Adel e Casa do Rio publicam Edital de Seleção para Monitor Educacional do PJER

 

A Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel) e a Casa do Rio divulgam o processo seletivo para recrutamento de jovens que desejam desenvolver habilidades e competências para exercerem a função de Monitor Educacional no Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER), tecnologia social da Adel, que será reaplicada em Careiro Castanho, no Amazonas, a partir deste semestre.

Nesta chamada, a Adel e a Casa do Rio vão selecionar 2 (dois) jovens que residam no território de atuação da Casa do Rio, no Amazonas (Careiro Castanho, Manaquiri, Autazes e Careiro da Várzea), com idade entre 18 e 32 anos e que tenham o desejo de contribuir com o desenvolvimento de suas comunidades. Os jovens serão capacitados e engajados em um processo de compartilhamento, cooperação, troca e aprendizagem sobre os desafios e, principalmente, as soluções e boas ideias de empreendimentos e projetos que contribuam para o desenvolvimento local.

Após o período de formação, os Monitores atuarão como facilitadores do PJER junto à Casa do Rio, dando suporte na seleção de outros jovens, na organização da documentação do projeto e de eventos, apoio na tutoria individual, orientação e acompanhamento dos selecionados, entre outras atividades relativas à dinâmica do Programa.
Os jovens selecionados neste Edital receberão da Casa do Rio uma ajuda de custo durante a execução do projeto, no período de março a dezembro deste ano.

As inscrições estão abertas até o dia 28 de fevereiro de 2019.
Acesse o Edital.

Reaplicação do PJER no Amazonas

A reaplicação do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) no Amazonas faz parte da aliança estratégica firmada entre Adel e a Casa do Rio no final de 2018. O objetivo é ampliar o impacto social das ações da Adel e aumentar a escala de sua operação em benefício de mais pessoas e comunidades em todo o Brasil.

A Amazônia traz uma realidade socioeconômico muito particular, mas com um quadro de desafios e oportunidades para jovens empreendedores e protagonistas muito semelhante ao quadro vivenciado no semiárido do Nordeste brasileiro – desafios tais como pressão migratória, êxodo rural, cadeias de valor pouco estruturadas, mesmo em cenários com potencialidades econômicas diversas e que oferecem caminhos para criação de novos negócios.

A parceria com a Casa do Rio, instituição que atua desde 2009 no município Careiro Castanho, vai apoiar a transformação da realidade socioeconômica dos povos da floresta que vivem em um ambiente de alta resiliência para adolescentes, jovens e agricultores, em que as demandas por conhecimento, crédito, redes e tecnologias são bastante parecidas com o Nordeste, embora não sejam iguais.

Adel oferece serviços em gestão socioambiental

Brinco de Ouro, João Câmara (RN), beneficiada pelo Projeto Segurança Hídrica, executado pela Adel por meio do Programa Raízes da CPFL Renováveis

A Adel oferece, paralela à sua atuação programática e aproveitando as expertises e os diferenciais gerados em sua história, diversos serviços em gestão ambiental para promoção do desenvolvimento sustentável de territórios rurais. A organização já beneficiou ao longo de sua história, cerca de 9 mil agricultores e agricultoras em quatro estados do Nordeste brasileiro (Ceará, Bahia, Rio Grande do Norte e Piauí).

Durante quase 10 anos a Adel dependeu, exclusivamente, de doações, apoio de parceiros e patrocínios para manter seus programas, projetos e, principalmente, seu quadro de colaboradores. Hoje, como uma organização híbrida, ela disponibiliza diversos serviços para empresas, governos e outros atores da sociedade civil no intuito de disseminar práticas de sustentabilidade corporativa ou ainda compensar, controlar e mitigar impactos derivados de suas operações.

“A Adel aderiu a esse modelo e alia as estratégias programáticas, sem fins lucrativos e orientadas totalmente para a missão, em que as expertises da instituição são tratadas por seu valor agregado e oferecidas a clientes no formato de prestação de serviços de consultoria, assessoria em gestão do desenvolvimento local e gestão de impactos socioambientais em comunidades resilientes”, explica o Diretor de Negócios, Wagner Gomes.

Construção de cisterna em Zabelê, Touros (RN), para o Programa EDP Renováveis Rural da EDP Renováveis

Na área de Negócios, a agência realiza uma gama de ações e atividades com metodologias reconhecidas e premiadas que foram desenvolvidas em campo. E todos os projetos são alinhados e orientados com a missão da instituição, que é promover o desenvolvimento local de comunidades rurais por meio do empreendedorismo e do protagonismo social de jovens e agricultores.

Principais serviços

Entre os principais serviços prestados em gestão socioambiental para o desenvolvimento local e sustentável estão: consultoria, assessoria e capacitação em suas diversas dimensões; gestão, gerenciamento e operacionalização de projetos de intervenção; mapeamento, engajamento e articulação de stakeholders, de redes territoriais e gestão das relações institucionais; pesquisas, estudos e diagnósticos que gerem subsídios para o planejamento, elaboração e gestão de projetos socioambientais; desenho e implementação de estratégias de comunicação social e relações comunitárias; disseminação de tecnologias e estruturas, especialmente em contextos de elevada resiliência; e monitoramento, avaliação, elaboração e gestão de políticas e programas sociais.

Ação realizada para a EDP Renováveis em Chico Mendes II, Touros (RN)

Desde a criação da área de Novos Negócios, que possui uma Diretoria específica para sua gestão, a Adel vem desenvolvendo um portfólio de serviços prestados a clientes como: CPFL Renováveis, Siemens Gamesa, EDP Renováveis, Danone, Banco do Brasil, Instituto Cesmt, ChildFund, STCP Engenharia e Governo do Ceará.

“A Adel acredita que há valor agregado no desenvolvimento local e que empresas, governos, fundações e outras organizações da sociedade civil reconhecem isso na medida em que percebem e avaliam com clareza os impactos positivos e negativos que seus investimentos e ações geram comunidades em suas cadeias de valor. Impactos que podem ser traduzidos, em maior prazo, em resultados tangíveis na forma de ganhos”, ressalta Wagner.

Atualmente, o portfólio de clientes da Adel está relacionado com organizações que estão se instalando no Nordeste ou já possuem atuação na região, com destaque para o mercado de energias renováveis. Sem esquecer do desenvolvimento social, a Adel, ao migrar para um modelo de negócios híbrido e criar uma área específica para tratar da captação de receitas, continua buscando a promoção do impacto sustentável.

Adel oferece serviços em gestão socioambiental para o desenvolvimento de territórios rurais

Construção de cisterna na Comunidade Zabelê, Touros (RN), para o Programa EDP Renováveis Rural da EDP Renováveis

A Adel oferece, paralela à sua atuação programática e aproveitando as expertises e os diferenciais gerados em sua história, diversos serviços em gestão ambiental para promoção do desenvolvimento sustentável de territórios rurais. A organização já beneficiou ao longo de sua história, cerca de 9 mil agricultores e agricultoras em quatro estados do Nordeste brasileiro (Ceará, Bahia, Rio Grande do Norte e Piauí).

Durante quase 10 anos a Adel dependeu, exclusivamente, de doações, apoio de parceiros e patrocínios para manter seus programas, projetos e, principalmente, seu quadro de colaboradores. Hoje, como uma organização híbrida, ela disponibiliza diversos serviços para empresas, governos e outros atores da sociedade civil no intuito de disseminar práticas de sustentabilidade corporativa ou ainda compensar, controlar e mitigar impactos derivados de suas operações.

Comunidade Brinco de Ouro, João Câmara (RN), contemplada com o Projeto Segurança Hídrica executado pela Adel por meio do Programa Raízes da CPFL Renováveis

“A Adel aderiu a esse modelo e alia as estratégias programáticas, sem fins lucrativos e orientadas totalmente para a missão, em que as expertises da instituição são tratadas por seu valor agregado e oferecidas a clientes no formato de prestação de serviços de consultoria, assessoria em gestão do desenvolvimento local e gestão de impactos socioambientais em comunidades resilientes”, explica o Diretor de Negócios, Wagner Gomes.

Na área de Negócios, a agência realiza uma gama de ações e atividades com metodologias reconhecidas e premiadas que foram desenvolvidas em campo. E todos os projetos são alinhados e orientados com a missão da instituição, que é promover o desenvolvimento local de comunidades rurais por meio do empreendedorismo e do protagonismo social de jovens e agricultores.

Principais serviços

Entre os principais serviços prestados em gestão socioambiental para o desenvolvimento local e sustentável estão: consultoria, assessoria e capacitação em suas diversas dimensões; gestão, gerenciamento e operacionalização de projetos de intervenção; mapeamento, engajamento e articulação de stakeholders, de redes territoriais e gestão das relações institucionais; pesquisas, estudos e diagnósticos que gerem subsídios para o planejamento, elaboração e gestão de projetos socioambientais; desenho e implementação de estratégias de comunicação social e relações comunitárias; disseminação de tecnologias e estruturas, especialmente em contextos de elevada resiliência; e monitoramento, avaliação, elaboração e gestão de políticas e programas sociais.

Ação para a EDP Renováveis em Chico Mendes II, Touros (RN)

Desde a criação da área de Novos Negócios, que possui uma Diretoria específica para sua gestão, a Adel vem desenvolvendo um portfólio de serviços prestados a clientes como:CPFL Renováveis, Siemens Gamesa, EDP Renováveis, Danone, Banco do Brasil, Instituto Cesmt, ChildFund, STCP Engenharia e Governo do Ceará.

“A Adel acredita que há valor agregado no desenvolvimento local e que empresas, governos, fundações e outras organizações da sociedade civil reconhecem isso na medida em que percebem e avaliam com clareza os impactos positivos e negativos que seus investimentos e ações geram comunidades em suas cadeias de valor. Impactos que podem ser traduzidos, em maior prazo, em resultados tangíveis na forma de ganhos”, explica o diretor.

Atualmente, o portfólio de clientes da Adel está relacionado com organizações que estão se instalando no Nordeste ou já possuem atuação na região, com destaque para o mercado de energias renováveis. Sem esquecer do desenvolvimento social, a Adel, ao migrar para um modelo de negócios híbrido e criar uma área específica para tratar da captação de receitas, continua buscando a promoção do impacto sustentável.

Jovem contribui com o desenvolvimento social e cultural de sua comunidade

Marcos Antônio, conhecido como Marquinhos

Marcos Antônio Rocha, 29, ingressou no Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) da Adel em 2012. Trazia com ele o desejo de permanecer na comunidade Chaparral, onde nasceu e cresceu, distante cerca de 14 km da sede do município de Tejuçuoca (CE). Filho e neto de agricultores, Marquinhos, como é conhecido em Chaparral, é o quarto de seis filhos do casal Antônio Floriano e Maria Ieda.

Desde muito cedo ele começou a trabalhar na agricultura. Aos nove anos, já ajudava o pai no roçado e auxiliava também sua mãe nas tarefas domésticas. Marquinhos acompanhou desde a infância os desafios e o crescimento do local onde nasceu. Sua família foi uma das pioneiras no assentamento, que conta com 50 famílias.

Antes, a comunidade não tinha acesso a transporte escolar, saúde e saneamento básico, menos ainda algum tipo de lazer. Não havia entretenimento e nem acesso à primeira fase do ensino básico. Ele e os irmãos começaram a estudar apenas a partir da primeira série do Ensino Fundamental e se deslocavam a pé, cerca de meia hora, para a escola que funcionava em uma comunidade vizinha.

O tempo foi passando e logo a administração municipal disponibilizou transportes escolares para transportá-lo para escola. O assentamento foi se desenvolvendo e ao mesmo tempo, o número de famílias e de jovens cresceu. Marquinhos guarda boas lembranças dos momentos de diversão com os amigos e das paixões que ele cultiva desde a adolescência. Primeiro o futebol, em seguida a música.

“A gente se reunia nos campos improvisados, muita gente assistia. Passei a jogar em categorias de base em Tejuçuoca com um técnico local, até que surgiu a oportunidade de jogar profissionalmente em outros lugares. Mas na época eu tinha outra paixão que conciliava com o esporte e que me fez desistir dessa oportunidade, a música”, relata.

Talento musical

O talento musical do jovem rendeu uma renda financeira para ajudar os pais nas despesas de casa. E aos quinze anos, ele começou a cantar profissionalmente em uma banda do município. No mesmo período, ele viu sua família se desestruturar após o falecimento de sua mãe.

Em 2010, seguindo o costume de muitos jovens do interior, inclusive dos irmãos mais velhos, Marquinhos foi embora para São Paulo em busca de novas oportunidades. No entanto, não se adaptou e após seis meses voltou de vez para a sua comunidade natal.

Em Chaparral, retomou suas atividades musicais e não parou mais. Durante essa nova fase ele passou a colaborar com diversos projetos sociais na comunidade. O pai de Marquinhos foi o primeiro presidente da associação local e sempre incentivou os filhos a participarem das reuniões. E a inquietude do jovem com a ausência de projetos para a juventude lhe fez buscar novos conhecimentos e mobilizar outros jovens para fortalecer o trabalho comunitário.

Marquinhos reunido com outros jovens de Chaparral, Tejuçuoca (CE)

Marquinhos reuniu um grupo com mais de trinta jovens para pensar e criar ações voltadas para a comunidade. Em 2012, ele teve a oportunidade de ingressar no Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) desenvolvido pela Adel, e, passou a difundir entre os amigos da comunidade o que aprendia no Programa. O objetivo era compartilhar os conhecimentos adquiridos e debater com os jovens novas ideias e projetos para a promoção do desenvolvimento local.

“Como a maioria dos jovens da comunidade em geral que eu me incluo no meio, a gente não conhece a nossa própria identidade. Ou seja, a gente não sabe a nossa origem, não sabe de onde a gente veio e com isso a gente fica um pouco perdido. Principalmente quando termina o ensino médio. E aos poucos a gente vem fazendo isso, vem mudando”, enfatiza Marquinhos após citar a importância do PJER em sua vida.

Fortalecimento Comunitário

Durante a Formação do PJER ele elaborou um projeto com foco na reestruturação da associação comunitária e na valorização da cultura local. Em 2013, o assentamento Chaparral recebeu por meio do Programa Territórios Digitais desenvolvido pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), em parceria com o Ministério das Comunicações, uma Casa Digital. Marquinhos tornou-se monitor da Casa Digital e passou junto com outros jovens a gerir o espaço, que é composto por 11 computadores, sendo um servidor, estabilizadores e mobiliário.

A Casa Digital funciona na sede da Associação Comunitária e além de manter o espaço limpo e funcionando todos os dias de forma voluntária, os jovens auxiliam os moradores no acesso aos computadores e a realizar oficinas básicas de informática. “Mudou muita coisa aqui. Além de estimular a juventude a desenvolver atividades dentro da comunidade, tinha também muitos jovens que tinham que andar muito longe para fazer algum trabalho”, enfatiza Marquinhos.

Nos últimos cinco anos, diversos projetos foram desenvolvidos no local com o apoio de Marquinhos. Atualmente, além de trabalhar como cantor, ele tornou-se sucessor na liderança comunitária, assumindo em 2018 o posto de novo presidente da Associação dos Assentados da Fazenda Chaparral. Investiu ainda na área de ovino para corte, formou seu próprio núcleo familiar, hoje é pai e referência na região como empreendedor social e liderança local.

Marquinhos, sua esposa Edilene Mota e seu filho Luan

Marquinhos idealiza para o futuro um novo rural com mais oportunidades para os jovens. Seu desejo é que surjam  mais projetos para Chaparral e Tejuçuoca que viabilizem o engajamento e a participação dos jovens e de agricultores no desenvolvimento da comunidade e do município.

Adel realiza projeto com escolas públicas do Ceará

 

Durante o ano de 2018, a Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel) beneficiou, por meio do Projeto Jovens Empreendedores e Protagonistas Rurais nas Escolas, cerca de 400 jovens de 15 a 17 anos e 50 professores de quatro escolas públicas do interior do Ceará – EEM São Sebastião em Apuiarés; EEM Waldemar Alcântara em São Gonçalo do Amarante; EEM Etelvina Gomes Bezerra em Pentecoste; e, EEFM Edite Alcântara Mota em General Sampaio.

O Projeto integra o portfólio de ações do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER), que visa o desenvolvimento e a formação empreendedora de jovens em situação de vulnerabilidade. O PJER apoia jovens rurais, que, comumente, se vêem obrigados a deixar suas comunidades em busca do que seria um futuro melhor.

Por meio da educação contextualizada, a Adel realizou oficinas de convivência sustentável, desenvolvimento local, empreendedorismo rural de jovens, protagonismo social, direitos humanos e convivência com o clima da região. O intuito foi apresentar aos estudantes e professores conceitos, ferramentas e abordagens, a serem incorporadas nos conteúdos formais e no dia a dia escolar. Arnon Vieira, um dos jovens beneficiados, conta que foi gratificante sua participação no Projeto. “Com as oficinas aprendi muito, questões como os nossos direitos. Com esse Projeto a gente abriu um pouco mais nosso conhecimento e o nosso olhar para as coisas típicas do nosso Nordeste”.

Além de oficinas, foram realizados quatro intercâmbios educativos no Parque Estadual Botânico do Ceará e um seminário para discutir o tema Empreendedorismo e Protagonismo Social nas Escolas. Durante o Seminário, os jovens apresentaram microprojetos elaborados na Oficina de Inovação e Tecnologias Socioambientais e que abordam os temas bullying na escola, educação ambiental, inclusão do público LGBTQ+ em sala de aula, combate às drogas, empatia no convívio escolar, dentre outros. A ideia é implantar a partir deste ano, os microprojetos nas escolas.

Aurigele Alves, Diretora de Programas da Adel, afirma que a iniciativa representou uma oportunidade ímpar na vida escolar dos adolescentes e jovens. “Mais que acesso a conhecimentos transversais do currículo básico, os jovens tiveram a oportunidade de trocar experiências, ideias, planos, angústias, sonhos e diversos saberes. Isso traz um caráter especial e diferenciado a esse projeto, evidencia a importância que ele tem representado a cada participante no que diz respeito a seu desenvolvimento crítico em relação à suas escolas, comunidades e sociedade como um todo”, enfatiza a Diretora.

 

O Projeto também inclui a elaboração de cartilhas educativas sobre as temáticas das oficinas. Esse material será distribuído nas escolas beneficiadas e espera-se que esta ação seja reaplicada e mais jovens tenham acesso a conhecimentos de impacto social, econômico e ambiental.

O Projeto Jovens Empreendedores e Protagonistas Rurais nas Escolas foi resultado de parcerias firmadas com a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) e Rede Globo através do Criança Esperança, com o Conselho de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ceará (CEDCA/CE) e Secretaria Estadual de Educação (Seduc).

Jovem beneficiado pela Adel participa da CowParade

Filho Luz, idealizador do Projeto “Acorda – CowParade 2018

O jovem Filho Luz, 23, natural de Canafístula, comunidade rural do município de Apuiarés é um dos artistas participantes da 12ª edição da CowParade, um dos maiores eventos de arte a céu aberto do mundo, cujo objetivo é democratizar a arte através da inclusão cultural. Artistas selecionados usam como suporte uma escultura de vaca feita em fibra de vidro e em tamanho natural. Elas são expostas em vias públicas, permitindo livre apreciação.

Filho participou de uma seleção com mais de 300 artistas e foi um dos 50 selecionados com o projeto “A Corda” que fala do amanhecer do sertão, brincando com o nome “corda”, uma vez que inicialmente a ideia era usar apenas este material na customização da escultura.

Todos os selecionados dividiram o espaço de trabalho e realizaram suas produções durante duas semanas no shopping Iguatemi. Para confeccionar a Acorda, foram usadas pouco mais de 400m de cordas de sisal. “Eu podia ter comprado as cordas em Fortaleza, uma corda de sisal industrial, mais macia, mais fácil de trabalhar. Porém optei pelas cordas do interior, do comércio local, uma corda mais seca, dura, áspera, mas que representa melhor meu conceito”, destaca o artista.

Ele ainda ressalta que percebeu na escultura muito mais que uma tela, lembrando da expressão utilizada no interior “do boi se aproveita até o berro”. Acorda representa um ser místico, por isso os detalhes em dourado, que sustentam o sertão, visto muitas vezes como frágil, seco, quente, mas que se mantém firme e forte, unido como as fibras do sisal.

Segundo Filho, “Acorda” fala do amanhecer do sertão, da paisagem árida, da vegetação, da simplicidade do meio. “O desenho feito em corda de sisal retrata a textura áspera da seca em contraste com a beleza proporcionada, a união dos indivíduos e a força do sertanejo. Os detalhes dourados dão um tom de divindade, um ser místico, que sustenta o mundo. E o chocalho é a anunciação, símbolo de boas novas, avisando que a vaca está passando e é hora de acordar”.

“Acorda”, escultura desenvolvida por Filho Luz

Filho conta como é difícil ser “artista” no interior e ainda não se vê como um. O jovem revela que sempre gostou de arte e cultura, mas acredita que ainda existe uma barreira muito forte para quem é da zona rural. “Participar da Cowparade foi muito interessante. Está no meio de uma galera que já é reconhecida como artista, foi desafiador. No início, quando comecei a colocar as primeiras cordas, acho que ninguém acreditou que iria sair algo interessante, mas saiu!”

Em 2011, o jovem participou do Programa Sertão das Artes, realizado pela Escola Popular Cooperativa de Canafístula, onde conheceu mais sobre desenho, serigrafia e fotografia. Em 2012 ingressou no Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) desenvolvido pela Adel, com o intuito de trabalhar com arte/design. “Desenvolvi um projeto com serigrafia, mas não estava maduro o suficiente para sair do papel. No final do curso iniciei faculdade de Sistemas e Mídias Digitais na Universidade Federal do Ceará (UFC), me distanciando um pouco de casa” comenta.

Hoje Filho viaja por diversas formas de arte, é designer digital, ilustrador, artesão, já desenvolveu projetos com madeira, argila, corda e hoje está se aventurando no bordado à mão. Junto com um amigo, está construindo um novo projeto de empreendedorismo, uma espécie de agência com dois segmentos: comunicação e cultura. Com foco no meio junino, a ideia é impulsionar e fortalecer os grupos culturais, elaborar projetos que envolve a temática cultural e trabalhar com mídias digitais.

O evento

Estima-se que mais de 500 milhões de pessoas já se depararam com pelo menos uma das obras das 97 edições da CowParade, registradas em 33 países. Pintores, escultores, artesãos, arquitetos, designers, grafiteiros, artistas plásticos, amadores ou profissionais apaixonados por arte e interessados em expressar seu talento e criatividade fazem parte desse projeto. Ao redor do mundo, mais de 10.000 artistas já participaram da CowParade.

Ao final de cada edição, as esculturas são leiloadas e a renda é revertida como doação para instituições beneficentes. Dessa forma, as vacas cumprem múltiplas funções: valorizam o entorno, expandem o acesso à arte, promovem novos artistas, e sensibilizam as pessoas para causas sociais. As vaquinhas estarão disponíveis para visitação até 16/12 no shopping Iguatemi, em Fortaleza.

Saiba mais: https://cowparade.com.br/

Seminário encerra projeto com Escolas Públicas do Ceará

Abertura do Seminário

O Seminário de Empreendedorismo e Protagonismo Social nas Escolas, cuja temática foi a atuação de adolescentes e jovens na promoção do Desenvolvimento Local, realizado ontem (06/12), na EEEP Alan Pinho Tabosa, em Pentecoste/CE, encerrou as atividades de formação do projeto Jovens Empreendedores e Protagonistas Rurais nas Escolas desenvolvido pela Adel no âmbito do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER).

Doze (12) microprojetos elaborados por grupos de estudantes das quatro escolas atendidas: EEM São Sebastião em Apuiarés; EEM Waldemar Alcântara em São Gonçalo do Amarante; EEM Etelvina Gomes Bezerra em Pentecoste; e, EEFM Edite Alcântara Mota em General Sampaio, foram apresentados no Seminário. Oito (8) deles, foram expostos em banners e os quatro (4) mais votados, um de cada escola, fizeram uma apresentação oral.

Os microprojetos incluem a realização de eventos culturais, melhorias na qualidade da merenda escolar, bullying na escola, educação ambiental, inclusão do público LGBTQ+ em sala de aula, combate às drogas e empatia no convívio escolar. Estudantes da  EEM Waldemar Alcântara em São Gonçalo do Amarante elaboraram o projeto “Inclusão do Público LGBTQ+ na Escola”.

Exposição dos microprojetos

“O nosso projeto busca acima de tudo a aceitação das pessoas como elas são, seja na orientação sexual, de gênero, religião, raça. Queremos realizar palestras que ressaltam o respeito dentro da própria sala de aula, pois acredito que o que aprendemos na sala levamos para a vida”, ressalta o jovem Luiz Felipe Ferreira.

Além da exposição dos microprojetos dos jovens, a Adel apresentou os resultados alcançados ao longo do ano e as atividades que possibilitaram a introdução, em quatro escolas de Ensino Médio, de tópicos que evidenciam aos jovens estudantes as oportunidades e as alternativas existentes para permanência no meio rural com qualidade de vida. As oficinas do projeto abordaram os temas convivência sustentável com o semiárido, desenvolvimento local e empreendedorismo rural, enquanto temas transversais, numa perspectiva de educação contextualizada.

Para Luiz Breno Pereira, estudante da EEM São Sebastião de Apuiarés, o projeto permitiu um conhecimento multidisciplinar. “Eu achei o projeto riquíssimo, pois trabalhou vários temas. Como tiveram várias oficinas, abriu um amplo conhecimento pra mim. Eu vi que a Adel estava muito bem preparada pra fazer o que ela propôs quando foi falar com o Diretor e fez parceria com o colégio, eu realmente gostei bastante dessa experiência” destaca.

Prof.a Dalvani Castro, EEFM Edite Alcântara Mota; Tony Elvys, Diretor da EEM São Sebastião; Prof. Caniggia Carneiro, Assessor da CODEA Gestão Pedagógica/SEDUC; e, Adriano Batista, Diretor Executivo da Adel entregam certificados aos representantes das equipes dos microprojetos (Da esquerda para direita)

Participaram da culminância do projeto estudantes, professores, gestores das escolas beneficiadas, integrantes da equipe da Adel e parceiros da instituição. Ambos celebraram os resultados alcançados e compartilharam o desejo de dar continuidade ao projeto.

A mesa de abertura do evento foi composta pelo Diretor Executivo da Adel, Adriano Batista; Prof. Caniggia Carneiro, Assessor da CODEA Gestão Pedagógica, representante da Secretaria de Educação do Estado do Ceará (SEDUC); Inês Mapurunga, representante da Coordenação do projeto São José III desenvolvido pela Secretaria de Desenvolvimento Agrário (SDA); Aymê Sales, Presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) de Pentecoste; Rina Braga, Coordenadora do CRAS Rural de Pentecoste; Elton Luz, Diretor da EEEP Alan Pinho Tabosa; Tony Elvys, Diretor da EEM São Sebastião; Roberto Lima, Diretor da EEM Etelvina Gomes Bezerra; o Secretário Anísio Soares e a Prof.a Dalvani Castro, ambos representando os Diretores das respectivas escolas parceiras EEM Waldemar Alcântara e EEFM Edite Alcântara Mota .

Expansão

O Prof. Caniggia Carneiro, representante da SEDUC, expressou no evento que o objetivo da Secretaria de Educação é expandir o projeto para outras escolas. “A Secretaria está muito feliz pelo convite e parceria, nós percebemos que o trabalho feito nas escolas com os alunos, com os professores, com o apoio da gestão, está surtindo um ótimo efeito e a gente deseja mais e mais projetos como este, mais oficinas e parcerias com a Adel, para que a gente possa levantar essa bandeira do empreendedorismo social e do protagonismo juvenil para mais locais e mais pessoas”.

Adriano Batista, Diretor Executivo da Adel, além de destacar a importância dos parceiros para criar uma Rede de Proteção Social para os jovens, divulgou em primeira mão o novo projeto que será realizado no início de 2019, aprovado junto ao CMDCA de São Gonçalo do Amarante que atenderá jovens na região do Pecém. “O que a gente tem interesse de construir aqui na região é exatamente isso, um grupo de parceiros que possa criar uma rede de proteção para que os jovens possam colocar na prática todo o potencial que têm dentro de si. E isso só é possível quando esse jovem encontra apoio”, destaca.

Participantes do Seminário de Empreendedorismo e Protagonismo Social nas Escolas

O Seminário encerrou as atividades de formação do projeto e apresentou para a comunidade os jovens estudantes empreendedores e protagonistas beneficiados. A expectativa é que novos jovens sejam formados e os microprojetos desenvolvidos pelos jovens nas escolas possam inspirar toda a comunidade escolar para promoção de novos projetos. Por meio das cartilhas que estão sendo elaboradas, a Adel planeja junto com os parceiros multiplicar esta ação no Nordeste.

Nas próximas semanas, haverá uma rodada de reunião nas escolas para avaliação das atividades realizadas ao longo do ano, a entrega dos certificados dos demais estudantes e ainda a viagem de intercâmbio dos microprojetos vencedores.

O projeto Jovens Empreendedores e Protagonistas Rurais nas Escolas beneficiou 400 adolescentes e jovens, na faixa etária entre 15 e 17 anos de idade, de quatro escolas da rede estadual de ensino. É realizado pela Adel em parceria com a UNESCO e a Rede Globo, por meio do Criança Esperança, e com o Conselho de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ceará (CEDCA/CE). Conta com o apoio da Secretaria da Educação do Estado do Ceará (SEDUC-CE).

 

Projeto da Adel é selecionado em edital nacional “LGBT+ Orgulho”

Diretora de Programas da Adel, Aurigele Alves

“Diversidade no Empreendedorismo de Jovens Rurais” é o nome do mais novo projeto da Adel selecionado em edital nacional LGBT + Orgulho do Itáu Unibanco em parceria com a consultoria Mais Diversidade. O anúncio foi feito hoje, 30/11, no Fórum Out & Equal Brasil, evento de maior referência mundial neste assunto, em São Paulo (SP).

O edital LGBT + Orgulho visa incentivar o desenvolvimento de iniciativas que auxiliem e estimulem a visibilidade, segurança e respeito às pessoas LGBT+. Dentre as 310 propostas apresentadas, o projeto da Adel ficou em segundo lugar e vai receber o apoio financeiro de R$ 50 mil para contribuir na inclusão socioprodutiva de jovens LGBT+ do Sertão do Ceará. O Projeto Casa das Negas, de Fortaleza, também foi finalista do edital. A Casa das Negas é um espaço de cultura e formação de mulheres negras LGBT+ na periferia da capital cearense.

Ontem, 29/11, a Diretora de Programas da instituição, Aurigele Alves, apresentou a proposta para uma banca formada por especialistas do Itaú, consultoria Mais Diversidade e representantes da comunidade LGBT+. Os critérios da seleção considerados foram aspectos como representatividade regional e atuação em conjunto com outros pilares da diversidade, como raça e etnia, gênero, pessoas com deficiência, idade, gerações e refugiados, assim como os de caráter cultural, educacional, esportivo ou social.

Representantes dos quatro projetos vencedores do Edital LGBT+ Orgulho

Toda a comunidade institucional da Adel está muito feliz pelo resultado e em contribuir para uma sociedade mais justa e inclusiva. “É um momento histórico na minha vida e da instituição. Ter a oportunidade de trabalhar com a comunidade LGBT+ é motivo de orgulho e gratidão. Conhecer também a diversidade de projetos lindos de todo país durante o Fórum Out & Equal Brasil nos anima ainda mais. Temos uma proposta valiosa para trabalhar em 2019 e que vai gerar oportunidades para que todxs possam empreender”, enfatiza Aurigele.

“Diversidade no Empreendedorismo de Jovens Rurais”

O Projeto “Diversidade no Empreendedorismo de Jovens Rurais” vai apoiar em 2019, 25 jovens LGBT+ de comunidades rurais dos municípios de Pentecoste, Apuiarés, Tejuçuoca, Paracuru e São Gonçalo do Amarante, no semiárido cearense, para que eles possam identificar oportunidades para empreender no território em que vivem.

Os jovens LGBT+ que vivem nestes municípios são bastante vulneráveis a preconceito e pressionados a migrar para centros urbanos. Com o Projeto, a Adel busca fomentar o desenvolvimento de empreendimentos de negócios e impacto socioambiental em meio rural, proporcionando aos jovens LGBT+ acesso a conhecimento, crédito, redes colaborativas e a tecnologias.

O Projeto faz parte das ações do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER), desenvolvido pela instituição há nove anos. É a primeira iniciativa em prol da comunidade LGBT+.

Empreendedorismo e Protagonismo Social nas Escolas

 

Com o objetivo de debater a atuação de adolescentes e jovens na promoção do desenvolvimento local, a Adel realiza na próxima quinta-feira, 6 de dezembro, às 8h, o Seminário de Empreendedorismo e Protagonismo Social nas Escolas, no auditório da EEEP Alan Pinho Tabosa, em Pentecoste.

O evento encerra as atividades do Projeto Jovens Empreendedores e Protagonistas Rurais nas Escolas que faz parte do portfólio de ações do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER). No Seminário, será abordado o quanto é importante o empreendedorismo e o protagonismo social na Escola. Os jovens, mesmo em um contexto de grande vulnerabilidade, quando são estimulados e apoiados são capazes de realizar ações positivas em suas vidas e nas comunidades onde vivem.

É o que está acontecendo com os beneficiários deste Projeto. No Seminário, eles vão apresentar os Microprojetos que eles elaboraram na oficina de Inovação e Tecnologias Socioambientais. Os Microprojetos envolvem temáticas diversas e foram elaborados com o objetivo de contribuir na solução de alguns desafios encontrados no ambiente escolar.

Dentre as temáticas que serão trabalhadas nas Escolas, destacam-se a realização de eventos culturais, melhorias na qualidade da merenda escolar, bullying na escola, educação ambiental, inclusão do público LGBTQ+ em sala de aula, combate às drogas e empatia no convívio escolar.

Todos os Microprojetos buscam criar uma convivência agradável entre alunos, professores e funcionários. Ao participarem de forma mais ativa na Escola, os jovens além de se desenvolverem enquanto pessoas, vão contribuir positivamente com a comunidade escolar e com o desenvolvimento local.

O Projeto

O Projeto Jovens Empreendedores e Protagonistas Rurais nas Escolas foi realizado ao longo do ano com adolescentes e jovens, na faixa etária entre 15 e 17 anos de idade, de quatro escolas da rede estadual de ensino: EEM São Sebastião em Apuiarés; EEM Waldemar Alcântara em São Gonçalo do Amarante; EEM Etelvina Gomes Bezerra em Pentecoste; e, EEFM Edite Alcântara Mota em General Sampaio.

No total, 400 estudantes foram beneficiados pelo Projeto e participaram das oficinas: Juventude e Direitos Humanos; Sustentabilidade e Conservação da Caatinga; Águas e Desenvolvimento do Semiárido; Juventude e Protagonismo Rural; Juventude e Empreendedorismo Rural e Inovação e Tecnologias Socioambientais. Eles também vivenciaram, ao final das oficinas, o Intercâmbio Educativo e elaboraram Microprojetos que serão implementados na própria Escola em que estudam.

O Projeto é realizado pela Adel em parceria com a UNESCO e a Rede Globo, por meio do Criança Esperança, e com o Conselho de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ceará (CEDCA/CE). Conta com o apoio da Secretaria da Educação do Estado do Ceará (SEDUC-CE).

Adel expande sua atuação para Amazonas e firma parceria com a Casa do Rio

Aurigele Alves, Diretora de Programas da Adel e Thiago Cavalli , Diretor Executivo da Casa do Rio

Com o objetivo de ampliar seu impacto social e aumentar a escala de sua operação em benefício de mais pessoas e comunidades em todo o Brasil, a Adel expande a partir deste semestre sua atuação para Amazonas e firma uma aliança estratégica com a Casa do Rio – instituição que atua desde 2009 no município de Careiro Castanho.

A Casa do Rio realiza diversas iniciativas de educação, geração de renda para o desenvolvimento sustentável local e para conservação da biodiversidade. Ela visa apoiar a transformação da realidade socioeconômica dos povos da floresta, respeitando as vertentes culturais, as tecnologias e os saberes tradicionais.

A expansão das operações da Adel para outras regiões no Brasil faz parte de sua estratégia de desenvolvimento institucional. Acredita-se que a expertise da Adel em promover o desenvolvimento local através do empreendedorismo e do protagonismo social é relevante em diversos outros contextos de resiliência no país.

Essa expansão já está acontecendo por meio da instalação de Núcleos Avançados em territórios na Região Nordeste. Já a expansão para outros contextos regionais do Brasil, ocorre por meio de alianças estratégicas com organizações parceiras locais, que são os aliados estratégicos da Adel nessa jornada de crescimento.

Um importante aliado estratégico da Adel, nessa perspectiva, é a Casa do Rio, que atua na Amazônia. O modelo institucional da Adel é visto pelos gestores da Casa do Rio como referência para seu próprio crescimento. Segundo Thiago Cavalli, Diretor Executivo da Casa do Rio, a maturidade de uma instituição passa por se repensar de tempos e tempos, rever seus padrões.

“Iniciamos o processo de fortalecimento institucional, revendo e repensando nossas estratégias, sistematizando nossas ações, aproveitando melhor as oportunidades. Isto só tem sido possível pelas parcerias estabelecidas com a BrazilFoundation e Adel, parceiras neste processo” enfatiza.

Aliança Estratégica

 

A aliança estratégica entre as duas organizações foi firmada recentemente. A Adel assume o compromisso de apoiar o desenvolvimento institucional da Casa do Rio para que a entidade possa ser um ponto avançado de experimentação e implementação de projetos e metodologias desenvolvidas pela Adel no contexto da Amazônia.

A Amazônia traz uma realidade socioeconômico muito particular, mas com um quadro de desafios e oportunidades para jovens empreendedores e protagonistas muito semelhante ao quadro vivenciado no semiárido do Nordeste brasileiro – desafios tais como pressão migratória, êxodo rural, cadeias de valor pouco estruturadas, mesmo em cenários com potencialidades econômicas diversas e que oferecem caminhos para criação de novos negócios. É um ambiente de alta resiliência para adolescentes, jovens e agricultores, em que as demandas por conhecimento, crédito, redes e tecnologias são bastante parecidas, embora não sejam iguais.

As atividades relacionadas a aliança estratégica iniciaram nesta semana, com a visita da Diretora de Programas da Adel, Aurigele Alves, à sede da Casa do Rio, em Careiro Castanho, município a cerca de 107 km de Manaus, Amazonas. É um primeiro momento de reconhecimento, de aprendizado sobre a Casa do Rio, suas perspectivas e estratégias, e de troca de informações e conhecimentos sobre ambas as organizações. O primeiro passo no apoio técnico que a Adel começa a oferecer à Casa do Rio.

Além disso, Adel e Casa do Rio, juntas, já estão elaborando e vão desenvolver projetos e ações em conjunto. Metodologias e conceitos programáticos gerados pela Adel em seus 11 anos de atuação serão reaplicados pela Casa do Rio, nas comunidades em que trabalha. A proposta da Adel é assessorar a Casa do Rio a partir do aprendizado adquirido como agência de desenvolvimento local com atuação consolidada em ambientes de resiliência no Brasil.

“Vamos trabalhar com aspectos tanto da configuração programática, quanto de governança e gestão, para que a Casa do Rio seja uma organização mais forte e consistente nos próximos anos”, ressalta Gláucio Gomes, Diretor de Desenvolvimento da Adel.