Adel conclui Curso de Empreendedorismo e Gestão de Negócios

Na próxima semana (27/06 à 01/07), os jovens do Programa Jovem Empreendedor Rural participam do último módulo do Curso Empreendedorismo e Gestão de Negócios e apresentam aos pais, parceiros e comunidade seus Planos de Negócios.

O Plano de Negócio é um instrumento de gestão e marketing que faz parte da grade curricular do programa e que ao longo dos quatro meses do Curso os jovens são orientados e direcionados para escrevê-lo.

Após estudarem diversos eixos temáticos, como: Inovação, Gerenciamento de Riscos, Logística de Comercialização, Boas Práticas de Produção e Escala de Negócio, os jovens estão aptos a ingressar na segunda etapa do Programa, que é o acesso ao crédito para empreenderem.

A Adel acredita que esta segunda etapa do Programa é extremamente positiva. É o momento em que os jovens recebem apoio financeiro e assessoria técnica para colocar em prática suas ideias empreendedoras.


Durante o Curso, a equipe de formação da Adel e colaboradores externos discutem com os jovens a importância do planejamento e os desafios de empreender. Mirlânia Lima, graduanda em contabilidade, sócia e integrante do Conselho Administrativo da Adel, esteve nos dias 06 e 07/06, ministrando uma oficina sobre planejamento financeiro.

O planejamento financeiro é uma ferramenta de gestão muito útil para os jovens empreendedores, quando aplicada estrategicamente. Gabriela Brito, 21, que pretende abrir um salão de beleza em Matões, Caucaia, ressalta que a oficina esclareceu suas dúvidas sobre a viabilidade financeira do empreendimento.

“O plano de negócio foi algo que todos os jovens foram se apaixonando à medida que cada palavra era escrita, tínhamos muitas dúvidas a respeito. Para a maioria da turma era a parte mais complicada, mexer com número não é algo fácil, ainda mais quando esses números vão revelar o destino do seu negócio. A oficina nos mostrou que números, gráficos, tabelas e outros não eram nenhum bicho de sete cabeças”, enfatiza Gabriela

A conclusão desta etapa de formação do Programa é muito importante para os jovens e a produção do Plano de Negócio é um processo necessário para implementação dos empreendimentos rurais e para o acesso ao Fundo Veredas, estratégia da Adel para apoiar jovens empreendedores rurais.

Curso Empreendedorismo e Gestão de Negócios

O Curso Empreendedorismo e Gestão de Negócios, integra a primeira etapa do Programa Jovem Empreendedor Rural e tem uma carga horária de 720 horas aulas, cumpridas ao longo de 04 meses.

O curso é destinado aos jovens com idade entre 16 e 32 anos, que desejam abrir seu próprio negócio e permanecer no meio rural. Durante a formação os jovens aprendem sobre as características de um empreendedor, elaboram seus planos de negócios e discutem sobre a implantação de seu empreendimento.

Durante a formação, os jovens participam de um conjunto de oficinas e desenvolvem suas capacidades em áreas como associativismo, cooperativismo, protagonismo, lideranças, empreendedorismo, planejamento, administração rural, gestão, técnicas produtivas, alfabetização digital, comercialização, negócios rurais, microfinanças, agregação de valor, cadeias produtivas, sustentabilidade ambiental, governança e participação em redes, arranjos produtivos locais (APLs) e plano de negócio.

Este ano, a Adel ministrará duas turmas do Curso. A primeira encerra as atividades no dia 01 de julho e a segunda será selecionada nos próximos meses. O Programa Jovem Empreendedor Rural da Adel conta com o apoio do Instituto Carrefour, Manos Unidas, Instituto Oi Futuro, Fundação Interamericana, Fundo Caixa Socioambiental e Prefeitura Municipal de São Gonçalo do Amarante, e, com o patrocínio da Petrobras para realização do programa.

Meliponicultores do Vale do Curu participam de Intercâmbio

Membros do projeto Rede de Meliponicultores do Vale do Curu participaram no dia 17/06, do Intercâmbio de Meliponicultores no Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Ceará (UFC), em Fortaleza.

Em parceria com o Departamento de Zootecnia da UFC e a Rede Néctar do Sertão, a Adel promoveu a troca de saberes e aprendizagens entre jovens, agricultores familiares, grupos produtivos e pesquisadores da área.

Os participantes do intercâmbio visitaram o Setor de Abelhas e Polinização da Universidade e foram acompanhados pelo professor Breno Magalhães, pesquisador do Departamento de Zootecnia. Após cumprimentar e desejar boas vindas ao grupo, o Prof. Breno, juntamente com Jânio Felix e Epifânia de Macêdo, doutorandos em Zootecnia, apresentaram o trabalho do grupo de pesquisa.

Jânio Felix, Doutorando em Zootecnia, apresenta estudos realizados na UFC com abelhas nativas

As pesquisas com abelhas são desenvolvidas no Departamento de Zootecnia desde 1996, são relacionadas à diversas espécies de abelhas, tanto sociais como solitárias. Os trabalhos e estudos do grupo contextualizam a importância das diversas abelhas no equilíbrio do bioma da caatinga.

Segundo Jânio, as abelhas são responsáveis pela polinização da grande maioria das plantas silvestres cultivadas no planeta. Portanto, é necessário produzir mel de maneira sustentável. Trabalhar com técnicas modernas de manejo, modelos de caixas e outras estratégias de produção adaptadas para agricultura familiar, enfatizou Epifânia em conversa com os meliponicultores.

Epifânia Macêdo, Doutoranda em Zootecnia, apresenta o manejo, divisão e multiplicação de colônias de abelhas nativas

Além das instalações da UFC, os integrantes do intercâmbio visitaram no período da tarde, o Meliponário São Francisco, em Aquiraz. O Meliponário São Francisco conta com mais de 200 colmeias, sob a responsabilidade do Sr. Ximenes, integrante da Associação Cearense de Meliponicultores (ACMEL). A ACMEL tem como finalidade preservar a vida das abelhas sem ferrão e divulgar os processos de multiplicação e manejo racional das espécies.

Para Neto Ribeiro, articulador de Rede Néctar do Sertão, o intercâmbio dos meliponicultores oportunizou a troca de conhecimentos e inspirou os participantes. “Vê o que a UFC e o meliponário São Francisco tem feito para melhorar o trabalho do meliponicultor durante o manejo e os cuidados com as espécies, nos mostra como é importante estudar e aprender para potencializar essa atividade como negócio sustentável da agricultura familiar”.

O intercâmbio é uma das atividades do projeto Rede de Meliponicultores do Vale do Curu realizado pela Adel com o apoio do Instituto População e Natureza (ISPN) e em parceria com a Rede Néctar do Sertão.

Projeto Rede de Meliponicultores do Vale do Curu

O Projeto Rede de Meliponicultores do Vale do Curu é uma das ações do Programa Soluções Rurais da Adel e tem como objetivo contribuir para o fortalecer a rede de meliponicultores do Vale do Curu com práticas produtivas sustentáveis, a partir da consolidação da produção de mel de abelhas nativas.

Em parceria com a Rede Néctar do Sertão e apoio do Instituto População e Natureza (ISPN) a Adel tem investido na criação e fortalecimento de fundos rotativos solidários nas comunidades rurais de Pentecoste e Apuiarés.

Participantes do intercâmbio, Aurigele Alves, Diretora de Programas Adel, Jânio Felix e Epifânia Macêdo, doutorandos UFC


A Adel também promove a troca de saberes e aprendizagens entre jovens agricultores familiares, grupos produtivos e pesquisadores sobre a produção sustentável da abelha nativa no semiárido cearense.

Jovem realiza o sonho de ser empreendedora

O desejo de ser empreendedora sempre foi o sonho da jovem Maria das Luzes Castro Soares, 19, conhecida por todos como Romênia, primeiro nome que os pais haviam escolhidos antes do seu nascimento. Residente na comunidade de Núcleo B, Pentecoste, ela é a terceira filha do casal de agricultores Carlos Alberto e Maria da Conceição.

Seus pais contam que desde pequena, Romênia era muito autônoma para estudar e buscar seus objetivos. Quando criança “negociava” com os amigos os brinquedos e fazia bingos de doces. Na adolescência vendia cosméticos para adquirir seu próprio dinheiro.

Segundo D. Maria da Conceição, mãe de Romênia, a filha sempre gostava de assistir TV e brincar com os poucos amigos que tinha na comunidade. “Eram poucas crianças, pois a comunidade até então era muito pequena e havia poucas famílias”. Além dos desenhos, o outro passatempo da filha eram as notícias sobre o campo que assistia com o pai.

“Gostava de assistir desenhos, mas ficava encantada em ver aqueles programas de negócios, como o Globo Rural e o Pequenas Empresas e Grandes Negócios. Só eu e meu pai assistia, minha mãe e minhas irmãs não gostavam muito, e com o tempo fui ficando mais interessada com o que via, é muito legal você ganhar seu próprio dinheiro”, diz Romênia.

Romênia e o seu pai, Sr. Carlos Alberto
A primeira atividade empreendedora da jovem foi aos 12 anos. Na época fazia bingos de doces com os amigos. Romênia conta sorridente que esta brincadeira era muito legal. “Além dos doces que minha mãe fazia, eu também pegava coisas que ganhava ou comprava pra sortear e gerar mais dinheiro”.
No ano seguinte, Romênia começou a vender cosméticos em parceria com uma moradora da comunidade. Essa atividade aumentou a renda e também as aprendizagens. “Aprendi muito naquela época com a venda de cosméticos. Foram três anos de vendas, encerrei no primeiro ano do Ensino Médio porque descobri que minha parceira me enrolava (risos)”.
Após concluir o Ensino Médio, em 2013, Romênia ingressou no curso de Serviço Social e através dos amigos da faculdade soube da existência da Adel e do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER). De imediato ela não teve interesse de participar do Curso Empreendedorismo e Gestão de Negócios do PJER. Não sabia como conciliar a faculdade com outra formação, mas o estímulo da família e o sonho adormecido de empreender levou a jovem à participar da seleção e ingressar no Programa.
Romênia apresentando a produção de mamão

