Campanha revela jovens que representam a nova cara do sertão

“O que você pensa quando escuta a palavra sertão?”. Se pensou em agricultura precisa rever seus conceitos. Afinal, hoje, jovens empreendedores de comunidades do semiárido brasileiro desenvolvem projetos em diversas áreas. É isso que quer mostrar a campanha institucional “A Nova Cara do Sertão”, projeto desenvolvido pela ONG cearense Agência de Desenvolvimento Econômico Local (ADEL) em parceria com a ONG Rummos.
A ideia é apresentar a cada mês pela internet (http://www.adel.org.br/novacara.html) um ou uma jovem participante de projetos da ADEL, que represente o novo perfil da juventude do sertão: empreendedor e comprometido com soluções para o desenvolvimento de suas comunidades. A campanha lançada na última semana foi concebida para ter a duração de dois anos e buscar apoio para esses novos empreendedores que estão mudando o semiárido.
O diretor-executivo da ADEL, Wagner Gomes (na foto, à esquerda), que ano passado foi eleito Empreendedor Social de Futuro, em concurso do jornal Folha de São Paulo, ressalta que eles demonstram potencial nas mais diversas áreas, além da agricultura e zootecnia. Há iniciativas nas áreas de marketing, publicidade, gestão e elaboração de projetos e turismo rural, dentre outras.
Em janeiro, o jovem enfocado é Adriano Batista (na foto à direita) que, a exemplo de Wagner, é filho de agricultores, entrou na universidade depois de participar do Programa de Educação em Células Cooperativas (PRECE). Adriano cursou Zootecnia e voltou para o sertão, onde junto com Wagner foi um dos criadores da ADEL e hoje é diretor-técnico da entidade.
Como detalha o material de divulgação da campanha: São jovens que não têm como foco os problemas e obstáculos e, embora reconheçam os obstáculos históricos e a dificuldade de vencê-los, optam em transformar recursos, com criatividade e inovação, em trabalho, produção, conhecimento e tecnologias que vem construído a nova cara do sertão. Jovens que pensam, e põem em pratica, soluções sustentáveis para o desenvolvimento socioeconômico da região.
Para Wagner, a expectativa é das melhores. Por meio da campanha, os organizadores esperam conseguir patrocínios de empresários e a colaboração de voluntários, como estudantes universitários interessados em acompanhar os projetos desenvolvidos pela ADEL. Assim, dando visibilidade ao trabalho desses jovens, a campanha que levar bons exemplos para outros jovens e mostrar a investidores sociais, empresas e governos que “o Sertão brasileiro não apenas é viável, é uma terra de oportunidades”.

Fonte: http://www.boanoticia.org.br/noticias_detalhes.asp?Cod=2510

ADEL é selecionada em edital do MDS

A ADEL ganhou um veiculo que será utilizado no acompanhamento técnico aos agricultores familiares beneficiados pela instituição nos municípios de Pentecoste, Apuiarés, Tejuçuoca, General Sampaio, Umirim e Itarema – Território da Cidadania dos Vales do Curu e Aracatiaçu, no norte do Ceará.
Segue abaixo a lista das 10 instituições contempladas:
ENTIDADE
MUNICÍPIO
ESTADO
Carro
Prefeitura Municipal de Boa Esperança
Boa Esperança
Paraná
Carro
Agência de Desenvolvimento Econômico Local
Pentecostes
Ceará
Carro
Associação Regional do Assentamento Bom Pastor
Sandovalina
São Paulo
Carro
Prefeitura Municipal de Cruzeiro do Oeste
Cruzeiro do Oeste
Paraná
Ônibus
Prefeitura Municipal de Barretos
Barretos
São Paulo
Ônibus
Prefeitura Municipal de Montezuma
Montezuma
Minas Gerais
Ônibus
Secretaria Municipal de Trabalho e Assistência Social
Natal
Rio Grande do Norte
Ônibus
Prefeitura Municipal de Quixabá
Quixabá
Paraíba
Tecidos
Prefeitura Municipal de São Luís
São Luís
Maranhão
Tecidos
Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos
Recife
Pernambuco

Confira a notícia em: http://www.mds.gov.br/saladeimprensa/noticias/2011/janeiro/mds-divulga-vencedores-dos-editais-de-doacao-de-carros-tecidos-e-onibus

Projeto da ADEL é selecionado no Convênio MTE/SENAES/BNB

Com o projeto “Rede de Jovens Empreendedores Rurais – Constituindo Fundos de Produção e Comercialização Solidária no Sertão Cearense”, a ADEL é umas das entidades selecionadas no Programa de Apoio a Projetos Produtivos Solidários do Banco do Nordeste (BNB) em parceria com a Secretaria Nacional de Economia Solidária (SENAES), do Ministério de Trabalho e Emprego (MTE).
O projeto será desenvolvido junto a 30 jovens dos municípios de Pentecoste, Apuiarés, Tejuçuoca e General Sampaio. As principais ações são: capacitação dos jovens em associativismo, cooperativismo, economia solidária, agroecologia, planos de negócios e gestão de fundos rotativos solidários; implantação de fundos rotativos solidários e fortalecimento da Rede Territorial de Jovens Rurais.
De acordo com Wagner Gomes, diretor executivo da ADEL, o projeto representa uma atividade estratégica da instituição para formar recursos humanos e capital social através de fundos rotativos no território do Médio Curu. 
Para saber mais informações sobre o Programa de Apoio a Projetos Produtivos Solidários do Banco do Nordeste (BNB), acesse: http://www.bnb.gov.br/content/aplicacao/sobre_nordeste/fundeci/docs/aviso_06_2010_projetos_produtivos_solidarios.pdf

VII Sequência do PEJR

Segunda-feira, 31 de janeiro, terá inicio a VII Sequência do Programa Empreendedorismo do Jovem Rural (PEJR), desenvolvido pela ADEL, em parceria com o Instituto Souza Cruz e Fundação Konrad Adenauer. A VII Sequência tem como objetivo analisar as alternativas de comercialização de produtos e de serviços e as formas de organização que potencializam as oportunidades empreendedoras.
Durante a semana, os jovens participarão de várias atividades pedagógicas na unidade de formação em Cipó, dia de campo, palestras sobre produtos e serviços da agricultura familiar. O dia de campo será na Fazenda Experimental da Universidade Federal do Ceará (UFC). Na VII Sequência os jovens irão fazer um estudo de mercado sobre seus projetos, analisando os pontos fortes e fracos, oportunidades e ameaças que vêem na implantação de seus empreendimentos.

“A Nova Cara do Sertão” está no ar

Está no ar, desde a última terça-feira (25), a Campanha Social – A Nova Cara do Sertão, projeto desenvolvido em parceria com a Rummos, através da E-feito sua agência virtual.
A proposta da campanha é apresentar jovens envolvidos com os projetos da instituição que representam o novo perfil da juventude do sertão: empreendedora e comprometida com soluções para o desenvolvimento de suas comunidades. A iniciativa envolve um hotsite onde, uma vez por mês, um jovem ligado aos projetos da agência é apresentado.

Os jovens que fazem a ADEL são exemplos de uma nova geração que começa a ganhar vida e assumir posições de destaque em todo o semiárido brasileiro – uma geração de empreendedores. Que, motivados por um cenário mais favorável para a mobilidade social e atuação social e política, conhecem os desafios locais, mas também as oportunidades e potencialidades para criar novos modelos de negócios, propor novas formas de produção e relação com mercados e de transformar as realidades sociais das regiões em que vivem. São jovens que não têm como foco os problemas e obstáculos e, embora reconheçam os obstáculos históricos e a dificuldade de vencê-los, optam em transformar recursos, com criatividade e inovação, em trabalho, produção, conhecimento e tecnologias que vem construído a nova cara do sertão. Jovens que pensam, e põem em pratica, soluções sustentáveis para o desenvolvimento socioeconômico da região. 
A ADEL reúne um grupo desses jovens. E a campanha irá contar as histórias deles, apresentar suas motivações, suas idéias e seus projetos. Um dos principais objetivos do projeto A Nova Cara do Sertão é justamente dar visibilidade a referências reais e tangíveis de mobilidade social positiva e empreendedorismo, que possam inspirar outros jovens e mostrar a investidores sociais, empresas e governos que o Sertão brasileiro não apenas é viável, é uma terra de oportunidades.
Através do hotsite você ou sua empresa podem apoiar os jovens do sertão brasileiro. Acesse a campanha e participe: http://www.adel.org.br

E-feito, agência parceira da ADEL, divulga trabalho voluntário para fotógrafos no Ceará

A E-feito, Agência Virtual da Rummos, está recrutando fotógrafos interessados em trabalho voluntário. São duas as formas de participar: visitando as organizações sociais e registrando imagens que possam ajudá-las a contar um pouco de seus trabalhos e resultados ou doando para o Banco de Imagens da E-feito fotos que possam mostrar um pouco do país e de seus diversos contextos sociais. Essas fotografias serão utilizadas, citando autorias, em materiais de educação e divulgação de ações e projetos sem fins lucrativos. Muitas instituições fazem trabalhos belíssimos que são pouco conhecidos, contribuir para que essas iniciativas tenham visibilidade é parte da missão da E-feito, para qual o papel do fotografo é fundamental. 

Os fotógrafos terão seus nomes e contatos divulgados e poderão creditar suas participações nos projetos. Veja o caso da fotografa Andressa Reis que participou da produção do catálogo do Bem Arte Moda (Vitória-ES). Andressa (nas fotos com a modelo Daniela Alacrino) é fotografa de casamentos na grande Vitória e dedicou um dia de seu trabalho para ajudar na produção e fotografar as modelos e produtos do empreendimento comunitário Bem Arte moda. 

Fotógrafos interessados podem entrar em contato através do e-mail e-feito@rummos.org.br.

Agroecologia comemora resultados

Seminário mostrou os resultados alcançados pelo Projeto AFAM no Ceará, ao longo de cinco anos de execução

O Projeto Agricultura Familiar, Agroecologia e Mercado (Afam)está chegando ao fim, deixando bons frutos no semiárido cearense. Coordenado pela Fundação Konrad Adenauer, com co-financiamento da União Europeia, a iniciativa tem sido, nos últimos cinco anos, responsável pela melhoria da qualidade de vida das comunidades de pequenos produtores, por meio do fortalecimento da agricultura familiar ecológica e sustentável.

Iniciado em 2006, o Projeto contribuiu para a criação e fortalecimento de redes de agricultores familiares ecológicos na região de Itapipoca, no Sertão Central e no Maciço de Baturité. Para tanto, contou com a valiosa cooperação com as organizações não-governamentais (ONGs) Instituto Sesemar, Agência de Desenvolvimento Local (Adel) e Núcleo de Iniciativas Comunitárias (NIC).

De acordo com Angela Kuester, coordenadora geral do projeto, o Afam foi o principal eixo de atuação do escritório regional da Konrad Adenauer no Nordeste, por unir as dimensões social, econômica e ecológica. Este ano, a unidade da fundação alemã no Ceará será fechada, e o atendimento, transferido para a unidade do Rio de Janeiro. “Mas isto não significa o fim das parcerias e das iniciativas que, como vemos, já caminham com as próprias pernas”, explica Angela.

Entre as conquistas, Angela Kuester enumera o fortalecimento do associativismo e cooperativismo, a construção do conhecimento agroecológico, as políticas públicas para a transição agroecológica, o acesso a mercados justos e a certificação alternativa de produtos agroecológicos. Os resultados e aprendizados do Projeto Afam foram, inclusive, debatidos ontem, num seminário realizado em Fortaleza.

Segundo Wagner Gomes, diretor executivo da Adel, uma das principais lições do projeto Afam foi a constatação de que é possível conviver com o semiárido de forma sustentável, utilizando a Agroecologia. Ele reforça que a ADEL trabalha o empreendedorismo dos jovens no meio rural, “pela necessidade de mantê-los na área onde nasceram e cresceram, de uma forma produtiva e sustentável”.

Para Iran Pereira, coordenador do Núcleo de Iniciativas Comunitárias (NIC), a parceria foi fundamental para implementar, no Maciço de Baturité, de ações de produção agroecológica até então impensadas. “Capacitamos mais de 400 agricultores familiares. Hoje, temos mais de 50 hortas agroecológicas implantadas na região”, comemora.

Iran Pereira acrescenta que o maior desafio foi conscientizar os produtores familiares sobre a importância de não utilização de agrotóxicos, da não necessidade de queimadas e degradação do meio ambiente.

Ainda como exemplo de resultado prático, os participantes do projeto citam o fato de a Prefeitura de Barreira, município localizado a 74 quilômetros de Fortaleza, no Maciço de Baturité, estar atuando na transição agroecológica. Um dos desafios de continuidade que começa a ser pensado é passar as noções de Agroecologia às crianças, por meio das escolas municipais.

“Por todos os resultados já alcançados, podemos dizer que o projeto contribuiu e vai continuar contribuindo para uma produção mais limpa, uma alimentação mais saudável e um comércio mais justo no Ceará”, resume Angela Kuester.

Legado

“É possível desenvolver a agroecologia e conviver com o semiárido”

Wagner Gomes
Diretor executivo da Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel)

“O desafio foi conscientizar os agricultores sobre a não utilização de agrotóxicos”

Iran Pereira
Coordenador do Núcleo de Iniciativas Comunitárias (NIC)

MAIS INFORMAÇÕES

ADEL – Rua Juvenal Galeno, s/n, Benfica – Fortaleza – Tel: (85) 9199.8383/ 9106.8007

NIC – Rua Maria do Carmo Oliveira, 325 – Barreira – Tel: (85) 3331.1350

Instituto Sesemar – Rua Ildeberto Barroso, 1195, Centro – Itapipoca – Tel: (88) 3631.3620

Fonte: http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=920548 

ADEL lançará campanha “A Nova Cara do Sertão”

 A ADEL – Agência de Desenvolvimento Econômico Local, organização que atua no semiárido cearense, lança esse mês uma campanha institucional baseada no novo perfil do jovem do sertão brasileiro. A proposta é apresentar jovens envolvidos com os projetos da instituição e que hoje representam um novo perfil da juventude do sertão: empreendedora e comprometida com soluções para o desenvolvimento de suas comunidades. A campanha apresentará uma história por mês. Além disso, estão sendo desenvolvidos outros produtos com o selo.
O conceito e o selo da campanha foram desenvolvidos pela E-feito, que nesse projeto contou com a colaboração pro bono da jornalista Ana Paula Lewkowicz. Você pode conhecer mais sobre o trabalho da ADEL acessando: http://www.adel.org.br/

Gerente do Instituto Souza Cruz visita a turma do PEJR no Médio Curu

Dia 11 de janeiro, durante a VI Sequência do Programa Empreendedorismo do Jovem Rural – PEJR, o grupo recebeu a visita de Luís André, gerente do Instituto Souza Cruz, financiador do programa. 
Na ocasião, Luís acompanhou a realização das atividades sobre a temática Segurança alimentar e nutricional e falou sobre as oportunidades que podem surgir a partir da formação que os jovens estão recebendo no PEJR. 
Além disso, estiveram presentes na sequência, Aurenir Luz, Gerente de Projetos de Jovens e Mirlânia Lima, Diretora Financeira, ambas da ADEL.

Jovens do PEJR participam de palestra sobre Pluriatividade com pesquisadora do tema no Ceará

No período de 10 a 14 de janeiro, aconteceu a VI Sequência do Programa Empreendedorismo do Jovem Rural (PEJR) na Unidade de Formação em Cipó, Pentecoste. A tarde do dia 12 de janeiro foi reservada para uma palestra sobre o tema Pluriatividade, termo empregado para indicar a presença tanto de atividades agropecuárias quanto não-agrícolas em determinado território rural.
A Palestra foi ministrada por Maria Odete Alves, agrônoma e pesquisadora do BNB – Banco do Nordeste do Brasil – ETENE (Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste), que segmentou a apresentação em três momentos. Inicialmente, a palestrante fez uma explanação sobre as origens da pluriatividade e suas formas de manifestação, cuja intensidade, diversidade e complexidade estão vinculadas ao nível de desenvolvimento de cada território.
Em seguida, mostrou como e porque no Brasil a pluriatividade tende a ser diferenciada entre as regiões: mais intensa e diversificada principalmente nas regiões nas quais a agricultura foi beneficiada pelo processo de modernização (anos 1960 e 1970 nas regiões Sul e Sudeste; mais recentemente, os cerrados nordestinos). Este momento da palestra foi concluído com a apresentação de resultados de uma pesquisa realizada por pesquisadores do ETENE em 11 municípios do Baixo Jaguaribe (CE). Os resultados mostram que no conjunto dos municípios existem importantes núcleos produtivos não-agrícolas, cujo crescimento está associado ao crescimento experimentado pelo Pólo frutícola.
No entanto, principalmente entre agricultores familiares, as atividades não-agrícolas têm pequena escala, a tecnologia empregada é a tradicional e o uso de mão-de-obra é intensivo, sendo os produtos e serviços vendidos quase que exclusivamente no mercado local. É fato que estes agricultores pluriativos se deparam com uma série de dificuldades no desenvolvimento de suas atividades não-agrícolas, principalmente em relação a financiamento, canais de comercialização, organização capacitação e infra-estrutura pública de transportes e comunicação. Mesmo com todas as dificuldades observadas, constatou-se que a receita gerada pelas atividades não-agrícolas é sempre superior àquela gerada pelas atividades agropecuárias, chegando a representar 65% na composição total.

A última etapa do dia foi reservada ao trabalho em grupo dos estudantes que, à luz do conteúdo apresentado, foram convidados a fazer uma reflexão sobre a pluriatividade no contexto de suas comunidades. O exercício apresentou resultados semelhantes aos observados no Baixo Jaguaribe, apontando para a existência de atividades não-agrícolas com baixo nível tecnológico e inserção marginal no mercado, mas com papel importante na manutenção daquelas famílias no meio rural.

Vale ressaltar a receptividade do grupo e o engajamento de todos nos diversos momentos, garantindo o alcance dos objetivos da Palestra.
MARIA ODETE ALVES é Engenheira Agrônoma, Mestre em Desenvolvimento Rural, Doutoranda em Desenvolvimento Sustentável e pesquisadora do Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (ETENE), do BNB.
Correio Eletrônico: moalves@bnb.gov.br
Para conhecer a produção técnico-científica: http://www.moalves.net.br
Colaboração: Maria Odete Alves