Empoderamento feminino

Turma 2016.1

O dia hoje é reconhecido pela ONU desde 1975 como sendo o Dia Internacional da Mulher. Mais que comemorar a vida das mulheres fortes, determinadas, resilientes, perseverantes, empreendedoras, dentre outras características que lhe tornam únicas, a data é um convite para fortalecer o empoderamento feminino.

A Adel, desde 2009, vem colaborando com o empreendedorismo e o protagonismo feminino através do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER). Quando o Programa foi criado não tínhamos a ideia de que ele seria tão feminino, pois no ambiente patriarcal implantado, poucas jovens mulheres acreditavam que poderiam ter o seu próprio negócio, investir em conhecimentos e contribuir com o desenvolvimento das suas comunidades.

Os dados do Programa apresentam uma elevada participação das mulheres e, atualmente, várias jovens mulheres estão empreendendo e dando uma nova cara ao sertão. Neste dia internacional da mulher compartilhamos a história de oito jovens mulheres, que representam mais de cem e que contribuem diretamente com o desenvolvimento econômico e social do território. São jovens com maior autonomia e que inspiram outras jovens a realizar seus sonhos.

Jovens Mulheres Empreendedoras beneficiadas pela Adel

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ana Maria Macieira
Nasceu e cresceu na comunidade Livramento, em São Gonçalo do Amarante/CE. Ingressou no curso do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) da Adel em 2015. Em parceria com o esposo e apoio financeiro da Adel, por meio do Fundo Veredas, decidiu montar uma mercearia em um dos cômodos da casa. Hoje, além do mercadinho, ela possui uma criação de galinha caipira e um quintal produtivo. Recentemente, assumiu a liderança da Associação Comunitária.

Brena Castro
Nasceu e cresceu na comunidade Venâncio, em Tejuçuoca/CE. Ingressou no curso do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) da Adel em 2017 e criou o empreendimento Venâncio – Leite e derivados. Produção familiar existente há mais de 20 anos, vista pela jovem como uma oportunidade de elevar a renda. Produz leite, queijo, doce de leite e nata.

Fabiana Lima
Mora em Pentecoste/CE. Ingressou no curso do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) da Adel em 2017 e criou o empreendimento Biana Biscuit. Produz diversas miniaturas e lembranças para aniversários e casamentos de biscuit. As peças de artesanato em biscuit são a principal fonte de renda da jovem.

Leonilda Soares
Disponibiliza serviços gráficos e personalizados para comunidade Serrota, em Pentecoste. Através das canecas e camisas que produz valoriza a arte e a cultura do Sertão.

Liliane Bernardo
Após ingressar no Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) decidiu investir no Projeto Pracaju – Cooperativa de Mulheres que trabalha com a coleta e o beneficiamento de polpas de frutas. Produz doces, cocadas, salgados e cajuína com a fibra de caju. Atualmente, exerce a função de Coordenadora Executiva.

Romênia Castro
Reside na comunidade Núcleo B, Pentecoste (CE). Participou do PJER em 2014 e investiu na produção de mamão, empreendimento agrícola que condiz com as condições climáticas da comunidade, e conta com a parceria de seu pai. Romênia também cursa Serviço Social e acredita que permanecendo no território pode colaborar no desenvolvimento do município.

Rayssa Duarte
Deixou a capital do Estado, Fortaleza, onde sempre morou, para ingressar no Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) em 2015. Recém-formada em Design de Moda viu no Programa a possibilidade de se reinventar, decidindo inclusive morar na comunidade Boca da Picada, em São Gonçalo do Amarante com seu companheiro. Juntos, eles cultivam diversos produtos no sítio da família e contribuem diretamente com a gestão da Caroá, primeira cooperativa de jovens do território, na qual Rayssa foi eleita Coordenadora Executiva este ano.

Sabrina Santos
Mora em uma comunidade rural chamada Vila Bezerra, em São Luís do Curu/CE. Ingressou no Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) da Adel em 2016 e hoje possui o empreendimento Flor do Sertão, onde produz vasos rústicos de cactos e suculentas ornamentais. Ela busca utilizar material reciclado para produção dos jarros, como quengas de coco ou troncos de árvore. Acredita que pode ajudar sua comunidade através do seu trabalho, realizando uma atividade sustentável. É integrante do Conselho Fiscal da Cooperativa Caroá.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *