Feira da Agricultura Familiar Agroecológica de Apuiarés

No dia 12 de junho de 2009, teve inicio o 1º módulo do projeto Feira da Agricultura Familiar Agroecológica de Apuiarés. O curso é fruto de uma parceria da Agência de Desenvolvimento Econômico Local (ADEL) com a Fundação Konrad Adenauer, União Européia, Instituto SeSeMar, Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Apuiarés, Federação das Associações de Apuiarés e Prefeitura Municipal.

O projeto objetiva construir, coletivamente, uma feira da Agricultura Familiar, dentro dos princípios e práticas da agroecologia, junto aos agricultores e agricultoras familiares do município. Inicialmente, 20 pessoas estão participando do curso, e após a conclusão dos módulos irão atuar como feirantes agroecológicos.

O projeto é composto por seis módulos e acontece duas vezes por mês, até agosto de 2009, com aulas teóricas e práticas, realizando intercâmbio com outras experiências no território do Curu e Aracatiaçu.

Feira da Agricultura Familiar Agroecológica de Apuiarés

No dia 12 de junho de 2009, teve inicio o 1º módulo do projeto Feira da Agricultura Familiar Agroecológica de Apuiarés. O curso é fruto de uma parceria da Agência de Desenvolvimento Econômico Local (ADEL) com a Fundação Konrad Adenauer, União Européia, Instituto SeSeMar, Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Apuiarés, Federação das Associações de Apuiarés e Prefeitura Municipal.

O projeto objetiva construir, coletivamente, uma feira da Agricultura Familiar, dentro dos princípios e práticas da agroecologia, junto aos agricultores e agricultoras familiares do município. Inicialmente, 20 pessoas estão participando do curso, e após a conclusão dos módulos irão atuar como feirantes agroecológicos.

O projeto é composto por seis módulos e acontece duas vezes por mês, até agosto de 2009, com aulas teóricas e práticas, realizando intercâmbio com outras experiências no território do Curu e Aracatiaçu.

Concluído Curso de Agentes Multiplicadores em Agroecologia


Em maio, foi concluído o Curso de Agentes Multiplicadores em Agroecologia no Médio Curu, que teve como resultado a formação de 27 participantes (agricultores e técnicos agrícolas) e a reativação da Horta Comunitária na comunidade de Irapuá, distante 20 quilômetros da sede do município.

Em Irapuá havia um projeto de horta desativado, com a realização do curso, os multiplicadores decidiram organizar a horta utilizando manejo agroecológico. Através de mutirão com alguns agricultores da comunidade, foi levantada a cerca, limpado o terreno e construído os canteiros, que estão sendo acompanhados por agentes multiplicadores, que moram na comunidade e por técnicos da Agência de Desenvolvimento Econômico Local (ADEL).

O curso que teve início em novembro de 2008 trouxe para os agricultores a importância da agroecologia bem como, uma alerta para os cuidados com a própria vida e o meio ambiente. Alguns agricultores já se conscientizaram sobre os danos causados pelo uso dos agrotóxicos e abandonaram esta prática.

Planejamento Estratégico 2009

Em janeiro, os integrantes da ADEL participaram do Encontro de Planejamento Anual, no Centro de Pesquisa Ictiológico do DNOCS em Pentecoste/CE, com o objetivo de avaliar o ano de 2008 e planejar as ações para 2009.

Com o desejo de continuar realizando parcerias, projetos e atividades na Microrregião do Médio Curu, o grupo discutiu e reformulou estratégias de atuação para este ano.

O encontro iniciou-se com uma vídeo-palestra de Daniel Godri – “Motivação”, seguido de um debate sobre a importância do trabalho em equipe, persistência e capacidade que temos para buscar o crescimento e desenvolvimento do grupo e do lugar onde estamos inseridos.

Durante o dia, realizaram-se várias atividades, pequenos grupos se reuniram para avaliar as atividades realizadas nas áreas de caprinovinocultura, hortifruticultura, apicultura, bovinos de leite e jovens empreendedores. Esse momento foi importante para a ADEL, pois o grupo avaliou suas atividades e definiu as metas para 2009.

Projeto da ADEL é um dos finalistas de edital da BrazilFoundation

Em dezembro de 2008, a ADEL enviou o projeto intitulado de Estruturação e Difusão da cadeia produtiva da caprinovinocultura de corte para o edital da BrazilFoundation.

A BrazilFoundation é uma organização não-governamental que apóia iniciativas de organizações da sociedade civil brasileira que propõem soluções criativas e diferenciadas para os desafios enfrentados por comunidades em todo o Brasil.

O projeto Estruturação e Difusão da cadeia produtiva da caprinovinocultura de corte irá beneficiar 180 produtores e pretende contribuir para o aumento da produtividade e rentabilidade da caprinovinocultura de corte através da organização e estruturação da cadeia produtiva, gerando trabalho e elevando o nível de renda de pequenos produtores rurais. As principais ações do projeto são: ampliação do número de produtores de caprinos e ovinos assessorados pela ADEL; implantação de uma mini-fábrica de produção de ração; elaboração de um plano de negócio da cadeia e inserção dos produtores nos programas de comercialização do Ministério do Desenvolvimento Social como Compra Direta e Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB).

O projeto concorreu com 896 projetos de todo o Brasil e, ficou entre os 50 finalistas. A segunda etapa da seleção acontecerá em junho, com a visita do analista de projeto da BrazilFoundation, Gláucio Gomes.

Difusão de Tecnologia de Convivência com o Semiárido


A Agência de Desenvolvimento Econômico Local, ADEL, organização social que atua na microrregião do Médio Curu do Ceará, está executando nos municípios de Pentecoste e Tejuçuoca dois projetos de incentivo a caprinovinocultura.

Os projetos são frutos de uma parceria entre a ADEL, BNB, Prefeituras Municipais de Pentecoste e Tejuçuoca, Associação Comunitária dos Agricultores de Canafistula, União das Associações do Vale do Rio Canindé e Associação dos Criadores de Tejuçuoca.

A finalidade dos projetos é elevar a produtividade e rentabilidade da caprinovinocultura nos municípios através da produção e conservação de alimento (silagem e feno) para o período seco.

Cinqüenta produtores de 26 comunidades de Pentecoste e Tejuçuoca serão beneficiados diretamente com assistência técnica periódica, capacitação em técnicas de produção e conservação de forragem, sementes de milho e sorgo, máquina e implementos para preparo do solo e colheita da forragem.

O custo total do projeto é de R$ 165.000,00 (cento e sessenta e cinco mil reais). Desse montante 85% é proveniente do BNB, 2% da Prefeitura de Tejuçuoca, 4% da Prefeitura de Pentecoste e 9% da ADEL.

O engenheiro agrônomo e coordenador técnico do projeto, Helano Luz, estima uma área plantada de milho e sorgo equivalente a 100 hectares e uma produção de 20,1 milhões de kg de matéria verde ensilada, utilizada para suplementar um rebanho de 1.849 cabeças, durante 08 meses de seca.

Espera-se como resultado desses projetos a elevação da produção e da renda dos produtores envolvidos; o desempenho técnico, gerencial e econômico das unidades produtivas; difusão e emprego das técnicas de ensilagem e fenação pelos pequenos produtores e estimulo a organização da cadeia produtiva de ovinos e caprinos na região.

Jovens Empreendedores Rurais

Em 2007, o projeto Jovens Empreendedores Rurais beneficiou 16 jovens das comunidades de Riacho do Paulo, Alto dos Caetanos e Lagoa das Pedras, todas no município de Apuiarés. Este ano o projeto triplicou o número de jovens participantes e também o número de comunidades, expandindo para o município de Pentecoste.

O projeto é uma iniciativa da Agência de Desenvolvimento Econômico Local (ADEL) que objetiva desenvolver o empreendedorismo socioeconômico em jovens de 14 a 24 anos dos municípios de Apuiarés e Pentecoste, através da qualificação em empreendedorismo, cooperativismo e associativismo, na perspectiva da valorização e profissionalização dos jovens e melhoria da renda no meio rural.

No dia 21 de março, aconteceu no Centro de Pesquisas Ictiológicas de Pentecoste, o 1º Encontro dos Jovens que irão participar do projeto em 2009, foi um momento de interação e planejamento, em que os jovens tiveram a oportunidade de conhecer e compartilhar suas idéias e experiências de vida.

O evento contou com a participação de 56 jovens dos municípios de Pentecoste e Apuiarés, técnicos da ADEL, integrantes do Nucom e de representantes do programa Geração Mudamundo da Ashoka Empreendedores Sociais.

Durante o dia, os jovens participaram de estudo sobre empreendedorismo e de oficinas sobre elaboração de projetos. O grupo foi acompanhado por uma equipe da ADEL que esclareceu as dúvidas dos jovens.

E nos dias 04 e 05 de abril, acontecerão mais um encontro com estes jovens, para conclusão dos planos de ação.

Cabras para o Semiárido: Um exemplo de cidadania

Numa ação pioneira em segurança alimentar, o projeto Cabras para o Semiárido assegura a nutrição de famílias no sertão cearense. Com uma proposta auto-sustentável, o projeto tem por objetivo combater a desnutrição de crianças e adolescentes oferecendo às famílias a possibilidade de aumentar a renda com a caprinocultura.

A idéia é garantir recursos e capacitação técnica para famílias de produtores rurais que vivem no município de Apuiarés, Ceará, onde o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) ainda se encontra abaixo do tolerável e a renda média das famílias, raramente é superior a 90 reais por mês.

Inicialmente, o projeto está sendo desenvolvido na comunidade de Alto dos Caetanos, uma pequena comunidade composta por 20 famílias que vivem da agricultura de subsistência e de benefícios governamentais, como o bolsa-escola. Na comunidade, não existem quadra poli – esportiva, posto de saúde, telefone público e água encanada. Apenas, há 01 ano, é que possui energia elétrica. Na comunidade, existe uma pequena escola que se encontra deteriorada.

O projeto funciona com a doação de cabras leiteiras para que as famílias utilizem o leite na alimentação das crianças. Cada família recebe uma cabra prenha ou parida e em um período de dois a três anos, devolve ao projeto outra cabra que será encaminhada para outra família. Atualmente, participam do projeto 05 famílias e 16 crianças. O projeto conta com o apoio do Fundo Rotativo Solidário da ADEL, em parceria com o Instituto Coração de Estudante e Ashoka Empreendimentos Sociais.

Segundo Aurigely Barbosa, uma das coordenadoras do projeto, entre os benefícios obtidos com o projeto estão: a redução da desnutrição, o crescimento do espírito associativista, a recuperação da auto-estima dos envolvidos e de iniciativas para a melhoria de vida da comunidade.

Projeto de Caprinovinocultura traz novas perspectivas para pequenos produtores no interior do Ceará

Após um ano de trabalho, é possível colhermos exemplos de transformação que fazem à diferença nos municípios de Pentecoste e Apuiarés. Com a execução de um audacioso projeto de Caprinovinocultura, a vida de nove produtores de caprinos e ovinos vem se transformando.

Até participar do Programa Células Sociais Produtivas, desenvolvido pela a Agência de Desenvolvimento Econômico Local (ADEL), Gilberto Bezerra, teve uma vida de associativismo bastante extensa.

Nascido em Canafístula, Apuiarés/CE, desde 1987 participa da Associação Comunitária. Nos anos de 1991 à 1995, não exerceu o cargo de presidente, mas continuou sendo uma liderança bastante forte. De volta à Presidência, em 1996, iniciou um trabalho em prol do desenvolvimento da região do Vale do Rio Canindé.

Agrupando e motivando outras lideranças comunitárias, foi um dos fundadores da UAVRC (União das Associações do Vale do Rio Canindé), em 2005, entidade que agrupa 13 organizações da região , sendo o presidente da instituição por quatro (04) anos. Atualmente, está na presidência da ACAC (Associação Comunitária dos Agricultores de Canafístula) e participa do projeto de Caprinovinocultura, como coordenador local.

Em entrevista a equipe de comunicação da ADEL, Gilberto fala sobre a importância do projeto que hoje é uma das principais referências em associativismo na microrregião do Médio Curu.

1.ADEL: Como você avalia o trabalho da ADEL durante o ano de 2008?
Produtor: Foi positivo, por que é um trabalho sério, e também por ter conseguido um projeto para beneficiar duas comunidades.

2.ADEL: Qual o diferencial do trabalho desenvolvido pelo Programa Células Sociais Produtivas?
Produtor: A diferença é que é um trabalho associativo, precisa-se pensar no coletivo. Pode dar certo, dependendo da força do grupo. A ADEL ajuda na organização.

3.ADEL: A caprinovinocultura era, antes do projeto, uma atividade estimulada na comunidade?
Produtor: Sim, através de financiamentos, mas era um dinheiro gasto sem direcionamento, sem acompanhamento e muitas vezes nem era aplicado na atividade.

