Revista Globo Rural publica reportagem sobre a Adel

A estação das chuvas foi generosa no Sertão do Ceará, fazendo com que ele permanecesse verde até o meio do ano, coalhado de jitiranas, flor de cor arroxeada preferida pelas abelhas e que resulta em mel muito saboroso, e açudes cheios. O economista Wagner Gomes está muito feliz, porque sabe que os animais terão alimento garantido para a época da seca que se aproxima, os produtores colheram boas safras de milho e feijão e a florada não faltou para a apicultura. Renda certa e agricultor animado são garantias de planos para melhorar a propriedade e reverter o histórico de miséria que marca o Semiárido brasileiro. 
 
Há quatro anos, Wagner, de 29, lidera um grupo de 15 jovens feito ele na Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel), que ajudou a fundar e cuja missão não é pouca. “Transformar a lógica do êxodo rural oferecendo desenvolvimento econômico e social nas comunidades”, diz. Wagner conta com o zootecnista Adriano Souza, amigo e parceiro de trabalho, para coordenar a equipe e sacolejar pelas estradas da região. Ambos poderiam ter arrumado emprego em lugares confortáveis, mas preferiram voltar para a região de Pentecoste, a 90 quilômetros de Fortaleza, e implantar um programa que tem como lema dar nova vida ao Sertão. Em tão pouco tempo, a agência conseguiu dar assistência a 450 produtores, situados em 72 comunidades, divididas entre oito municípios. “Toda informação é preciosa quando ela é escassa”, analisa Wagner. Por essa razão, talvez os produtores da comunidade Malaquias, em Tejuçuoca, nunca tivessem ouvido falar em silagem de milho e sorgo para garantir alimento para cabras e bois em tempos de seca. “No primeiro semestre, o animal ficava gordinho. No segundo, era puro osso”, relembra João Barbosa Marques. Uma simples ensiladeira e uma enfardadeira foram suficientes para beneficiar o plantio de grãos em oito hectares compartilhados por três produtores. “Rompemos com a ignorância”, comenta Milton Teixeira, que também aprendeu que os rufiões precisam ser trocados com o tempo para manter a boa reprodução dos caprinos.
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *