Festival do Peixe movimenta a economia de Pentecoste

Aconteceu de 13 a 14, em Pentecoste, o VI Festival do Peixe. O evento foi realizado pela Prefeitura Municipal de Pentecoste através das Secretarias de Cultura, Turismo e Educação.

O festival teve a sua estrutura montada na praça central da cidade e contou com um grande número de colaboradores, impulsionando o turismo, o comércio e o desenvolvimento econômico do município.

Pentecoste pertence à microrregião do Médio Curu, sertão cearense. Sua economia está baseada na piscicultura e agricultura de subsistência das culturas de milho, feijão e mandioca, além de banana e coco em áreas irrigadas, próximas à faixa do rio Curu perenizado, e do açude Pereira de Miranda, bem como da fábrica de Calçados Paquetá, filial de empresa do Rio Grande do Sul, que tem toda sua produção exportada para fora do estado e do país. 
Vale ressaltar também que, em Pentecoste, está localizado um dos maiores centros de pesquisas ictiológicas da América do Sul, que exporta alevinos de várias espécies, e tecnologias de desenvolvimento de criatórios e reprodução para todo o estado e regiões Nordeste e Norte do país.
Pentecoste tem cerca de 34.841 mil habitantes. No período do festival a população tem um aumento significativo. A economia tem um grande aquecimento com essa atividade, pois o turismo fortalece o mercado na medida em que os hotéis recebem hóspedes e o comércio de produtos locais aumentam.
Durante o festival o número de feirantes crescem. Em volta da praça central da cidade, dezenas de tendas oferecem à população comidas, artesanato, bebidas, etc. São tendas grandes, pequenas, umas bem estruturadas, outras mais simples, simplesmente isopores com carrinhos, outros isopores na cabeça, enfim, a luta pela venda é incansável durante o evento.
Segundo Wagner Gomes, economista e finalista ao Prêmio Empreendedor Social de Futuro da Folha de São Paulo, a grande importância do festival está no desenvolvimento dos recursos pesqueiros, uma atividade fundamental para a economia de Pentecoste. “O festival movimenta a economia da cidade, assentada na pesca artesanal, estimulando ainda o turismo, a cultura e o lazer, atraindo um grande contingente de visitantes, oriundos de todo o estado do Ceará”.
Foto: Arquivo do DNOCS
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *