Meliponicultores do Ceará e RN contribuem para preservação ambiental

Maria Melo no meliponário da família, em Cabeço – Jandaíra (RN)

Neste ano de diversos registros de queimadas e destruição da natureza, a Adel, que atua no Nordeste brasileiro com o objetivo de estimular o crescimento de jovens de comunidades rurais e agricultores/as familiares, continua com o trabalho de apoio a produtores de mel das abelhas nativas, por meio de assessorias e possibilitando conhecimento sobre a temática, com a elaboração de conteúdo online. A meliponicultura, além de movimentar a economia local, também é sustentável, pois ajuda a preservar as abelhas e o meio ambiente com o serviço de polinização prestado às plantas nativas.

No semiárido cearense, por exemplo, um grupo de meliponicultores faz o caminho inverso da prática de consumo dos grandes centros urbanos. A Rede Néctar do Sertão, que recebe o apoio da Adel, congrega 70 produtores de algumas comunidades rurais dos municípios de Apuiarés e Pentecoste que veem na atividade uma oportunidade de preservação ambiental e valorização do bioma Caatinga. Em Lagoa das Pedras, comunidade do município de Apuiarés, os meliponicultores são responsáveis por uma reserva ambiental onde são plantadas diversas espécies nativas, como aroeira, angico e pau d’arco, também conhecido como ipê. As espécies foram estrategicamente pensadas pela afinidade que têm com a abelha Jandaíra.

De acordo com a Diretora de Programas da Adel, Aurigele Alves, o foco de atuação nessas comunidades tem sido a organização da produção. “Atualmente, os investimentos estão voltados para ampliação de caixas de enxames pensando no crescimento das capacidades produtivas. A expectativa é que, em um futuro próximo, esses meliponicultores consigam atender uma maior fatia do mercado de uma forma mais organizada”, explica. A coordenação da Rede Néctar do Sertão se responsabiliza em manter a Adel informada das ações feitas nessas comunidades, para que aconteça todo o suporte de orientar e assessorar esses produtores, inclusive, na hora da comercialização.

Meliponicultores da Rede Néctar do Sertão. Registro realizado antes da pandemia de covid-19

Além do Ceará, a Adel também desenvolveu ações para ajudar os meliponicultores do Rio Grande do Norte, na comunidade Cabeço, município de Jandaíra, no período de 2018 e 2019. Oito famílias da Associação dos Jovens Agroecologistas Amigos do Cabeço (JOCA) foram beneficiadas com unidades de criação de abelha nativa, ou seja, meliponários. Também foram adquiridos equipamentos de processamento e envase do mel e realizadas oficinas com 26 jovens sobre boas práticas de processamento e técnicas de comunicação e marketing aplicadas à agricultura familiar. Além disso, cerca de 192 colmeias foram instaladas. Essa ação foi realizada por meio do Programa EDP Renováveis Rural, iniciativa da EDP Renováveis, parceira da Adel. Atualmente, o grupo segue engajado nas atividades produzindo e preservando a abelha nativa no território.

Todas essas iniciativas contribuem para o fortalecimento da meliponicultura, para a ampliação da produção e para a preservação ambiental. Hoje, 3 de outubro, é o Dia Nacional das Abelhas e, aproveitando a data, a Adel vai realizar a série “Práticas Sustentáveis na Caatinga: a meliponicultura como propulsora do desenvolvimento local”, para lembrar a importância desta espécie fundamental para a natureza e destacar as ações com produtores no Ceará e Rio Grande do Norte. No total, serão 6 encontros on-line no YouTube clique aqui, às quintas-feiras, às 19h, com lançamento marcado para o dia 8 de outubro. Cada encontro contará com pesquisadores da área, instituições parceiras e produtores locais.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *