Matéria “Jovens Empreendedores Rurais” recebe prêmio nacional de jornalismo

Ana Maria, Jovem Empreendedora Rural da Comunidade Livramento, São Gonçalo do Amarante – CE. Foto: Eduardo Queiroz

A matéria “Jovens Empreendedores Rurais”, da jornalista Maristela Crispim, veiculada no jornal Diário do Nordeste em julho de 2016, foi premiada na Categoria Nacional Texto do Prêmio Banco do Nordeste de Jornalismo em Desenvolvimento Regional.

A equipe esteve em Pentecoste e com muita sensibilidade, contou um pouco da história da Adel e de alguns jovens empreendedores rurais beneficiados por nossos Projetos. As fotos foram feitas por Eduardo Queiroz.

O Prêmio foi compartilhado com outra matéria, também de Maristela em parceria com Fernando Maia: “Conviver e Preservar / Conviver e Produzir” que tratava de Tecnologias Sociais que favorecem a convivência de pequenos produtores com o semiárido.

Joy Bruno, Jovem Empreendedor Rural de Caucaia – CE. Foto: Eduardo Queiroz

Maristela está de parabéns por seu olhar sensível e compreensivo diante a realidade dos jovens empreendedores entrevistados, por divulgar e destacar a relevância do que fazemos e por enaltecer o nosso trabalho. Sua capacidade para entender o contexto em que atuamos foi fantástica. Será uma reportagem mostrada sempre com orgulho.

Sem dúvida seguimos a missão de promover o desenvolvimento local de comunidades rurais através do empreendedorismo e protagonismo de jovens e agricultores.

A matéria premiada está disponível em: https://goo.gl/5ZLQnR/

Adel assessora os jovens empreendedores rurais do Fundo Veredas

Coordenadora de Projetos, Raquel Ferreira, coletando dados do jovem empreendedor João Victor

Nas últimas duas semanas a equipe da Adel visitou os jovens empreendedores rurais que acessaram recursos financeiros do Fundo Veredas com o intuito de acompanhar a aplicação do crédito e assessorar os jovens na gestão dos seus empreendimentos.

No total, 32 jovens foram visitados. Destes, doze (12) acessaram crédito pela primeira vez e o restante já são o segundo e/ou o quarto acesso. A assessoria técnica e gerencial continuada – desde a elaboração do projeto de negócio até o alcance de metas de desempenho e de sustentabilidade dos empreendimentos fazem parte da estratégia do Fundo Veredas e são fundamentais para a consolidação dos projetos.

Durante as visitas de assessoria, a equipe da Adel busca perceber os impactos positivos que o empreendimento traz para a vida do jovem e da comunidade e faz um levantamento geral de dados dos beneficiados, a fim de registrar os desafios que os jovens enfrentam e elaborar soluções criativas e inovadoras para apoiar o desenvolvimento dos negócios.

Liliane Ingrid respondendo questionário de acompanhamento

Liliane Ingrid, 20, Tabuleiro, Apuiarés, acessou o Fundo Veredas este semestre, criou uma loja de roupas na comunidade e já trabalha com o segundo lote de vendas graças ao crédito do Fundo Veredas. Atualmente, a loja já possui aproximadamente 50 clientes cadastrados.

Para a jovem, fazer parte do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) é uma oportunidade que vai além de adquirir conhecimentos. “O PJER também ajuda a se preparar para o mundo. Foi e está sendo de grande importância ter feito o curso de empreendedorismo por meio do PJER. Além disso, por meio do Fundo Veredas, estou realizando mais um objetivo de vida”.

Indiretamente, a família dos jovens e a comunidade também são beneficiados com o Programa. Nas visitas, os pais sempre demonstram apoio e entusiasmo com a trajetória de vida dos filhos. O jovem empreendedor Victor de Souza, 20, mora na comunidade Fazenda Timbaúba em São Luís do Curu, e decidiu empreender no setor de panificação.

João Victor no seu empreendimento

Victor criou a panificadora VitPan na comunidade e uma das estratégias de venda e interação com o público é a realização de cafés da manhã coletivos, realizados uma vez ao mês. Depois que implantou o empreendimento ele já realizou a ação duas vezes.

Na semana do evento ele faz uma divulgação com panfletos do empreendimento e convida todos da comunidade. O café começa as sete e vai até as dez horas. Além dos produtos da própria panificadora, são disponibilizados café, sucos e frutas. A atividade é uma forma de acolhimento e fidelização dos clientes. O café tornou-se um ponto de encontro das famílias da comunidade.

Projeto Curu Valley proporciona o acesso as tecnologias no Sertão

Jovens reunidos ao final do segundo encontro

O Projeto Curu Valley, uma iniciativa apoiada pela BrazilFoundation e amadrinhada pela Adel, tem reunido jovens com interesse em desenvolver projetos de Tecnologia da Informação (TI) no território.

O objetivo do projeto é colaborar para a construção de uma cultura de TI no Vale do Curu, por meio da democratização do conhecimento e do incentivo ao acesso à informação por parte dos jovens rurais. No total, cerca de vinte (20) jovens participam do projeto.

Idealizado pelo jovem Gabriel Levy, 22, o projeto conta hoje com o apoio de Rafael Marques, 27, apaixonado por tecnologia e empreendedor na World Of Hackers. Gabriel e Rafael participam do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) promovido pela Adel e compartilham juntos o sonho de levar informação e tecnologias para as comunidades rurais do sertão do nordeste brasileiro.

Eles começaram a “desbravar” o sertão pelos municípios de Apuiarés e Pentecoste. Mesmo morando em Pentecoste e participando do PJER, a experiência de irem visitar os Centros Integrados de Tecnologia (CITs) pela primeira vez para apresentar o projeto as lideranças dos CITs trouxe ainda mais motivação para a dupla.

Gabriel Levy explicando conceitos de TI

Segundo Gabriel, compartilhar os conteúdos, conhecimentos e acessos que ele tem com outros jovens é algo que lhe motiva e lhe faz acreditar que é possível aprender o que quiser, basta ter acesso a informação, conhecimento e ter as orientações adequadas de como seguir com o estudo.

“O autodidatismo é possível para todas as pessoas, bastar ter vontade e centrar força no ato de aprender. Essa comunidade de jovens que compartilha conhecimento na área de TI estar apenas começando, por que nossa ideia é contagiar muitos outros jovens a aprender a aprender e a possibilitar que outros jovens aprendam também”, enfatiza Gabriel.

Início das atividades

Nos dias 16 e 17 de junho eles visitaram três (3) comunidades rurais – Lagoa das Pedras, Vila Soares e Sítio do Meio, as duas primeiras em Apuiarés e a última em Pentecoste, para apresentar o projeto nos CITs e convidar jovens para a primeira oficina. Ainda nesta visita, eles realizaram um levantamento do estado dos equipamentos, no que tange ao funcionamento e uso. A partir desse mapeamento será apresentado um relatório a Adel para uma parceria que apresente estratégias de revitalização e sustentabilidade dos Centros.

Rafael Marques ministrando oficina sobre PC’s

Nos sábados seguintes, dias 24 de junho e 01 de julho, ocorreram dois encontros do projeto. O primeiro encontro foi formativo com os jovens rurais dos CITs implementados pela Adel. Rafael Marques ministrou uma oficina de Manutenção de PC’s, abordando os principais problemas e como solucioná-los, com a intenção de estimular os jovens rurais a exercer o seu protagonismo e preservar os equipamentos de seus espaços.

O segundo encontro foi de compartilhamento e troca de experiência em TI no Vale do Curu, e reuniu além dos jovens rurais dos CITs, jovens de Pentecoste que estudam ou já realizam algum trabalho na área de TI, a exemplo os jovens do coletivo WebNotícias.

“Hoje eu vejo que é mais fácil do que podemos imaginar aprender coisas novas e que pareciam tão impossíveis, difíceis e complicadas. Gabriel e Rafael nos apresentaram um universo de informações que podemos ter acesso com apenas um click. Estou muito feliz de fazer parte dessa comunidade e de poder difundir esse conhecimento com outros jovens do CIT de Vila Soares.” afirma a jovem Emanuele.

Os próximos passos do projeto é realizar mutirões de revitalização dos CITs, compartilhamento de uma biblioteca virtual com assuntos diversos que promovam o autodidatismo; e, reuniões da equipe do Projeto.

Adel realiza Seminário Interno de Gestão

Toda a equipe reunida ao final do evento

Nos dias 8 e 9 de junho, a Adel esteve fechada ao público para realização do Seminário Interno de Gestão, tendo como finalidade formar e alinhar toda a comunidade institucional. O evento trouxe a participação dos seis Diretores e de seus nove Colaboradores.

O primeiro dia contou com as explanações de Adriano Batista e Gláucio Gomes, Diretor Executivo e Diretor de Desenvolvimento, respectivamente. Dentre os temas trabalhados, tivemos a apresentação do Plano Estratégico, trazendo destaque para conceitos como: Posicionamento, Missão, Visão e Valores da organização. Foram apresentados também os objetivos para o segundo semestre de 2017. Gláucio encerrou o primeiro dia abordando o conceito de Desenvolvimento, especialmente o tema Desenvolvimento Local na visão da Adel.

Diretor de Desenvolvimento, Gláucio Gomes, explicando o processo de Gestão Institucional

O segundo dia contou com a fala dos demais Diretores: Helano Luz, Diretor Financeiro; Aurigele Alves, Diretora de Programas; Wagner Gomes, Diretor de Negócios e Evilene Abreu, Diretora de Comunicação. Cada um deles aprofundou o conhecimento sobre suas respectivas áreas de atuação, trazendo alguns resultados, diretrizes e planos futuros. Ao longo do evento, foram apresentados a Gestão da Adel, sendo exposto o organograma, processo de tomada de decisão, políticas e conjunto de normas institucionais, enfatizando a importância da transparência, na forma como os recursos são captados e geridos.

Colaboradores Edilardo Sales, Gescilene Barbosa e Fábia Oliveira

A Adel encerrou o momento com ótimas perspectivas de futuro, novas oportunidades e possíveis parcerias tanto na área de Negócios quanto na de Programas. A equipe se mostrou bastante motivada e inspirada a adquirir cada vez mais conhecimento sobre o ambiente de trabalho onde operam e convivem, que na Adel não se restringe apenas a um espaço físico, mas a todo o território onde atua.

Para Edilardo Sales, o momento foi muito importante para sua formação. “É motivador conhecer de perto as lutas e conquistas desta instituição até então e, saber de como ela colaborou com o desenvolvimento das pessoas e das comunidades na região onde atua e, mais ainda como ela projeta-se para ampliar seu raio de atuação. Fazer parte da equipe da Adel hoje pra mim é muito gratificante”.

Projeto Caroá encerra ciclo de formação

Todos os participantes reunidos ao final do evento

Na manhã de ontem, 31/05, realizamos o evento de fechamento do ciclo de formação do Projeto Caroá, juntamente com a entrega de certificados referentes às oficinas sobre técnicas de produção, gestão e comercialização dos produtos da agricultura familiar.

O evento, conduzido pela Diretora de Programas, Aurigele Alves, juntamente com o Assistente de Projetos, Tales Rilton, contou com a participação da Analista de Relações com as Comunidades, Walma Sousa do Programa Ideia da Gente da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP); Rafael Moraes, Coordenador do Diálogo Social da Dialog; com o Secretário de Planejamento Administração e Gestão, Emanuel Ângelo; e, Álvaro Neto, responsável pela Coordenação de Planejamento, Orçamento e Modernização Organizacional, ambos do município de São Gonçalo do Amarante. O Diretor Executivo da Adel, Adriano Batista, também esteve prestigiando o evento.

Cada convidado deixou sua fala de inspiração e admiração com relação ao Projeto, desejando força e entusiasmo aos jovens, mesmo diante das dificuldades passíveis de enfrentamento. Walma ressaltou a presença da CSP como um parceiro para auxiliar sempre que necessário, mas principalmente como responsável pelo pontapé inicial para que o Projeto realize uma caminhada autônoma.

O Secretário, Emanuel, destacou a importância do apoio a pequenos projetos e aos jovens empreendedores, já que muitas vezes há muita especulação e incentivo apenas para grandes indústrias. Adriano Batista relembrou a história da Adel como forte apoiadora do jovem rural e do empreendedorismo local.

Jovens apresentando o relato sobre a experiência de Intercâmbio à Coopercuc

Os jovens participantes do Projeto Caroá compartilharam também as vivências durante o intercâmbio à Coopercuc – Cooperativa Agropecuária Familiar com sede em Uauá, Bahia, e os planos futuros do Projeto, que agora segue para a assessoria de criação do seu plano de comunicação e marketing, iniciando assim, mais uma etapa para a consolidação da primeira Cooperativa de Jovens do Território.

Para o jovem Neto Ribeiro, um dos participantes e articuladores do Projeto e que também participou e vivenciou de perto a realidade da Coopercuc, o intercâmbio foi mais uma oportunidade de superar novos desafios e encontrar os pontos fortes e fracos do Projeto para seguir com o crescimento do empreendimento.

O intercâmbio à Coopercuc aconteceu entre os dias 15 e 19 de maio, dois integrantes da equipe da Adel e três jovens beneficiados pelo Projeto Caroá conheceram as instalações, a história e os desafios vivenciados por uma Cooperativa formada por agricultores familiares.

 

O Projeto Caroá é realizado pela Adel com o apoio da Companhia Siderúrgica do Pecém através do Programa Ideia da Gente. Este novo ciclo do Projeto, conta também com a parceria da BrazilFoundation.
Para saber mais sobre a Coopercuc, acesse: http://www.coopercuc.com.br/

Jovens do Projeto Caroá participam de intercâmbio na Bahia

Encontro com os líderes da Cooperativa Coopercuc, Bahia

Entre os dias 15 e 19 de maio, parte da nossa equipe e três jovens beneficiados pelo Projeto Caroá estiveram na Bahia participando de intercâmbio na Coopercuc – Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos.

A Coopercuc é formada por 204 cooperados, em sua maioria mulheres, que produzem doces e geleias a base de frutas nativas do sertão. O objetivo da visita foi conhecer de perto a história e os caminhos que as mulheres usaram para criar e desenvolver esse projeto que tem suas bases na Agricultura Familiar. Assim como, conhecer um pouco da gestão da cooperativa, observar as instalações e conhecer o trabalho que eles realizam com os cooperados.

No primeiro dia de visita às instalações da Coopercuc, os participantes do intercâmbio estiveram reunidos com o Diretor Financeiro, José Rodrigues, conhecido como Carlinhos e a Secretária da Cooperativa, Carla. Nesse primeiro contato foi apresentado a história da Coopercuc que surgiu com o intuito de ampliar a participação das mulheres na renda familiar e nas decisões políticas. Com a mobilização e organização das mulheres surgiu a oportunidade de trabalhar com o Umbu, produto típico da região semiárida da Bahia.

Carlinhos ressaltou que primeiramente as comunidades mobilizadas passaram a desenvolver pequenas unidades de produção nas próprias casas das famílias. Em seguida, elas se associaram e em 2004 oficializaram a Coopercuc com 44 cooperados. Para Carlinhos, o cuidado que eles tiveram com a base de produtores, com as comunidades, e, primordialmente, com a organização das mulheres da região, foi essencial para consolidação da iniciativa.

Presidente da Coopercuc, Denise Cardoso, apresentando as instalações

 

Num segundo momento, Aurigele Alves, nossa Diretora de Programas, apresentou o trabalho da Adel e as atividades do Projeto Caroá, que tem como principal objetivo colaborar com a criação da primeira cooperativa de jovens empreendedores do território. Rayssa Duarte, Neto Ribeiro e Vitor Esteves, jovens beneficiados pelo Projeto e articuladores da iniciativa, também expressaram o sonho e os planos para criação da Caroá.

Segundo Tales Rilton, Assessor de Projetos, o momento foi bastante rico e os jovens do Projeto Caroá tiveram a oportunidade de tirar dúvidas sobre os desafios enfrentados, os avanços, assim como a experiência de organização e formação de uma cooperativa.

No intercâmbio, os jovens conheceram as instalações da Agroindústria da Coopercuc, a loja que vende os produtos, as cisternas que eles armazenam água da chuva, a estação de tratamento das águas cinzas e o viveiro de mudas que visa o melhoramento genético do umbuzeiro e de outras espécies da região. Eles também visitaram a propriedade do Sr. José Wilson, cooperado da Coopercuc, morador da comunidade Serra da Besta, em Uauá, Bahia.

Visita ao viveiro de mudas

A visita realizou-se na roça do Sr. José, local onde ele produz maracujá, umbu, manga, goiaba, feijão, mandioca, milho, dentre outras culturas. Percebeu-se os desafios enfrentados ao produzir em uma região semiárida, onde não chove regularmente há dois anos. Os jovens da Caroá trocaram diversas experiências com ele e aprenderam sobre as culturas produzidas, inclusive ganharam algumas sementes para que façam o plantio no Ceará.

Inspiração

O intercâmbio foi inspirador para ambos os grupos. A equipe da Coopercuc ficou bastante entusiasmada com a participação da juventude do Ceará. Carlinhos incentivou muito os jovens a criar a Cooperativa Caroá e manifestou a alegria de ver a atuação de jovens nas áreas rurais. Segundo ele, não há uma participação considerável de jovens na produção e nos espaços de decisões nos quais a Coopercuc se insere.

