II Seminário dos educadores do PEJR Nordeste

Iniciou hoje (30/03), o II Seminário dos educadores do Programa Empreendedorismo do Jovem Rural (PEJR) da região Nordeste, que tem como temática “Projeto do Jovem Empreendedor Rural: metodologia e práticas”.  

O evento está acontecendo no Centro de Eventos Doroteias, em Fortaleza, e segue até o dia 01 de abril. Participam do seminário os educadores da Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel) e do Movimento de Organização Comunitária (MOC), sediado em Feira de Santana, na Bahia.
Os objetivos do seminário é fortalecer o aprendizado sobre os projetos dos jovens, estágios e formaturas, que estão previstas para acontecer em julho. Uma das metas do encontro é construir um plano de trabalho para finalização das turmas.

II Seminário dos educadores do PEJR Nordeste

Iniciou hoje (30/03), o II Seminário dos educadores do Programa Empreendedorismo do Jovem Rural (PEJR) da região Nordeste, que tem como temática “Projeto do Jovem Empreendedor Rural: metodologia e práticas”.  

O evento está acontecendo no Centro de Eventos Doroteias, em Fortaleza, e segue até o dia 01 de abril. Participam do seminário os educadores da Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel) e do Movimento de Organização Comunitária (MOC), sediado em Feira de Santana, na Bahia.
Os objetivos do seminário é fortalecer o aprendizado sobre os projetos dos jovens, estágios e formaturas, que estão previstas para acontecer em julho. Uma das metas do encontro é construir um plano de trabalho para finalização das turmas.

Intercâmbio do jovem rural encerra com dia de lazer

No período de 14 a 18 de março, aconteceu o intercâmbio do jovem rural no território do Vale do Curu e Aracatiaçu. Participaram do evento 30 jovens da turma do Programa Empreendedorismo do Jovem Rural (PEJR) do Médio Curu, Aurigele Barbosa e Carlos Roberto, educadores do programa, e Aurenir Luz, gerente de projetos da Adel.
Durante uma semana os jovens visitaram vários empreendimentos produtivos em cinco municípios do território do Vale do Curu e Aracatiaçu. Após uma semana intensa de viagem, visitas técnicas e muita aprendizagem, os jovens tiveram um dia de lazer na praia de Lagoinha, em Paraipaba. 
Localizada a 124 quilômetros de Fortaleza, a praia da Lagoinha possui 15 km de extensão, sua paisagem é composta de uma larga faixa de areia fina e escura, lagoas de água doce, coqueiros e um mar verde. 
O local servia antigamente como porto para piratas franceses e, diz a lenda, que em baixo das dunas de Lagoa da Barra existem tesouros enterrados, porém ninguém nunca achou nada. Entre duas dunas avermelhadas, repletas por coqueiros em meio à encosta, a praia faz uma espécie de meia-lua que desemboca em arrecifes no mar.

Intercâmbio do jovem rural encerra com dia de lazer

No período de 14 a 18 de março, aconteceu o intercâmbio do jovem rural no território do Vale do Curu e Aracatiaçu. Participaram do evento 30 jovens da turma do Programa Empreendedorismo do Jovem Rural (PEJR) do Médio Curu, Aurigele Barbosa e Carlos Roberto, educadores do programa, e Aurenir Luz, gerente de projetos da Adel.
Durante uma semana os jovens visitaram vários empreendimentos produtivos em cinco municípios do território do Vale do Curu e Aracatiaçu. Após uma semana intensa de viagem, visitas técnicas e muita aprendizagem, os jovens tiveram um dia de lazer na praia de Lagoinha, em Paraipaba. 
Localizada a 124 quilômetros de Fortaleza, a praia da Lagoinha possui 15 km de extensão, sua paisagem é composta de uma larga faixa de areia fina e escura, lagoas de água doce, coqueiros e um mar verde. 
O local servia antigamente como porto para piratas franceses e, diz a lenda, que em baixo das dunas de Lagoa da Barra existem tesouros enterrados, porém ninguém nunca achou nada. Entre duas dunas avermelhadas, repletas por coqueiros em meio à encosta, a praia faz uma espécie de meia-lua que desemboca em arrecifes no mar.

Jovens visitam Distrito Irrigado do Baixo Acaraú

Durante o Intercâmbio do Jovem Rural, os jovens participantes do Programa Empreendedorismo do Jovem Rural (PEJR) tiveram a oportunidade de visitar no dia 17 de março, a barragem e alguns lotes do Perímetro Irrigado do Baixo Acaraú. 

O perímetro tem área irrigável de 8.335 hectares, abrangendo os municípios de Bela Cruz, Marco e Acaraú, no norte cearense. Dezenas de variedades de frutas são produzidas atualmente no Perímetro, com destaque para as lavouras de mamão, abacaxi, melancia e melão, destinados principalmente ao mercado externo. 

Na ocasião, os jovens foram recebidos por Rogério Paganelli, gerente executivo do Distrito de Irrigação do Baixo Acaraú (DIBAU), além disso, estiveram em campo visitando propriedade produtoras de banana e coco. O Perímetro do Baixo Acaraú é administrado pelos próprios produtores, organizados em uma associação que conta atualmente com 501 integrantes. 

A boa qualidade das frutas é assegurada pela assistência técnica prestada pela Secretaria de Agricultura do Ceará e acompanhamento permanente de técnicos do Ministério da Integração Nacional.

Jovens visitam Distrito Irrigado do Baixo Acaraú

Durante o Intercâmbio do Jovem Rural, os jovens participantes do Programa Empreendedorismo do Jovem Rural (PEJR) tiveram a oportunidade de visitar no dia 17 de março, a barragem e alguns lotes do Perímetro Irrigado do Baixo Acaraú. 

O perímetro tem área irrigável de 8.335 hectares, abrangendo os municípios de Bela Cruz, Marco e Acaraú, no norte cearense. Dezenas de variedades de frutas são produzidas atualmente no Perímetro, com destaque para as lavouras de mamão, abacaxi, melancia e melão, destinados principalmente ao mercado externo. 

Na ocasião, os jovens foram recebidos por Rogério Paganelli, gerente executivo do Distrito de Irrigação do Baixo Acaraú (DIBAU), além disso, estiveram em campo visitando propriedade produtoras de banana e coco. O Perímetro do Baixo Acaraú é administrado pelos próprios produtores, organizados em uma associação que conta atualmente com 501 integrantes. 

A boa qualidade das frutas é assegurada pela assistência técnica prestada pela Secretaria de Agricultura do Ceará e acompanhamento permanente de técnicos do Ministério da Integração Nacional.

Adel realiza oficina para mulheres no Baixo Acaraú

Nos dias 18 e 19 de março, Adriano Batista (diretor técnico) e Nonato Nunes (gerente de projeto), da Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel), ministraram oficinas sobre associativismo, cooperativismo e empreendedorismo, no distrito irrigado Baixo Acaraú, em Marco.

As oficinas são atividades do Projeto Agroindústria Rural Familiar das Mulheres do Baixo Acaraú, apoiado pelo Banco do Nordeste, e tem como objetivo capacitar o grupo de mulheres do distrito irrigado do Baixo Acaraú para a organização de uma associação e gestão da agroindústria familiar, produção e comercialização da produção. 
Durante as oficinas foram realizadas reflexões sobre as vantagens do trabalho cooperativo para o desenvolvimento econômico de pequenos grupos produtivos. Além da participação da Adel, o grupo recebeu a visita de Jeânia Rogério, Agente de Desenvolvimento do BNB.

Segundo Adriano Batista, esse projeto com o grupo de mulheres é uma experiência inovadora, que poderá fortalecer a economia local e melhorar as condições de vida do grupo. “Com o aprimoramento da produção e da comercialização a partir da cooperação entre os atores, as vantagens aumentam no empreendimento”, afirma ele.

Adel realiza oficina para mulheres no Baixo Acaraú

Nos dias 18 e 19 de março, Adriano Batista (diretor técnico) e Nonato Nunes (gerente de projeto), da Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel), ministraram oficinas sobre associativismo, cooperativismo e empreendedorismo, no distrito irrigado Baixo Acaraú, em Marco.

As oficinas são atividades do Projeto Agroindústria Rural Familiar das Mulheres do Baixo Acaraú, apoiado pelo Banco do Nordeste, e tem como objetivo capacitar o grupo de mulheres do distrito irrigado do Baixo Acaraú para a organização de uma associação e gestão da agroindústria familiar, produção e comercialização da produção. 
Durante as oficinas foram realizadas reflexões sobre as vantagens do trabalho cooperativo para o desenvolvimento econômico de pequenos grupos produtivos. Além da participação da Adel, o grupo recebeu a visita de Jeânia Rogério, Agente de Desenvolvimento do BNB.
Segundo Adriano Batista, esse projeto com o grupo de mulheres é uma experiência inovadora, que poderá fortalecer a economia local e melhorar as condições de vida do grupo. “Com o aprimoramento da produção e da comercialização a partir da cooperação entre os atores, as vantagens aumentam no empreendimento”, afirma ele.

