolvimento e aprendizado, através da sensibilização da comunidade escolar para as consequências da pratica do bullying, seja na escola ou fora dela. Serão realizadas palestras, oficinas e rodas de conversa com o auxílio de um profissional da saúde como psicólogo e/ou assistente social, estimulando também atividades diversas como criação de um grupo de teatro na escola. Equipe: Marcos Nojosa da Silva, Andressa Nicole Verçosa da Silva, Antônia Mikaele Almeida de Sousa, Carlos Rafael Sousa Chagas.

EEM SÃO SEBASTIÃO

ACÚMULO DE LIXO NA ESCOLA, cujo objetivo é deixar a escola limpa, com a conscientização e colaboração da comunidade escolar através da mobilização e organização de grupos de limpeza, realização de palestras de conscientização, lixeiras para coleta seletiva de lixo e cartazes de conscientização. Equipe: Isadora Ferreira Araújo, João Pedro da Silva Guimarães, Ruth Abigail Bezerra de Sousa, Ana Paula Holanda Nascimento.

DESPERDÍCIO DE MATERIAIS RECICLÁVEIS, cujo objetivo é reutilizar os recursos possíveis de forma criativa e interativa e conscientizar os alunos sobre a importância da reciclagem. Sendo realizadas palestras com temáticas que conscientizem os alunos e professores a reutilizarem materiais recicláveis e mutirões de limpeza dos ambientes escolares. Equipe: Francisca Lindamara Cruz, Wanderson de Sousa Ribeiro, Thalyta de Fátima Gois Alves, Luiz Breno Pereira da Silva.

CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE ESCOLAR, cujo objetivo é diminuir o máximo possível o calor excessivo no ambiente escolar, realizando o plantio de árvores na escola, instalação de mais ventiladores nas salas e demais ambientes e rodas de conversa para conscientizar os alunos sobre a importância da conservação do patrimônio escolar. Equipe: Lunga Kelly Soares Castro, Brindelhe Teixeira de Almeida, Lailton de Castro Braga.

EEM WALDEMAR ALCÂNTARA

A NÃO ACEITAÇÃO DO PÚBLICO LGBTQ NA ESCOLA, cujo objetivo é promover a aceitação e tolerância a orientação sexual do grupo LGBTQ dentro da escola. Conscientizar os alunos da importância de respeitar o próximo; criar um ambiente escolar de respeito e diminuir o índice de discriminação na escola, através de palestras motivadoras, debates dentro da própria sala, momentos de interação entre os alunos, campanha: um mês de respeito ao próximo, cartazes e panfletos. Equipe: Alicia Souza Soares, Bruna Victória de Oliveira Moraes, Vitória Gesis Soares Guilherme, Luiz Felipe Ferreira de Souza.

COMBATE ÀS DROGAS, cujo objetivo é ajudar os jovens que desejam sair do caminho das drogas, oferecendo atividades interativas, culturais e empreendedoras e conscientizar os demais jovens que não devem viver essa experiência por trazer consequências negativas para as suas vidas e de seus familiares. Assim, é preciso trazer profissionais que ajudem a desenvolver na escola cursos de artesanatos, capoeiras, grafite, dança, etc. Palestras sobre drogas e acompanhamento psicológico. Equipe: Amanda Vitória Silva de Araújo, Marcos Luan de Melo Silva, Josemara Oliveira Santos, Cristalina Ferreira Oliveira, Thiago Mota Moraes.

FALTA DE EMPATIA NO AMBIENTE ESCOLAR, cujo objetivo é obter empatia no ambiente escolar para conseguirmos uma convivência agradável e pacífica. Tornando a Escola um ambiente harmonioso entre alunos, professores e funcionários, trazendo melhores resultados, maior respeito e ajuda mútua entre as pessoas. Sendo realizados debates, depoimentos, palestras e entrega de panfletos. Equipe: Ana Maria de Oliveira do Nascimento, João Vitor Barroso da Costa, Francisco Sanmoel da Silva Alcântara, Yara Rodrigues Costa.

Estudantes de Escolas Públicas do Ceará participam de Intercâmbio Educativo

 

O Projeto Jovens Empreendedores e Protagonistas Rurais nas Escolas, realizado pela Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel) em quatro instituições públicas de ensino do Estado do Ceará, chega a sua penúltima etapa. Após participarem de oficinas que abordaram temas como convivência sustentável com o semiárido, desenvolvimento local, empreendedorismo rural, protagonismo social, direitos humanos, gestão dos recursos hídricos e convivência com o clima da região, os estudantes participam de um momento que apresenta de forma contextualizada, interativa e prática os conteúdos estudados ao longo do ano: o Intercâmbio Educativo.

No total, são quatro intercâmbios, um para cada escola atendida, realizados com os estudantes que participaram da última oficina sobre Inovação e Tecnologias Socioambientais. Os quatros dias seguem o mesmo roteiro, uma visita ao Parque Estadual Botânico do Ceará, localizado no município de Caucaia (CE), seguida por um momento de lazer e integração dos estudantes, professores e equipe da Adel no SESC de Iparana.

O Parque, distante cerca de 15 km de Fortaleza, foi inaugurado em 1998 e representa um dos principais símbolos da preservação ambiental no Estado, com uma área de 190 hectares. A unidade de conservação é o habitat para diversas espécies nativas da flora e da fauna da Região Nordeste. Possui 6 km de Trilha Ecológica, onde é possível visitar orquidário, viveiro de mudas, horto com plantas medicinais, banco de sementes e meliponário. Ao todo, possui cerca de 185 espécies de flora e 110 espécies de animais silvestres, entre pássaros, mamíferos e répteis. O banco de mudas da unidade de conservação tem capacidade para produzir 3.000 mudas por mês de espécies nativas.

 

Para o estudante Luiz Frederico, da Escola Edite Alcântara Mota, a experiência foi bastante positiva, uma oportunidade para aprofundar seus conhecimentos sobre a fauna e flora da região. “O que eu mais gostei de conhecer foram os viveiros de mudas e horto que tem plantas medicinais, e isso são apenas algumas das atrações do Parque Botânico que superou minhas expectativas”, ressalta.

Segundo a Professora de História, Terla Santos, docente da Escola Etelvina Gomes Bezerra, a experiência do Projeto é bastante positiva pois implica no aproveitamento e desenvolvimento das habilidades dos estudantes. “Essa oportunidade de promover intercâmbio é muito importante para a formação humana e cultural desses meninos e meninas que, em sua maioria, não teriam como ter acesso, se não fosse oportunizado por projetos como esse. Como professora, fico muito feliz por cada um”, destaca.

Para o Professor de Matemática da Escola Edite Alcântara, Idelmar Gomes, o sentimento é de gratidão pela extrema contribuição que o Projeto tem proporcionado aos alunos. “O nosso alunado é carente de iniciativas como esta, que sem dúvida foi impactante na formação coletiva e individual de cada um deles. Levo aqui o agradecimento em nome de cada um que faz a Escola Edite Alcântara Mota, a Adel pela oportunidade que deu aos nossos estudantes”, enfatiza.

 

Segundo a Coordenadora de Projetos da Adel, Raquel Ferreira, organizar o intercâmbio foi uma atividade bastante enriquecedora. “Além do aprendizado, foi um momento de interação e lazer para os estudantes, afinal todos eles merecem, por terem se destacado e abraçado o projeto desde o início. Os jovens saem felizes e animados. Ansiosos e cheios de expectativas para as próximas atividades”, comenta.

Já foram realizados intercâmbios com as Escolas: Edite Alcântara Mota de General Sampaio, Waldemar Alcântara de São Gonçalo do Amarante e Etelvina Gomes Bezerra de Pentecoste. O próximo e último será nesta quarta-feira, 14/11, com os alunos da Escola São Sebastião de Apuiarés. Mais de cem estudantes já participaram da atividade, que contou também com a participação de nove profissionais das instituições de ensino, entre professores e gestores.

O Projeto faz parte do portfólio de ações do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER), resultado de parcerias firmadas com a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) e Rede Globo através do Criança Esperança, e, com o Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ceará (CEDCA/CE). Conta com o apoio da Secretaria da Educação do Estado do Ceará (SEDUC-CE).

Oficinas sobre desenvolvimento técnico e gerencial auxiliam agricultores no Rio Grande do Norte

Produtores locais acessam conhecimento através de oficinas

Desde setembro, a Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel) realiza oficinas formativas com agricultores sobre desenvolvimento técnico e gerencial de suas pequenas propriedades rurais no Rio Grande do Norte. Os participantes são beneficiários do Programa EDP Renováveis Rural – programa social realizado pela EDP Renováveis em quatro comunidades nos municípios de Touros e Jandaíra, no Rio Grande do Norte.

A etapa formativa do Programa busca a ampliação de capacidades pelos indivíduos, com foco em processos pedagógicos. Através de métodos de aprendizagem diversos, as agricultoras e os agricultores têm acesso a novos conhecimentos e a meios para aliar soluções modernas e inovadoras com seus saberes tradicionais, em muitos casos, de natureza empírica.

Esses processos pedagógicos vão além de oficinas e dias de campo (aprendizagem técnica e prática). A Adel busca proporcionar o acesso a conhecimento também por meios não-tradicionais, como a troca de saberes e de experiências entre atores locais (sessões de intercâmbio) e sessões e encontros de assessoria técnica, em que, a partir da interação entre os agricultoras(es) e profissionais especializados, gera-se aprendizagem.

Essas atividades permitem às/aos agricultoras(es) aprenderem um pouco mais sobre novos meios de produção e gestão, e, sobre as estratégias de resiliência no campo. Toda oportunidade de interagir com novos conhecimentos, seja se relacionando com técnicos especialistas ou com seus pares, é uma possibilidade real de aprender algo que será útil e importante no aprimoramento de suas práticas de produção, de gestão dos estabelecimentos rurais, na condução da comercialização dos produtos de seus empreendimentos agropecuários etc.

Nesse sentido, interação é o elemento chave no processo formativo. No contexto específico do Programa EDP Renováveis Rural, esse campo de aplicação das capacidades individuais é a pequena propriedade rural, em que, de modo geral, se pratica a agricultura familiar.

Oficinas aplicadas

Já foram realizadas nas comunidades Lagoa de Serra Verde, Tubiba, Zabelê e Cabeço oficinas sobre Associativismo e Empreendedorismo, Gestão da Propriedade, Produção de Galinha Caipira e Comunicação para a comercialização almejando-se a maior assimilação e aplicação do conteúdo no dia a dia das famílias. As oficinas possibilitaram aos participantes a compreensão do conteúdo de forma lúdica e cooperativa, estimulando as agricultoras e agricultores a descobrirem seu verdadeiro perfil empreendedor e os potenciais associativos das comunidades.

Visita aos quintais das pequenas propriedades rurais durante a Oficina sobre Criação de Galinha Caipira, comunidade Tubiba, Touros (RN)

Maira Zanduzzo, Gerente Ambiental na EDP Renováveis destaca a importância de conhecer a realidade local: “A gente chega em todas as comunidades e faz um estudo sobre o tipo de produção que eles têm, como funciona, o que gera renda, qual é a dinâmica social, como eles se organizam. Com isso, a gente consegue a partir de uma metodologia bem estabelecida, definir que tipos de ações sociais vamos executar e quem serão os beneficiários”.

Este momento proporcionou, ainda, visitas aos quintais de duas propriedades. Os participantes puderam identificar as características da criação de galinha caipira pela família, observando instalações, manejo sanitário e alimentar dos animais. A atividade permitiu uma maior interação entre os moradores, gerando troca de experiências e promovendo novos aprendizados e práticas.

O agricultor José Paulino, proprietário de um dos quintais visitados, ressalta a importância da oficina: “A atividade foi muito interessante, conquistei novos conhecimentos de forma prática e simples. Entendendo a relação com a água, a comida, a limpeza. Através das dicas a gente pode ver o que errou e melhorar”.

Para saber mais sobre o projeto, visite nossa última notícia: http://www.adel.org.br/diagnostico-apresenta-potencialidades-e-vulnerabilidades-de-comunidades-rurais-no-rio-grande-do-norte/

Adel realiza oficina sobre Inovação e Tecnologias Socioambientais com estudantes de Escolas Públicas

 

Por meio do Projeto Jovens Empreendedores e Protagonistas Rurais nas Escolas, realizado em quatro instituições públicas de ensino do Estado do Ceará, a Adel iniciou na última semana, a oficina Inovação e Tecnologias Socioambientais com 50 estudantes de cada Escola. Vinte e cinco em cada turno.

O principal objetivo da oficina é proporcionar aos estudantes a compreensão do que são essas tecnologias e a sua importância no processo de sustentabilidade e desenvolvimento local. A partir dessa aprendizagem, os jovens podem abrir o leque de possibilidades e aplicar os conhecimentos aprendidos na elaboração de microprojetos pontuais e possíveis de serem implantados por eles próprios, com poucos recursos e de forma resiliente em suas escolas e/ou comunidades. Após discutida a importância do acesso e do uso das Tecnologias Socioambientais, a oficina orienta os jovens sobre como elaborar seus microprojetos.

Ao início de cada oficina os jovens constroem um mural do comprometimento e são divididos em equipes cooperativas, onde cada um exerce um papel: o Coordenador é o responsável por articular seus colegas de equipe para realização das tarefas; o Organizador é o responsável por administrar os recursos disponíveis para realizar as tarefas; o Escritor é responsável por anotar as ideias dos debates do grupo; o Comunicador é o responsável por ser o “porta-voz” da equipe, representando-a nos momentos de diálogo com outros atores envolvidos na Oficina e nos momentos de apresentação e o Estimulador é o responsável por motivar os demais participantes a cumprirem com suas respectivas funções.

 

Para a Coordenadora de Projetos da Adel, Raquel Ferreira, esta segunda fase é uma etapa brilhante. “A gente conseguiu atingir 400 jovens de diversas formas. Essa oficina é uma atividade prática, as cinco primeiras oficinas a gente pode considerar oficinas de sensibilização, então esse momento se torna a concretização das demais oficinas” ressalta.

Para a elaboração dos microprojetos, os jovens participam de quatro atividades: Árvore de Problemas e Objetivos; Elaboração da Matriz FOFA para análise situacional do ambiente; Escrita e Apresentação do Projeto.

Natália Martins, 16, estudante da escola Edite Alcântara Mota de General Sampaio compartilha suas impressões sobre o encontro: “A oficina foi muito importante, pois muitos alunos têm vontade de desenvolverem um projeto só que não tem ninguém que incentive. Eu já tinha interesse em desenvolver um projeto e com a oficina de Inovação e Tecnologias Socioambientais eu pude dar minhas ideias, compartilhar com meu grupo, fazer com que nosso microprojeto possa ir adiante e a gente possa compartilhar com nossos outros colegas e levar em breve para além da escola”. Natália e sua equipe buscam desenvolver um projeto que ajude a combater o bullying no ambiente escolar.

 

De cada turma serão eleitos três microprojetos que tiverem maior destaque, ou seja, quatro por escola, que serão apresentados no Seminário de encerramento do Projeto . Em breve divulgaremos mais detalhes sobre o processo de escolha. Mas antes disso, os jovens ainda participarão de intercâmbios, onde conhecerão na prática iniciativas inovadoras e casos de sucesso que estão sendo desenvolvidos na região.

Sobre a participação nesta oficina

A seleção dos jovens para esta etapa aconteceu de acordo com os seguintes critérios: Número de participação nas cinco oficinas realizadas na primeira etapa, resposta à pergunta que foi feita a cada jovem, se possui interesse em desenvolver um microprojeto e o terceiro critério foi a participação, jovens que se destacaram durante as oficinas e foram identificados com perfil de protagonistas. Através do cruzamento desses três dados a equipe gestora do Projeto conseguiu chegar nos 25 de cada turma.