Os jovens Vitor Esteves, Rayssa Duarte e Neto Ribeiro, Tales Rilton e Aurigele, Assessor de Projetos e Diretora de Programas da Adel a caminho da Bahia (da esquerda para direita)

Para Rayssa Duarte, jovem participante do intercâmbio, a atividade proporcionou bastante aprendizagem. “Todo o caminho que a Coopercuc trilhou nos dar ânimo para que o projeto Caroá se desenvolva com sucesso no Ceará. A experiência da Coopercuc já foi compartilhada com a Caroá, a missão agora é disseminar todo o conhecimento que adquirimos com os outros jovens do grupo e desenhar futuro da Cooperativa Caroá.”

Nos próximos dias, será compartilhado com os demais beneficiados pelo projeto a experiência vivenciada e realizado o cadastro dos futuros associados. O Projeto Caroá é realizado pela Adel e apoiado pela Companhia Siderúrgica do Pecém através do Programa Ideia da Gente.

Adel realiza intercâmbio com grupo de produtores rurais

 

Ontem (17/05), realizamos o segundo intercâmbio com os produtores rurais das comunidades beneficiados pelo Projeto de Segurança Hídrica, componente do Programa Raízes desenvolvido pela CPFL Renováveis. O intercâmbio ocorreu no Assentamento Modelo 1, no município de João Câmara, Rio Grande do Norte.

Onze produtores rurais, sendo dois do Assentamento Modelo 1 e nove dos Assentamentos Boa Esperança, Florêncio José, Modelo 2 e Ouro Verde participaram da atividade. Desta vez, o objetivo do intercâmbio foi promover a troca de experiências entre produtores que trabalham com irrigação em pequenas propriedades e de forma coletiva.

Reunião com os produtores rurais no Assentamento Modelo 1

No intercâmbio foram apresentados os benefícios do trabalho coletivo, as culturas que permitem maior rentabilidade e quais as estratégias utilizadas para o escoamento da produção. No primeiro momento, os participantes do intercâmbio reuniram-se com os produtores do Assentamento Modelo 1 e discutiram as vantagens e desafios do trabalho em grupo, bem como as alternativas para os desafios expostos, as formas de organização, gestão dos recursos e a expansão da área produtiva.

Em seguida, o grupo visitou uma área irrigada de dois hectares, cultivada coletivamente no próprio Assentamento. Nesse espaço eles trabalham com diversas culturas – milho, feijão, pimentão, mamão e hortaliças. A renda média da atividade é cerca de um salário mínimo por família.

Visita à área de produção coletiva

O Assentamento Modelo 1 possui um grupo de produtores composto por 22 assentados. Embora não possuam uma associação, pretendem possuir um regimento interno e reuniões mensais para abordar assuntos sobre a produção, divisão de tarefas, prestação de contas, divisão de lucros e as necessidades de manutenção e investimentos na área produtiva.

Para Sebastião Carlos da Silva, Produtor do Assentamento Modelo 1, o regimento interno é de extrema importância. “Na comunidade de vocês, na criação dos novos grupos. É importante que tenha um coordenador, um vice e um regimento. O regimento vai ser bom para colocar as regras e evitar brigas”, ressalta. Rita de Cássia Lopes, Produtora do Assentamento Modelo 2, destacou a importância do trabalho em grupo. “Com o trabalho em grupo conseguimos muitas vitórias, conseguimos um poço. Eu e as meninas plantamos hortaliças, milho, feijão e acerola. Vendemos as caixas de acerola por R$ 20,00 para dois comércios em João Câmara”.

A expectativa da Adel é que a partir dos intercâmbios e das vivências do Projeto os produtores rurais implementem nas comunidades onde vivem ações que possam contribuir com o desenvolvimento da comunidade. Além de promover os intercâmbios, o Projeto de Segurança Hídrica apoia as comunidades beneficiadas na implantação das ideias. Cada comunidade recebe um kit de irrigação para 2 hectares, um poço equipado e legalizado, e, uma micro usina de energia fotovoltaica que reduzirá os custos com energia elétrica em até 60%.

Primeiro intercâmbio realizado

Outra experiência que foi compartilhada com os participantes através dos intercâmbios foi o uso dos sistemas de dessalinização e energia fotovoltaica. Em abril deste ano, a Adel realizou o primeiro intercâmbio com as lideranças comunitárias de Brinco de Ouro e Queimadas, em João Câmara; e, Umburanas, em São Miguel do Gostoso, para conhecer como estes sistemas funcionam.

Conhecendo as instalações dos sistemas de dessalinização e energia fotovoltaica

 

Os sistemas de dessalinização da água via osmose reversa é umas das alternativas para garantir o acesso a água de qualidade. A dessalinização via osmose reversa consiste na pressurização da água salobra através de um sistema de membrana de filtragem. A água passa por poros microscópicos que fazem a retenção do sal e outras impurezas e o resultado é uma água doce, própria para o consumo.

Com a implantação dos sistemas, espera-se ampliar nestas comunidades a quantidade de água potável e reduzir as doenças relacionadas ao uso da água não tratada dos poços. No total, serão beneficiados com esta tecnologia mais de 2.200 moradores.

O Projeto Segurança Hídrica é realizado pela Adel no Rio Grande do Norte e integra o Programa Raízes desenvolvido pela CPFL Renováveis. O objetivo do Projeto é ampliar o acesso à água segura para consumo humano e para a produção, através de um modelo que integra inovação tecnológica, fortalecimento de capacidades e gestão comunitária das águas, em nove comunidades rurais.

Jovens empreendedores rurais acessam o Fundo Veredas

Raquel Ferreira, Coordenadora do Fundo Veredas deseja boas vindas aos jovens

Ontem (09/05), mais doze jovens do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) acessaram crédito do Fundo Veredas, estratégia criada pela Adel desde 2012, que investe especificamente em empreendimentos de jovens rurais.

A reunião com os jovens para concessão dos créditos ocorreu no anexo da Adel, em Pentecoste. Durante a manhã, a equipe do Fundo Veredas apresentou aos jovens como funciona a nova fase do Fundo Veredas, assim como a logística de solicitação de assessoria técnica e o uso do centro de formação em Pentecoste.

Aurigele Alves, Diretora de Programas, destacou com entusiasmo o apoio aos jovens empreendedores rurais e a importância dos jovens solicitar a instituição a assessoria técnica e gerencial aos projetos. “A maioria dos jovens vivenciam sua primeira experiência empreendedora e nesse momento é imprescindível contar com nossa assessoria para vencer os desafios e alcançar os resultados esperados”, relata.

Victória, Liliane e Taís (da direita para esquerda) jovens que acessaram o Fundo Veredas neste ciclo

A maioria dos jovens que acessam os recursos financeiros do Fundo Veredas investem na ampliação e/ou implementação dos projetos de negócios planejados por eles ao longo do Curso Empreendedorismo e Gestão de Negócios. Os jovens beneficiados neste ciclo residem nos municípios de Apuiarés, Caucaia, Pentecoste, São Luís do Curu e São Gonçalo do Amarante.

Os empreendimentos dos jovens abrangem diversas áreas, tais como: loja de cosméticos, estúdio de fotografia, panificadoras, manicure, vendas de roupas/jeans, avicultura, venda de frutas, corte e vinco, produção e venda de trufas e sorvetes, além da produção e venda de artesanato.

O jovem Misael Sales, 25, por exemplo, possui um estúdio de fotografia e audiovisual, em São Luís do Curu/CE e acessou o Fundo Veredas para investir na infraestrutura do empreendimento. Para ele, acessar os recursos do Fundo Veredas só tem sentido graças ao que aprendeu através da formação do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER), que o ensinou a gerir, a pensar e a praticar o bem na comunidade onde vive a partir do seu trabalho.

No caso do jovem Gleison Sousa, 30, o crédito servirá como pontapé inicial para suas vendas de jeans no município de Pentecoste/CE. Graduando em Administração, Gleison afirma que antes de participar da formação do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) já possuía conhecimento prévio sobre empreendedorismo e que a participação no PJER aprimorou seus saberes e sua capacidade de gestão. Para o jovem, o Fundo Veredas traz uma oportunidade que muitas vezes o mercado de crédito não possibilita.

Jovens assinam Termo de compromisso do Fundo Veredas

A Coordenadora do Fundo Veredas, Raquel Ferreira, que acompanha todas as etapas do processo de participação dos jovens, desde a solicitação do crédito à liberação conta que este momento é muito importante para os jovens. “É o momento que o jovem enxerga que o sonho verdadeiramente pode se tornar realidade, que o seu plano não ficará apenas escrito e sim será colocado em ação”, destaca.

Resultados do Fundo Veredas

No total, 140 empreendimentos foram apoiados pelo Fundo Veredas, incluindo negócios individuais e coletivos. Ainda este ano, no mês de abril, dois jovens repetiram o acesso ao crédito – Gilberlane Oliveira e Elielton Morais.

O jovem empreendedor rural Gilberlane Oliveira que trabalha com a produção de jalecos acessou o Fundo Veredas pela quarta vez com o intuito de ampliar o negócio através da compra de mais matéria-prima para a produção de seu produto.

Gilberlane produzindo jalecos

Já Elielton Morais acessou o Fundo Veredas pela segunda vez e celebra as conquistas do empreendimento dele. Elielton criou uma gráfica rápida no Centro de Pentecoste que além de prestar serviços para a população gera emprego e renda para ele e mais quatro jovens do município.

Além destes jovens, a Adel já beneficiou através do Fundo Veredas, cerca de 200 jovens com idade entre 18 e 32 anos e com residência no território. No total, foram concedidos até abril de 2017, R$ 543.522,99 em créditos aos jovens.

A perspectiva é que cada vez mais os jovens empreendedores rurais possam acessar o crédito e contribuir com o desenvolvimento econômico local de suas comunidades.

Adel adere à Greve Geral do dia 28 de abril

A Adel acredita no profissionalismo como um princípio na gestão de ONGs no Brasil e no mundo. Desde o início da nossa jornada, há 10 anos, investimos no constante aprimoramento administrativo, gerencial e técnico. Sempre pautamos escolhas e decisões com base no desejo de ser eficiente e efetivo em nossos projetos e em todas as atividades que realizamos – respeitando os investimentos de nossos parceiros, clientes e aliados e, principalmente, das comunidades e das pessoas que impactamos diariamente.

Sempre nos posicionamos como uma organização apartidária, concentrada na proposição e gestão técnica, com qualidade, de projetos e ações para o desenvolvimento local. Nosso maior foco é o resultado de nossa atuação e o cumprimento de nossa missão: promover o desenvolvimento local de comunidades rurais a partir do empreendedorismo e do protagonismo de jovens e agricultores.

Portanto, é em respeito a essa rede de pessoas e organizações e, especialmente, à nossa missão que, neste momento tão crítico e importante da História do Brasil, aderimos ao significativo movimento social que busca dar uma resposta contundente às propostas de reformas e outras medidas que ameaçam direitos sociais e humanos. Que afrontam o espírito declarado na Constituição Federal brasileira de 1988: de reduzir a pobreza e as desigualdades socioeconômicas no campo e na cidade. Trata-se de um objetivo do Estado brasileiro e não de governos específicos.

Acreditamos na importância da democracia e das políticas públicas. E que todas as pessoas devem ter acesso a oportunidades que lhes garantam o direito de buscar o melhor para si e para suas comunidades, promovendo equanimidade. Isso apenas é possível em uma sociedade que preza por liberdade ao mesmo tempo em que zela por justiça social e afirmação dos direitos humanos.

Acreditamos, ainda, que reformas em legislação podem ser propostas e adotadas, desde que sejam discutidas de modo amplo, democrático e aberto com toda a sociedade brasileira, respeitando o contexto histórico e as muitas representações da sociedade civil neste país tão grande e diverso.

Considerando os impactos que reformas estruturantes como essas causam, entendemos que apenas na prática democrática há respostas legítimas para os desafios que o Brasil enfrenta hoje – envolvendo e não excluindo a riqueza de conhecimentos e contribuições da sociedade civil organizada.

Acreditamos, por fim, que somos parte da sociedade civil organizada brasileira. E que temos compromisso e responsabilidade com um projeto e uma visão de Brasil mais socialmente justo. Apenas em um Brasil mais justo poderemos um dia alcançar a nossa visão de futuro como organização.

Sendo assim, assumindo nosso papel como parte da sociedade civil brasileira, que se mobiliza e se organiza para defender direitos adquiridos, comunicamos que aderimos à Greve Geral marcada para esta sexta-feira (28/04/2017). Todos os escritórios e núcleos avançados da Adel não irão funcionar amanhã e convidamos os jovens empreendedores rurais, agricultores familiares, sociedade civil organizada, entidades e parceiros a fazer parte deste momento histórico do nosso país.

Pentecoste, 27 de abril de 2017

Diretoria Adel

Adel dá continuidade as atividades de formação do Projeto Caroá

Everardo Alves (ao centro), instrutor da oficina “Como produzir abelhas de maneira sustentável”, e os jovens do Projeto Caroá

Amanhã (19/04), a Adel inicia a oficina Boas Práticas de Produção e Processamento dos produtos da Agricultura Familiar com os jovens que participam do Projeto Caroá – Cooperativa de Jovens Empreendedores Rurais.

A oficina ocorrerá na sede da Adel (anexo), em Pentecoste e integra as atividades de formação do Projeto Caroá que busca contribuir para inclusão socioprodutiva dos jovens rurais. Ministrada por Fabiola Moreira, Economista Doméstica, a oficina abordará como as boas práticas (higiene de alimentos, bem estar animal, produção de doces e processamento mínimo de hortaliças) podem ser desenvolvidas pelos jovens na Cooperativa.

Esta oficina, acontece nos dias 19 e 20/04, e leva em consideração a necessidade de atender a comercialização dos produtos que serão produzidos pela Cooperativa. As boas práticas de produção e processamento dos produtos podem fortalecer a venda dos produtos dos cooperados nas feiras, nos Programas Governamentais de Comercialização (PAA e PNAE), dentre outros mercados.

As atividades de formação do Projeto Caroá compõe a segunda etapa do Projeto e teve início em março. Primeiro, foi realizado um diagnóstico sobre as potencialidades do território e a viabilidade da implantação da Cooperativa. Em seguida, os jovens empreendedores rurais foram convidados a participar das atividades de formação e pensar a estruturação da cooperativa.

Participação do Projeto Caroá no evento de inauguração da CSP em São Gonçalo do Amarante/CE

O Projeto Caroá é realizado pela Adel e conta com o apoio do Programa Ideia da Gente promovido pela Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP). A maioria dos jovens beneficiados pelo projeto são empreendedores e cultivam diversos produtos da agricultura. O jovem Vitor Esteves, articulador e integrante do projeto, esteve no último dia 04, expondo os produtos da agricultura familiar no evento de inauguração da CSP em São Gonçalo do Amarante.

Atividades de formação

As atividades de formação do Projeto Caroá possibilitam aos jovens empreendedores o conhecimento sobre técnicas de produção, gestão e comercialização dos produtos da agricultura familiar.

Em março, a Adel realizou as seguintes oficinas: Cooperativismo e Gestão de Cooperativas (16h), com o Assistente de Projetos da instituição Tales Rilton; Produção de Galinha Caipira de Corte e Postura (24h), com o zootecnista Davyd Herick; e, Como produzir abelhas de forma sustentável (16h), com o Produtor/Experimentador e Articulador da Rede Néctar do Sertão, Everardo Alves.

Registro da oficina Cooperativismo e Gestão de Cooperativas

Além dos jovens do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) desenvolvido pela Adel participam jovens e agricultores do território que acreditam que através do cooperativismo é possível aumentar a produção e obter uma renda melhor. A jovem empreendedora rural Ana Maria Macieira, da comunidade de Livramento, São Gonçalo do Amarante/CE, conta entusiasmada após a oficina de Cooperativismo e Gestão de Cooperativas sua participação e do esposo no projeto.

“Esse encontro foi importante para aprofundar mais sobre o assunto cooperativa, entender como vai funcionar, saber com nós jovens vamos protagonizar dentro da cooperativa. Acho que fui mais longe ainda, consegui trazer o Rubens, meu esposo também agricultor, para esse encontro tão importante que há tempos eu convidava e ele não vinha. Eu consegui trazê-lo e acho que gostou, agora eu estou mais forte pois são duas pessoas pensando juntos”.

Em breve os participantes do projeto vão fazer intercâmbios e conhecer outras experiências cooperativistas no Nordeste. No dia 26/04, eles participarão da oficina “Os Programas Governamentais de Comercialização (PAA e PNAE) e sua importância para o desenvolvimento local” com o intuito de aprender como comercializar os produtos da agricultura familiar através destes Programas, quais os desafios e como acessá-los.

Breve currículo da instrutora da oficina 

Fabíola Moreira é graduada em Economia Doméstica pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e especialista em Vigilância Sanitária; Supervisora Nacional de Serviço de Alimentação no setor Turismo Certificada pelo SENAI DF; Consultora de Controle Higiênico Sanitário e do Programa de Rádio Dom Bosco; e, Instrutora da Faculdade e Escola Técnica Apoena.

Fabíola tem experiência em auditoria em indústria de pescado para certificação da ISO 22000 e em coordenação de Projetos na área de Segurança Alimentar. Foi instrutora de cursos de beneficiamento de leite, frutas, confeitarias e boas práticas de fabricação e manipulação dos alimentos. Durante três anos foi Consultora de assuntos doméstico da Rede União.