Projeto da Adel é selecionado em edital do BNB

Foto: Diário do Nordeste
Com o projeto “Difusão de tecnologias de combate a desertificação e convivência com o semiárido”, a Adel é umas das entidades selecionadas no Edital do Programa de Apoio à Difusão e à Pesquisa de Tecnologias de Prevenção e Controle da Desertificação do Banco do Nordeste (BNB).
O projeto será desenvolvido junto a 50 (cinqüenta) agricultores familiares dos municípios de Pentecoste, Apuiarés e Tejuçuoca. As principais ações são: capacitação dos agricultores em agroecologia, associativismo, organização comunitária, economia solidária, manejo responsável e sustentável da água e solo, degradação das terras nas zonas áridas, semiáridas e subúmidas secas, uso indiscriminado de agrotóxicos nos sistemas produtivos de alimentos e incentivo ao uso de defensivos naturais no controle de pragas e doenças.
Durante o projeto também serão implantadas 15 (quinze) Unidades de Produção Familiar usando tecnologias agroecológicas e 01 (um) viveiro com capacidade de produção de 5.000 mudas (frutíferas, florestais e exóticas) para serem distribuídas e plantadas em áreas sujeitas à desertificação nos municípios do Médio Curu Cearense.
Como grande parte dos municípios do semiárido cearense, Pentecoste, Apuiarés e Tejuçuoca apresentam alguns dos principais indicadores de desertificação (altos índices de desmatamentos e queimadas; ocorrência de processos erosivos e salinização dos solos; escassez e diminuição progressiva de fontes e mananciais hídricos) afirma Wagner Gomes, diretor executivo da Adel. 

“Com o projeto pretendemos promover a organização dos agricultores familiares para tomada de consciência sobre a importância da relação do homem e o meio ambiente” complementa Wagner.

Para saber mais informações sobre o Edital de Apoio à Difusão e à Pesquisa de Tecnologias de Prevenção e Controle da Desertificação do Banco do Nordeste (BNB), acesse: http://www.bnb.gov.br/content/aplicacao/sobre_nordeste/fundeci/docs/resultado13_2010.pdf

Projeto da Adel é selecionado em edital do BNB

Foto: Diário do Nordeste
Com o projeto “Difusão de tecnologias de combate a desertificação e convivência com o semiárido”, a Adel é umas das entidades selecionadas no Edital do Programa de Apoio à Difusão e à Pesquisa de Tecnologias de Prevenção e Controle da Desertificação do Banco do Nordeste (BNB).
O projeto será desenvolvido junto a 50 (cinqüenta) agricultores familiares dos municípios de Pentecoste, Apuiarés e Tejuçuoca. As principais ações são: capacitação dos agricultores em agroecologia, associativismo, organização comunitária, economia solidária, manejo responsável e sustentável da água e solo, degradação das terras nas zonas áridas, semiáridas e subúmidas secas, uso indiscriminado de agrotóxicos nos sistemas produtivos de alimentos e incentivo ao uso de defensivos naturais no controle de pragas e doenças.
Durante o projeto também serão implantadas 15 (quinze) Unidades de Produção Familiar usando tecnologias agroecológicas e 01 (um) viveiro com capacidade de produção de 5.000 mudas (frutíferas, florestais e exóticas) para serem distribuídas e plantadas em áreas sujeitas à desertificação nos municípios do Médio Curu Cearense.
Como grande parte dos municípios do semiárido cearense, Pentecoste, Apuiarés e Tejuçuoca apresentam alguns dos principais indicadores de desertificação (altos índices de desmatamentos e queimadas; ocorrência de processos erosivos e salinização dos solos; escassez e diminuição progressiva de fontes e mananciais hídricos) afirma Wagner Gomes, diretor executivo da Adel. 

“Com o projeto pretendemos promover a organização dos agricultores familiares para tomada de consciência sobre a importância da relação do homem e o meio ambiente” complementa Wagner.

Para saber mais informações sobre o Edital de Apoio à Difusão e à Pesquisa de Tecnologias de Prevenção e Controle da Desertificação do Banco do Nordeste (BNB), acesse: http://www.bnb.gov.br/content/aplicacao/sobre_nordeste/fundeci/docs/resultado13_2010.pdf