A primeira etapa compreendeu cinco oficinas: Sustentabilidade e Conservação da Caatinga; Juventude e Protagonismo Rural; Juventude e Empreendedorismo Rural; Juventude e Direitos Humanos e Água e Desenvolvimento do Semiárido. Realizadas em quatro escolas: EEM São Sebastião em Apuiarés; EEM Waldemar Alcântara em São Gonçalo do Amarante; EEM Etelvina Gomes Bezerra em Pentecoste e EEFM Edite Alcântara Mota em General Sampaio. Faz parte do portfólio de ações do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER), resultado de parcerias firmadas com a Unesco (United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization) e Rede Globo através do Criança Esperança, e, com o Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ceará (CEDCA/CE). Conta com o apoio da Secretaria da Educação do Estado do Ceará (SEDUC-CE).

Diagnóstico apresenta potencialidades e vulnerabilidades de comunidades rurais no Rio Grande do Norte

 

Desde março de 2018, a Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel) realiza diversas atividades no âmbito do Programa EDP Renováveis Rural – programa social realizado pela EDP Renováveis Brasil nos municípios de Touros e Jandaíra, no Rio Grande do Norte.

O Programa EDP Renováveis Rural é uma estratégia para ampliar as capacidades de agricultores e agricultoras de pequenas propriedades em comunidades rurais no semiárido do Nordeste brasileiro. Faz isso a partir do investimento em capacitação, em difusão de tecnologias socioambientais e em assessoria aos atores locais para formação de arranjos produtivos e fortalecimentos de redes de proteção social.

Dentre as atividades realizadas até o momento, destaca a produção de um Diagnóstico sobre as potencialidades e vulnerabilidades de quatro comunidades rurais beneficiadas. O Diagnóstico contemplou entrevistas semiestruturadas com lideranças, representantes de órgãos públicos, instituições da sociedade civil e outros atores estratégicos nas comunidades rurais.

Além das entrevistas, a Adel realizou oficinas de Diagnóstico Rural Participativo (DRPs) com o objetivo de elaborar a cartografia social das comunidades atendidas. Os dados evidenciaram oportunidades, potencialidades e os desafios no contexto dos estabelecimentos produtivos de cada agricultor familiar.

 

Jandaíra e Touros somam mais de 40 mil habitantes e são municípios rurais localizados na região de Mato Grande. A agricultura e a pecuária em regime extensivo nesses municípios são basicamente para subsistência. O Diagnóstico definiu o perfil produtivo de cada agricultor(a) e foi essencial para a orientar a indicação das tecnologias socioambientais de convivência com o semiárido que serão implantadas nas propriedades dos pequenos produtores rurais nos dois municípios atendidos.

Na próxima etapa do Projeto, a Adel vai implantar tecnologias sustentáveis de convivência com o semiárido. Em um primeiro momento serão instaladas: Cisternas de Produção de 52 Mil litros; Unidades de produção agroecológica de mel de abelhas nativas; Unidades de Produção Agroecológica Integrada e Sustentável (PAIS); Unidades de reuso das águas cinzas; Unidades de criação de Galinhas Caipiras; Unidades de produção de mel (Apis); e, Unidades de produção de palma com reuso de água.

Repletos de talentos, habilidades, saberes e conhecimentos, as comunidades rurais onde o Programa é realizado têm imenso potencial criativo. “O principal objetivo do Programa EDP Renováveis Rural é contribuir com as comunidades vizinhas aos Parques Eólicos da Empresa e ajudá-los a desenvolver melhor as potencialidades que eles já têm”, explica Emiliana Fonseca, Especialista Ambiental da EDP Renováveis Brasil.

 

 

Sobre o Diagnóstico

O Diagnóstico de Potencialidades e Vulnerabilidades para o Desenvolvimento Rural de comunidades localizadas no entorno dos Parques Eólicos da EDP Renováveis Brasil nos municípios de Touros e Jandaíra, no Estado do Rio Grande do Norte, reúne dados relevantes para orientar a implantação de tecnologias socioambientais de convivência sustentável com o semiárido em 40 pequenas propriedades de agricultores familiares beneficiados pelo Programa EDP Renováveis Rural.