4.ADEL:O que mudou com a implantação do projeto?
Produtor:Com o trabalho da ADEL recebemos acompanhamento dos técnicos, orientações de como se deve produzir, além da melhoria genética de nossos rebanhos.

5.ADEL: Qual o papel da ADEL nesse cenário de mudanças?
Produtor:O papel maior foi na organização e orientação.

6.ADEL: Como você vê a participação do projeto no fortalecimento da Caprinovino-cultura da região?
Produtor: Na organização, na melhoria genética dos rebanhos, no descarte orientado de animais, na castração, etc.

7.ADEL: O que você percebe de diferente em sua vida e na dos outros produtores?
Produtor: Eu tô sendo mais orientado, me preocupando mais com o rebanho (identificando animais com baixo desempenho produtivo e reprodutivo, por exemplo). Eu e os demais produtores do grupo. Outros produtores, que não fazem parte do projeto, perguntam sobre o projeto e querem adotar algumas técnicas de manejo que são realizadas pela ADEL, como a castração.

8.ADEL: Para você, a atividade é capaz de gerar renda?
Produtor:Sim, e muito, se todos começarem a aceitar as orientações da equipe técnica da ADEL.

*Gilberto Bezerra, 61 anos, produtor de ovinos e caprinos.

Fundo Solidário de Desenvolvimento Local fortalece comunidades no sertão cearense

Construir uma pequena organização de finanças solidária estruturado para conceder crédito a empreendimentos produtivos, tendo sempre como princípio a articulação entre solidariedade, cooperação e a ética é o objetivo do Projeto do Fundo Solidário de Desenvolvimento Local na Microrregião do Médio Curu do estado do Ceará.

Inicialmente, este crédito solidário tem destinado recursos para as práticas de apicultura e para a criação de cabras leiteiras em unidades familiares rurais. O projeto teve início em outubro de 2008, com a participação de onze famílias das comunidades de Riacho do Paulo, Alto dos Caetanos e Lagoa das Pedras, todas localizadas no município de Apuiarés.

A Agência de Desenvolvimento Econômico Local (ADEL) em parceria com o Instituto Coração de Estudante, entidades proponentes e executoras, apoiada pela Ashoka Empreendimentos Sociais através do seu programa Geração Mudamundo quer incentivar o uso sustentável da terra, melhorando a alimentação e a geração de renda das famílias envolvidas. A idéia é atender agricultores e agricultoras de baixa renda, com afinidade para a atividade proposta, que trabalhem com base na agroecologia e que sejam comprometidas com o fundo rotativo solidário.

Em dezembro de 2008, as famílias de Lagoa das Pedras e Riacho do Paulo participaram de um ciclo de cultura sobre a apicultura, uma das primeiras atividades prevista para o projeto. Na ocasião foram convidados apicultores mais experientes destas comunidades para compartilhar as suas expertises com o grupo. Também foi realizada uma visita do grupo em um dos apiários da Associação dos Apicultores de Riacho do Paulo. Além das famílias, também participam os técnicos da ADEL que irão atuar nestas comunidades durante o ano de 2009.

De acordo com José Everardo, apicultor da comunidade de Lagoa das Pedras, “a criação de abelhas não ocupa muito tempo e o agricultor pode desenvolver outras atividades, diversificando a produção da sua propriedade e aumentando a produção de suas lavouras com a polinização”.

O Projeto Fundo Solidário de Desenvolvimento Local irá montar 02 apiários, cada um com 09 colméias, e fornecer equipamentos, ferramentas e roupas de proteção necessárias para o bom andamento dos trabalhos e para a segurança das famílias. A compra e a distribuição do material serão realizadas em janeiro deste ano e, na entrega, cada família assinará um termo de compromisso e de manuseio dos equipamentos.

Para assessorar os grupos produtivos a ADEL disponibilizará uma equipe técnica multidisciplinar formada por estudantes de Agronomia, Economia Doméstica, Economia e técnicos agrícolas. “Estamos realizando visitas técnicas, quinzenalmente, onde esclarecemos as dúvidas dos agricultores e agricultoras. Com o início do inverno e com o aparecimento das primeiras floradas, as famílias estão bastante motivadas e, brevemente, estarão produzindo”, afirma Wagner Gomes, idealizador do projeto.