Adel retorna oficinas com Jovens nas Escolas neste semestre

 

Esta semana, nossa equipe de Programas retorna às atividades do Projeto Jovens Empreendedores e Protagonistas Rurais nas Escolas. O próximo tema que será trabalhado ao longo do mês de agosto nas oficinas será Juventude e Direitos Humanos que proporcionará uma discussão da problemática numa perspectiva contemporânea, através dos movimentos sociais e os documentos que consolidaram uma doutrina dos direitos humanos, com a abrangência que pode se qualificar como universal, tudo isso sendo abordado de forma lúdica e cooperativa.

Atendendo quatro escolas de ensino médio do território: EEM Edite Alcântara Mota/General Sampaio; EEM São Sebastião/Apuiarés; EEM Etelvina Gomes Bezerra/Pentecoste e EEM Waldemar Alcântara/São Gonçalo do Amarante, o Projeto busca despertar nos estudantes a consciência de que é possível permanecer no meio rural e ainda contribuir para o desenvolvimento local, social e humano. Aprendendo possibilidades de geração de emprego e renda em ambientes de extrema resiliência.

Para Frederico Mendes, conhecido pelos colegas como Fred, estudante atendido na EEM Edite Alcântara Mota, no município General Sampaio, é gratificante aprimorar seus conhecimentos e conseguir passar os conceitos aprendidos para seus colegas e sua comunidade. “Trabalhamos em equipe e conseguimos todos partilhar conhecimentos uns com os outros. Eu nunca imaginei que meu município tinha tantas possibilidades, agradeço a Adel por me permitir aprender mais sobre isso” destaca.

 

Ao longo do primeiro semestre do ano de 2018 realizamos oficinas com os seguintes temas: Sustentabilidade e Conservação da Caatinga; Juventude e Protagonismo Rural; Juventude e Empreendedorismo Rural, levantando discussões sobre as características e peculiaridades do bioma cearense, assim como a atuação dos jovens de forma ativa em suas comunidades.

Ao todo, o Projeto obteve 915 inscrições, onde foram selecionados 400 estudantes, destes, 264 já foram beneficiados. Nossa equipe segue com a meta de atender o número total de inscrições selecionadas dos quatro municípios. As atividades seguem como planejadas, retornando na primeira semana de agosto, já que houve uma pausa para as férias escolares no mês de julho.

A Oficina Juventude e Direitos Humanos acontece nas seguintes datas: 08/08/2018 em General Sampaio; 16/08/2018 em Apuiarés; 22/08/2018 em Pentecoste e 23/08/2018 em São Gonçalo do Amarante.

 

Sobre o Projeto

O Projeto Jovens Empreendedores e Protagonistas Rurais nas Escolas faz parte do portfólio de ações do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER), resultado de parcerias firmadas em 2018, com a Unesco (United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization) e Rede Globo através do Criança Esperança, e, com o Conselho de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ceará (CEDCA/CE). Conta com o apoio da Secretaria Estadual da Educação e Cultura do Estado do Ceará (SEDUC-CE).

Adel e CPFL Renováveis inauguram Sistemas de Abastecimento de Água

 

Amanhã, 25/07, no Rio Grande do Norte, a Adel estará inaugurando junto com a CPFL Renováveis três Sistemas de abastecimento de água nas comunidades atendidas pelo Programa Raízes. As ações compõe a agenda do Projeto Segurança Hídrica que promove o acesso e uso sustentável dos recursos hídricos, contribuindo para a convivência com o semiárido a partir da sustentabilidade ambiental e social das comunidades rurais.

O Projeto Segurança Hídrica é realizado nas comunidades rurais de Queimadas e Florêncio José, em João Câmara; e, Umburana, em São Miguel do Gostoso. Tem por objetivo ampliar o acesso à água segura para consumo humano e para a produção, através de um modelo que integra inovação tecnológica, fortalecimento de capacidades e gestão comunitária das águas. Ao todo 273 famílias serão beneficiadas (1.365 pessoas) das 3 comunidades.

Em Queimadas, o Sistema implantado é composto por uma rede de abastecimento com 9 km de extensão, recuperação de um poço profundo, um reservatório de 60m³, uma microusina solar de 3,24 kwp e um dessalinizador que filtrará 500 litros de água por hora. 200 famílias serão beneficiadas (1000 pessoas).

Em Florêncio José, o Sistema implantado contemplou a recuperação do poço da comunidade, a implantação de um kit de irrigação para dois hectares, a instalação de uma bomba de 7,5 cv e uma implantação de uma microusina solar de 3,24 Kwp. 8 famílias serão beneficiadas (40 pessoas).

Em Umburana, o Sistema implantado é composto por uma rede de abastecimento com 6 km de extensão, recuperação de um poço profundo, um reservatório de 30m³, uma microusina solar de 3,24 kwp e um dessalinizador que filtrará 250 litros de água por hora. 65 famílias serão beneficiadas (325 pessoas).

Além das infraestruturas implantadas nas comunidades, o Programa vem atuando no desenvolvimento de capacidades das famílias para a gestão eficiente e sustentável dos recursos hídricos. Os investimentos somam mais de R$ 1,7 milhões com o objetivo de manter o atendimento atual e para as futuras demandas, diante do crescimento esperado para as próximas décadas.

As ações previstas no projeto visam contribuir para o fortalecimento de Políticas Públicas Federais e dos Estados do Rio Grande do Norte, vinculadas à segurança hídrica. As ações vão contribuir diretamente para o Programa de Fomento à Inclusão Produtiva Rural e ao Programa Cisternas, ambos do Governo Federal, além de atender à Política Estadual dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte – Lei No. 6.908 e demais regulamentações do Instituto de Gestão das Águas do Rio Grande do Norte – IGARN.

Jovem beneficiada pela Adel participa da Expocrato

 

A jovem empreendedora rural Sabrina Santos, 22, beneficiada pela Adel através do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) participa entre os dias 14 e 22 de junho, da Expocrato (Exposição Centro Nordestina de Animais e Produtos Derivados), no Parque de Exposição Pedro Felício Cavalcanti, na cidade do Crato, Ceará.

A Expocrato é o maior evento agropecuário do Ceará, e constitui-se basicamente de uma feira agropecuária, com desfile e leilão de animais, e, realização de negócios diversos. A Flor do Sertão, empreendimento idealizado pela jovem Sabrina, compõe o grupo de expositores que durante oito dias estará apresentando os produtos e serviços para os participantes.

Na exposição, Sabrina pretende comercializar jarros rústicos de cactos e suculentas ornamentais feitos de modo artesanal e divulgar os serviços de Paisagismo e Jardinagem, também especialidade do empreendimento.

A expectativa da jovem é que o evento traga visibilidade para o empreendimento. “Espero que novas oportunidades surjam na Feira e nosso empreendimento cresça ainda mais. Estamos ansiosos com o evento e vamos com a missão de levar mais conhecimento, alegria, cultura, beleza do sertão para os lares através de nossos produtos”, destaca Sabrina.

Sediada na comunidade Vila Bezerra, São Luís do Curu, Ceará, distante cerca de 80 km de Fortaleza, a Flor do Sertão, conta com uma equipe especializada para a produção de jarros, e, execução e manutenção de jardins em geral. Além de valorizar o Sertão do Nordeste brasileiro, a inciativa apoia o protagonismo juvenil e conta com uma equipe exclusivamente jovem.

Sobre a Flor do Sertão

A Flor do Sertão surgiu em 2017, da motivação e desejo da jovem empreendedora rural Sabrina Santos de valorizar as belezas do Sertão – ambiente especial, que produz historicamente no Nordeste brasileiro uma forma diferenciada de contato, convivência e respeito à natureza.

Enquanto fazia a formação do Programa Jovem Empreendedor Rural desenvolvido pela Adel, Sabrina percebeu que era possível permanecer no meio rural e tornar o ambiente das pessoas mais agradável e natural através do seu trabalho. Começou a produzir jarros rústicos de cactos e suculentas ornamentais utilizando materiais reciclados. De modo artesanal, busca trabalhar em cada produto a resiliência, o amor, a esperança e a resignação do sertanejo.

Contatos Flor do Sertão

Whatsapp: 85.9 9795 2142
Instagram: @flordosertaoce
E-mail: flordosertaoce@gmail.com
Informações Expocrato: https://www.expocrato.net/

História Sabrina Santos: http://www.adel.org.br/jovem-usa-paixao-por-plantas-ornamentais-e-abre-o-empreendimento-flor-do-sertao/?lang=pt-br

Adel inicia fase conclusiva do Projeto Paulo Freire

 

Após concluir a primeira fase dos Percursos Formativos do Projeto Paulo Freire, que beneficiou cerca de 6000 pessoas no Cariri Oeste, dentre estas, aproximadamente, 2800 mulheres e 2000 jovens, chegamos a fase conclusiva do Projeto.

No total, já realizamos 160 oficinas nos itinerários formativos sobre Acessibilidade às Políticas Públicas com agricultores, mulheres e jovens. Nessa fase de finalização, nossa equipe realiza as oficinas com famílias das comunidades de Baixa Grande e Cavalcante, ambas no município de Salitre.

As comunidades beneficiadas pelo Projeto caracterizam-se pela carência na organização e ausência de entidade associativa, de conhecimento e informação sobre seus direitos e de acesso às políticas públicas, tais como: seguridade social, acesso à água, assistência técnica e extensão rural.

Estas temáticas são abordadas em cada Percurso Formativo, que prioriza a participação dos agricultores e a abordagem metodológica da pedagogia do oprimido e da educação popular desenvolvida por Paulo Freire. Os conteúdos são apresentados de forma contextualizada, já que não há “saber mais” ou “saber menos”, mas sim diferentes saberes que se complementam e contribuem com a construção social e o desenvolvimento das comunidades.

 

 

Além da troca de saberes, as oficinas utilizam a ludicidade como estímulo para a formação humana, do caráter individual e a construção de valores coletivos. O uso dessa abordagem metodológica contribui efetivamente para formação dos jovens e adultos, e até das crianças que acompanham seus pais nas oficinas. A participação dos moradores de cada comunidade e o desejo deles de aprenderem mais sobre associativismo, novas técnicas de produção e tecnologias de convivência com o semiárido é inspirador.

Para o agricultor e atual Presidente da Associação Local de Sítio Teixeira, Marcos Arsênio, 25, o Percurso Formativo do Projeto Paulo Freire proporciona o acesso dos agricultores ao conhecimento e oportuniza o desenvolvimento local. “Nossa comunidade tem uma carência de abastecimentos de água, poços profundos, mas principalmente de conhecimento. A formação sobre políticas públicas com a Adel trouxe muitas informações importantes para nós agricultores sobre nossos direitos e deveres. Também aprendemos sobre reutilização da água, de como podemos tornar nossa terra produtiva e ter a oportunidade melhorar de vida”, enfatiza.

A Adel atende através dos Percursos Formativos, em média, 170 comunidades de 10 municípios do Cariri Oeste. Cada Percurso é composto por oficinas sobre os seguintes temas: Direitos Humanos e Educação; Terra, Trabalho e Produção; Mulheres, Jovens, Povos e Comunidades Tradicionais; Água, Soberania e Segurança Alimentar.

Sobre o Projeto

 

O Projeto Paulo Freire visa contribuir para a redução da pobreza rural em 31 municípios cearenses por meio do desenvolvimento do capital humano e social e do desenvolvimento produtivo sustentável pautado na geração de renda, no âmbito agrícola e não agrícola, com foco principal em jovens e mulheres.

No que tange ao Acesso às Políticas Públicas, o Projeto Paulo Freire é executado pela Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel), com realização da Secretaria do Desenvolvimento Agrário (SDA), do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) e do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA).

Adel realiza Dia de Campo em Itarema

 

Na última sexta-feira, 29 de junho, realizamos um Dia de Campo sobre Sistemas Integrados de Produção de Coco e Mandioca na comunidade Fazenda Patos, em Itarema/CE. O evento ocorreu durante toda a manhã e contou com a participação de 45 pessoas. Além das famílias das comunidades Fazenda Patos e Pachicu, tivemos a presença do Secretário de Agricultura de Itarema, Nazion Aguiar e equipe. Contamos também com a participação de empresas de Assistência Técnica e Extensão Rural – ATER, como o Instituto Agropolos do Ceará, que além de dispor representantes nas ações do dia, ajudou também na mobilização, através de uma integração entre Adel e organizações de atuação local.

O encontro foi dividido em três estações de 40 minutos cada. Que estavam sob a responsabilidade de três técnicos: Paulo Gleisson Rodrigues, Mestre em Engenharia Agrícola; José Firmiano, Agrônomo e Especialista em Extensão Rural Agroecológica e Desenvolvimento Rural; e, Paula Luciana Rodrigues, Engenheira de Alimentos e Mestre e Doutoranda em Engenharia Química. Os participantes foram divididos em dois grupos, reunidos novamente ao final das estações.

 

Os agricultores familiares aprofundaram seus conhecimentos sobre: (1) Uso, Manejo e Conservação do Solo, com o objetivo de difundir tecnologias e saberes técnicos específicos para coco e mandioca a fim de aumentar a produção das culturas; (2) Sistema de Produção de Coco e Mandioca, com apresentação de técnicas que favorecem a produtividade e rentabilidade das culturas; e por fim, (3) Processamento e Beneficiamento do Coco e Mandioca, que apresentou técnicas de transformação e boas práticas no processamento dos produtos, visando tanto a melhoria alimentar, quanto o aumento da renda familiar dos agricultores.

 

O Secretário de Agricultura de Itarema, Nazion Aguiar, que participou de todas as atividades, ressaltou a ação como algo muito importante para as comunidades e para os produtores ampliarem suas visões sobre o trabalho que desenvolvem através do cultivo, beneficiamento e comercialização do coco e mandioca.

Para nosso Coordenador de Projetos, Ilys Santos, as expectativas do Dia de Campo foram atingidas, através da participação e engajamento das comunidades. Santos acredita que esta ação contribuiu para os agricultores desenvolverem um novo olhar sobre as cadeias produtivas das culturas em destaque. “O próximo passo dessa iniciativa é pensarmos junto com os agricultores o fortalecimento da comunidade. É importante que os moradores vejam a Associação como gestora dos processos de modernização das culturas e planejem soluções endógenas para os desafios enfrentados, como por exemplo, a criação de um Fundo Coletivo para aquisição de equipamentos e demais despesas”. O engajamento da comunidade é essencial para a promoção do desenvolvimento local.

Ao final das estações algumas mulheres da comunidade expuseram seus produtos, como óleo de coco, leite de coco, bolo de macaxeira, cocadas, dentre outros. Dona Marlene Pereira contou um pouco do seu processo de produção de cocadas que faz para vender na escola local.

O Sr. Pedro Barbosa, da comunidade Pachicu, que além de trabalhar com as duas culturas, coco e mandioca, possui também um quintal produtivo com diversas árvores frutíferas, ressaltou que o momento foi bastante produtivo e esclarecedor. “Aprendi novas técnicas de irrigação que não conhecia, enfatiza.

 

Ao final todos os participantes receberam certificado. O Dia de Campo foi executado pela Adel em parceria com a CPFL Renováveis e BNDES, através do Programa Raízes.

Adel contrata assistente de Desenvolvimento Institucional

 

A Adel contrata profissional com interesse em crescimento profissional, curiosidade intelectual e motivado por atuar em prol do desenvolvimento humano de comunidades e territórios resilientes no Nordeste brasileiro para suporte operacional, administrativo e técnico ao Diretor de Desenvolvimento em atividades inerentes ao setor, tais como prospecção e captação de negócios e recursos, mobilização e gestão de parcerias, relações públicas e institucionais.

Preferências:
• Capacidade de escrita, interpretação de textos, análise contextual e facilidade para leituras técnicas;
• Boas competências de comunicação e expressão;
• Conhecimentos básicos sobre metodologias de elaboração e gestão de projetos orientados para resultados, enfatizando estruturas lógicas de planejamento, monitoramento e avaliação.
• Atuação em movimentos da sociedade civil, movimentos estudantis, iniciativas voluntárias e/ou em organizações da sociedade civil;
• Experiência de trabalho com atividades de planejamento e gestão em empresas, governos e/ou organizações da sociedade civil;
• Experiência de participação em projetos acadêmicos em âmbito universitário, tais como de pesquisa e extensão, bolsas de iniciação científica, dentre outros, e, projetos desenvolvidos em áreas relacionadas a democracia, sociedade civil, desenvolvimento humano, desenvolvimento econômico, cidadania, Terceiro Setor, sustentabilidade e áreas afins.
Formação:
• Graduação em Humanidades (Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas) e áreas afins;
• Nível médio de conhecimentos em informática – softwares de produção, edição e diagramação de textos/documentos e apresentações;
• Inglês básico (leitura).
Os candidatos(as) interessados(as) devem enviar seus CVs indicando proposta salarial.

Mais informações:
Registro CLT, plano de saúde (participação da instituição: 50%), Plano Odontológico; Seguro de Vida e Auxílios para Transporte e Refeição.
Carga horária semanal de 30 horas. Horários: 13h às 19h, segunda a sexta feira.
Local de Trabalho: Fortaleza, Ceará. Com disponibilidade para viagens.
Enviar currículo até dia 10/07 para adel@adel.org.br com o título Assistente de
Desenvolvimento Institucional.

Adel participa de lançamento do Programa EDP Renováveis Rural no Rio Grande do Norte

 

Hoje (25/06), às 15h, nossa equipe participou na comunidade Tubiba, em Touros, Rio Grande do Norte, do lançamento do Programa EDP Renováveis Rural desenvolvido pela EDP Renováveis em quatro comunidades rurais do entorno das Centrais Eólicas JAU e Aventura 1.

O Programa EDP Renováveis Rural objetiva contribuir com o desenvolvimento sustentável das comunidades rurais onde atua e beneficia 40 agricultores familiares nos municípios de Touros e Jandaíra. A primeira atividade desenvolvida pelo Programa em parceria com a Adel foi o diagnóstico de potencialidades e vulnerabilidades para o desenvolvimento rural que foi apresentado hoje, aos moradores de Tubiba, e que será divulgado amanhã, na sede da Associação de Jovens Agroecologistas (AJOCA) para as famílias de Cabeço, Lagoa da Serra Verde e Zabelê.

Durante os meses de abril e maio, a equipe da Adel visitou as famílias dessas quatro comunidades e através de entrevistas e oficinas de Diagnóstico Rural Participativo (DRP) coletou dados que evidenciam as potencialidades dos estabelecimentos produtivos das famílias que residem em Cabeço, Lagoa da Serra Verde, Tubiba e Zabelê.

As comunidades têm suas particularidades e apresentam em comum o desejo dos moradores de obterem melhores condições de trabalho e renda, e, a inexistência de práticas de produção e de gestão dos estabelecimentos por parte dos agricultores. Os dados e informações elencadas no diagnóstico são essenciais para identificar vulnerabilidades e oportunidades das ações junto as 40 propriedades rurais que serão beneficiadas pelo Programa EDP Renováveis Rural.

Para o Diretor de Negócios da Adel, Wagner Gomes, as principais oportunidades elencadas no diagnóstico estão relacionadas a implantação de soluções e tecnologias socioambientais para a convivência com o semiárido, como sistemas de captação de água da chuva, produção agroecológica, criação de galinha caipira, produção de mel, reuso da água e reserva estratégica para pequenos animais.

Após apresentação do diagnóstico nas comunidades, os agricultores vão participar de oficinas sobre associativismo, gestão rural, cooperativismo, entre outros temas. O Programa também realizará visitas técnicas e contribuirá com a implantação de tecnologias socioambientais de convivência com o semiárido.

Todas estas ações do Programa contam com a parceria da Adel, que também é responsável pela elaboração e execução de uma estratégia de comunicação para dar visibilidade as atividades do Programa, e, assessoria técnica e gerencial para a formação continuada e o uso eficiente das tecnologias implantadas no período de dezoito meses.

Sobre o Programa EDP Renováveis Rural

 

O Programa EDP Renováveis Rural tem como objetivo gerar trabalho e renda para moradores de propriedades do entorno das Centrais Eólicas JAU e Aventura 1, por meio de capacitações voltadas à competitividade e sustentabilidade dos empreendimentos rurais no sertão potiguar e do fomento à inovação, ao empreendedorismo e à difusão das tecnologias sociais – de produção, gestão e boas práticas de convivência com o semiárido.

As atividades nos municípios de Touros e Jandaíra iniciaram em abril de 2018 e se estenderão até setembro de 2019. O Programa é realizado junto às comunidades do entorno das Centrais Eólicas JAU e Aventura 1 e é desenvolvido em parceria com a Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel) e com o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A ação é organizada pela EDP Renováveis com apoio do Instituto EDP, organização que coordena as ações socioambientais do Grupo.

Mais informações: https://www.edpr.com/pt-pt/edpr/fundacion-edp

Cooperação para o desenvolvimento de Organizações da Sociedade Civil

*Por Gláucio Gomes

Acreditamos em desenvolvimento. É isso que move a Adel todos os dias. Sua comunidade institucional: fundadores que seguem hoje como gestores da organização, colaboradores, parceiros, aliados, beneficiários e todas as demais pessoas que compartilham de nossa missão.

Acreditamos em desenvolvimento sem adjetivos. Mas com contexto. Desenvolvimento por uma perspectiva ecológica, sistêmica, que se aplica aos territórios enquanto espaços em que as pessoas funcionam social, cultural, econômica e politicamente. Em que interagem entre si, em suas comunidades, com as instituições presentes, com a infraestrutura, com os recursos naturais existentes. Com o meio ambiente. Mais uma vez: acreditamos em desenvolvimento por uma perspectiva realmente ecológica.

Mas tem algo em que acreditamos com tanta força quanto cremos em desenvolvimento: cooperação. Que o desenvolvimento apenas é possível em um ambiente em que há cooperação entre aqueles que compartilham valores, ideias, propostas, conceitos, objetivos e motivações. Que comungam das recompensas também.

Considerar a possibilidade de conseguir realmente transformar algo nesse mundo complexo de hoje atuando sozinho é um engano descomunal. Um engano que custa caro para quem trabalha na ponta do atendimento, para quem investe em impacto social e, especialmente, para as pessoas e comunidades que são alvos de tantos projetos e iniciativas que, solitárias, dificilmente conseguem alcançar pontos nevrálgicos e realmente estruturantes, entraves para o desenvolvimento, para a proteção social e para a garantia de direitos.

Atuar em parcerias sempre foi uma premissa para a Adel. Jamais uma organização com o nosso histórico teria chegado até aqui em sua trajetória sem ter cultivado relações de trocas e de complementaridade com tantos aliados: investidores, doadores, com as comunidades e com amigos técnicos e institucionais.

Sempre dizemos que a Adel tem a resiliência como um atributo fundamental em sua história. Pois bem. Saber reconhecer suas limitações e se aproximar de pares que nos complementem e nos ajudem com aquilo que não somos totalmente competentes, ao mesmo tempo em que oferecemos o que temos de melhor, é um exercício de resiliência. De adaptabilidade para superar os desafios do meio tão hostil, muitas vezes, em que atuamos em prol do desenvolvimento.

Anderson Pires (Coordenador Administrativo e Financeiro ITEVA), Gláucio Gomes (Diretor de Desenvolvimento Adel), Adriano Batista (Diretor Executivo Adel), Fábio Beneduce (Coordenador Geral ITEVA), da esquerda para a direita

É com esse espírito de cooperação para o desenvolvimento que firmamos parceria com o Instituto Tecnológico e Vocacional Avançado, o ITEVA, para trabalharmos juntos em iniciativas geradoras de impactos sociais ainda mais significativos. Cada qual contribuindo nesse arranjo com aquilo que faz melhor. E contando o apoio do outro para se reforçar, para ser melhor no avanço de sua missão.

Em breve, anunciaremos ações conjuntas, investimentos complementares e sinergias técnicas e operacionais para promover desenvolvimento em comunidades resilientes no Ceará e no Brasil. Ao mesmo tempo em que vamos trabalhar, na Adel e no ITEVA, para alcançarmos um patamar mais consistente, eficiente, qualificado e sustentável de gestão como organizações não-governamentais de impacto social.

Adel participa da II Conferência da Caatinga

Reprodução Facebook Conferência Caatinga

Entre os dias 19 e 21 de junho a Adel estará presente na II Conferência da Caatinga que será realizada no Auditório Murilo Aguiar e demais dependências da Assembleia Legislativa do Ceará. Com o tema “Desenvolvimento Humano e Sustentabilidade” o evento propõe discutir as graves questões que preocupam governos e sociedade civil organizada em torno do bioma.

A II Conferência busca identificar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU (ODS) estratégicos para o Desenvolvimento Humano e Sustentabilidade no Bioma Caatinga, indicando ações implementadas e previstas, desafios e proposições. Serão enfatizados: a crise hídrica, a sustentabilidade e o processo agressivo de desertificação, tendo como eixo central a ação do homem.

Durante três dias, diversas lideranças sociais, representantes do governo e sociedade civil em geral, vão compartilhar experiências exitosas no Estado e pensar alternativas para promoção de uma convivência harmoniosa no bioma.

A Adel estará apresentando a experiência da Rede Néctar do Sertão, iniciativa que contribui, desde 2013, para a estruturação da cadeia produtiva do mel de abelha no Médio Curu, através da produção agroecológica e criação de espécies nativas, visando o desenvolvimento local e a preservação da caatinga.

A Rede congrega 44 apicultores e meliponicultores, entre homens, jovens e mulheres, moradores de dezesseis comunidades rurais nos municípios de Pentecoste e Apuiarés. Além de promover a troca de saberes e conhecimentos, a Rede estimula a criação de fundos rotativos solidários nas associações de produtores, como estratégia para promover a sustentabilidade dos pequenos empreendimentos de Meliponicultura.

Sobre a Conferência
A Conferência tem como foco a disseminação de informações sobre programas, projetos e ações em desenvolvimento ou previstas nos estados do bioma Caatinga, que contribuem ou poderão contribuir para as metas previstas nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, estabelecidos pela ONU.

Durante o evento serão realizadas palestras, salas temáticas com apresentação de experiências de preservação da Caatinga, e simultaneamente, a Feira dos Saberes e das Culturas da Caatinga que oferecerá um viés da produção agrícola, artesanatos e manifestações culturais do Nordeste. A Cooperativa Caroá, iniciativa apoiada pela Adel, participará da Feira expondo os produtos de jovens empreendedores rurais do território. Além de frutas e verduras orgânicas, a Cooperativa levará mudas e vasinhos com plantas suculentas produzidas pela Flor do Sertão, empreendimento criado pela jovem Sabrina Santos de São Luís do Curu/CE.

A II Conferência da Caatinga é uma realização da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará, Governo do Estado do Ceará, através da Secretaria do Meio Ambiente (SEMA) e Secretaria do Desenvolvimento Agrário (SDA) e Instituto Agropolos, Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS); Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA – Superintendência do Ceará) e dos representantes da sociedade, Instituto Nordeste XXI e Fundação Bernardo Feitosa. A coordenação é do Conselho de Altos Estudos e Assuntos Estratégicos, órgão que oferece embasamento técnico-científico ao planejamento de políticas públicas do legislativo estadual cearense.

A participação é gratuita e as inscrições podem ser feitas até 14 de junho, neste link: https://al.ce.gov.br/index.php/ii-conferencia-da-caatinga

Agricultura familiar e preservação ambiental no semiárido

 

Por Adriano Batista e Lelis Duarte*

A Adel, através do Programa Soluções Rurais, busca contribuir para o desenvolvimento local de comunidades rurais, a partir da cooperação entre agentes da sociedade civil e da integração de soluções inovadoras e viáveis, nas diversas dimensões do desenvolvimento, em uma perspectiva ecológica.

Tomando do por base a dimensão ambiental do desenvolvimento local, a Adel acredita que as práticas de produção e de gestão dos estabelecimentos rurais são alguns dos maiores desafios para o desenvolvimento rural, especialmente no contexto do Sertão Nordestino.

Trata-se de uma realidade repleta de adversidades, em que os pequenos produtores precisam exercitar empreendedorismo e resiliência, aproveitando ao máximo a criatividade, engenhosidade e cooperação, buscando as melhores formas de convivência e superando as dificuldades do meio em que estão inseridos. Para que assim possam usufruir de forma mais eficiente dos recursos naturais disponíveis, gerando resultados positivos para suas comunidades e para cada uma de suas famílias.

As práticas inadequadas utilizadas pelos pequenos produtores em seus estabelecimentos rurais causam danos ambientais a serem considerados, já que são bastante agressivas ao meio ambiente. Técnicas de produção sustentáveis geram produtos de maior qualidade e com maior valor agregado, ao mesmo tempo em que permitem aos agricultores interagir de forma harmônica e positiva com o habitat natural, pensando estrategicamente no uso inteligente dos recursos disponíveis e na conservação das características que geram insumos especiais, únicos e que contribuem para a qualidade, para diferenciação e para o ganho de valor dos produtos com que trabalham.

Por essa perspectiva, as soluções de convivência com o semiárido são identificadas de acordo com as demandas, as oportunidades e as potencialidades das comunidades atendidas. Ao longo dos últimos dez anos, a Adel vem estimulando a organização de cadeias produtivas em territórios do Ceará e Rio Grande do Norte por uma perspectiva sustentável. Destacamos aqui o caso da Meliponicultura.

A meliponicultura é uma oportunidade econômica para a agricultura familiar no semiárido. As técnicas de produção são adequadas e condizentes com as peculiaridades da caatinga, bem como com as limitações e capacidades técnicas e logísticas dos pequenos produtores rurais da região. As tecnologias difundidas pela Adel priorizam o modelo agroecológico e, portanto, sustentável, de criação de abelhas, produção e processamento de mel, que será aplicado pelos pequenos produtores capacitados e assessorados em seus empreendimentos socioambientais comunitários.

Essa atividade não necessita de investimento alto inicial e tem grandes vantagens ambientais, a exemplo da extensa flora brasileira da caatinga com inúmeras plantas nectaríferas e poliníferas essenciais para as abelhas. As abelhas melíponas são, entre os insetos, também os mais importantes polinizadores de plantas cultivadas, principalmente de árvores frutíferas que necessitam delas para sua polinização. Economicamente, a meliponicultura contribui para a valorização da floresta em pé, pois depende dela para gerar valor monetário a partir de um produto florestal não-madeireiro. Em termos socioeconômicos, sempre representou um bom negócio e cumpre um papel social muito importante, de tal forma que envolve toda família. Além disso, o criatório de abelhas não precisa de cuidados diários, permitindo que o produtor rural possa realizar outras atividades. A rentabilidade da atividade exige, porém, profissionalização para render boas safras.

A difusão de tecnologias modernas, agroecológicas e de baixo custo na criação de abelhas, produção e processamento de mel é estratégia para geração de renda e de oportunidades de trabalho na região. Destacando-se o significativo valor agregado que os produtos agroecológicos têm hoje em mercados bastante lucrativos e relativamente próximos da região beneficiada. É também uma porta de entrada bastante oportuna para a inclusão de jovens produtores rurais nas atividades da agricultura familiar, enquanto empreendedores. Uma oportunidade para promover uma cultura produtiva trans e multigeracional, que congregue e engaje produtores de diferentes faixas etárias, trocando conhecimentos e transmitindo tradições e saberes.

Ao estimular a meliponicultura, a Adel colaborou para criação da Rede Néctar do Sertão na Região do Médio Curu. O empreendimento foi organizado por lideranças de cinco grupos de Apicultores e Meliponicultores. Abrange 44 criadores de 16 comunidades em dois municípios: Pentecoste e Apuiarés, no norte do Ceará. E possui mais de 350 colmeias em produção. No início a quantidade de colônias era muito pequena, mas por meio da técnica de multiplicação de enxames, os criadores vêm preservando as espécies e ampliando a criação.

A produção de mel ainda é pequena: pouco mais de 100 litros por safra. O que está diretamente relacionado com às estiagens prolongadas, à reduzida quantidade de pastos apícolas, ao desmatamento e ao baixo número de colônias. O mel produzido é vendido com muita facilidade, pois o produto, além de ser de boa qualidade, é um ótimo alimento e tem propriedades medicinais. O litro de mel de tipo Jandaíra é vendido em média por R$ 120,00 na região.

Os produtores estão ampliando paulatinamente a criação sustentável de Melíponas e outras espécies de abelhas nativas, agregando valor à produção de mel.  Além disso, estão buscando mais conhecimento através de assistência técnica e capacitação. Pensando nisso, eles, em parceria com a Adel, construíram um Meliponário modelo na comunidade de Lagoa das Pedras, em Apuiarés.

Com o aprendizado correto do manejo dos animais pelos criadores, atualmente, praticamente 100% dos produtores faz alimentação artificial das colônias, evitando sua morte ou enfraquecimento. Além disso, dos 44 criadores integrados a Rede Néctar do sertão, 13 possuem em sua propriedade áreas protegidas e em recuperação e outros 27 estão protegendo e reflorestando uma área destinada a criação das abelhas.

Isso demonstra que a criação de abelhas, especialmente as nativas, é um fator importante para a preservação da caatinga e para o alcance do 15º Objetivo para o Desenvolvimento Sustentável (ODS): proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e deter a perda de biodiversidade.

Portanto, acreditamos que é possível produzir, gerar renda e trabalho preservando o meio ambiente. Através de práticas condizentes com o semiárido e acessíveis a seus moradores, técnicas de produção sustentáveis, gerando produtos de maior qualidade e valor final agregado, ao mesmo tempo em que permitem aos agricultores interagir de forma menos agressiva com o habitat natural em que estão inseridos.

Adriano Batista é Diretor Executivo da Adel e Zootecnista. Lelis Duarte, Assistente de Projeto da Adel, Bióloga e Especialista em Gestão Ambiental.