Para Romênia, a decisão de fazer os dois cursos ao mesmo tempo foi um desafio bastante válido. “Foi complicado participar da formação, mas valeu muito a pena cada semana que passei lá (Curso Empreendedorismo e Gestão de Negócios do PJER). O curso proporciona muitas atividades que estimula não só aprender a negociar ou gerenciar, mas também incentiva o lado social de empreender e que podemos ajudar não só a nossa família, mas também a comunidade”.

Mudanças

Após concluir o Curso Empreendedorismo e Gestão de Negócios, Romênia acessou uma linha de crédito do Fundo Veredas, estratégia da Adel para apoiar empreendimentos de jovens rurais no semiárido cearense. Ela investiu na produção de mamão, empreendimento agrícola que condiz com as condições climáticas da comunidade, e conta com a parceria do seu pai.

Durante o Curso Empreendedorismo e Gestão de Negócios Romênia identificou esta oportunidade e mesmo com os desafios de acesso à água ela não hesitou em começar o negócio. “Inicialmente não imaginava que iria se identificar com um negócio agrícola, mas depois de muito estudo enxerguei o mamão como uma atividade viável para minha propriedade. Estamos com dez meses de negócio iniciado e quatro meses de produção, a renda ainda é pequena mas já estamos escoando a produção”.

Romênia no seu empreendimento

Seu Carlos Alberto, pai e parceiro da filha no empreendimento, ressalta orgulhoso a decisão da jovem. “Minha filha é muito importante para mim, pois ela permaneceu próximo da família e de mim. Investiu em um negócio que eu ajudo e que beneficia toda a nossa família. Sou grato pelo curso e pela pessoa que ela se tornou”.

O empreendimento de Romênia tem pouco menos de um hectare e conta com 450 mamoeiros. Atualmente a produção é comercializada no Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) de Pentecoste, mas ela pretende alcançar novos mercados através da Caroá – Cooperativa de Jovens Empreendedores Rurais do território.

Romênia é uma das jovens beneficiadas pelo Programa Jovem Empreendedor Rural da Adel que conta este ano, com o apoio do Instituto Carrefour, Manos Unidas, Instituto Oi Futuro, Fundação Interamericana, Fundo Caixa Socioambiental e Prefeitura Municipal de São Gonçalo do Amarante, com o patrocínio da Petrobras.

Diretor de Relações Institucionais da Adel conduz Tocha Olímpica

Hoje (07/06) a chama olímpica está nas ruas do Ceará e será conduzida a partir das 10h53min, pelo co-fundador e Diretor de Relações Institucionais da Adel, Wagner Gomes. Ele participa do revezamento da Tocha Olímpica, em Aquiraz/CE.

O Diretor de Relações Institucionais da Adel foi um dos selecionados para o revezamento da Tocha Olímpica Rio 2016 organizado pela Nissan. A campanha de recrutamento “Quem se atreve” da Nissan mostra que atrevimento é uma atitude que faz parte dos jogos olímpicos e também do cotidiano dos brasileiros.

Wagner Gomes e os demais jovens, filhos de agricultores rurais de Pentecoste e Apuiarés, que criaram a Adel em 2007 são brasileiros “atrevidos” que estão dando uma Nova Cara ao Sertão. Os jovens que fundaram a Adel juntamente com Wagner, tiveram a atitude de inverter a lógica do processo de migração dos jovens rurais.

Time Adel
Eles decidiram, há oito anos, após cursar a graduação na capital do estado, Fortaleza, retornar para suas comunidades, empreenderem e contribuir com o desenvolvimento local. Inicialmente, eles trabalharam com agricultores familiares e em seguida, com jovens empreendedores rurais da região, que viram assim como eles que o Sertão é uma terra de oportunidades.

Através desta atitude, 630 jovens empreendedores rurais e 1.200 agricultores familiares de 10 municípios cearenses (Pentecoste, Apuiarés, Tejuçuoca, General Sampaio, São Gonçalo do Amarante, São Luís do Curu, Paracuru, Caucaia, Umirim e Itarema) são beneficiados com os projetos e programas da Adel.

A Adel é uma organização sem fins lucrativos, com sede em Pentecoste/CE, que tem como missão promover o desenvolvimento local de comunidades rurais através do empreendedorismo e do protagonismo social de jovens e agricultores.

Sobre o revezamento da Tocha Olímpica 2016

A tocha desembarcou primeiro em Brasília, no dia 3 de maio, vinda da cidade de Olímpia, na Grécia. O símbolo está seguindo um trajeto de 20 mil quilômetros por cerca de 500 cidades brasileiras até chegar ao Rio de Janeiro, sede dos jogos.

No Ceará, a primeira parada do símbolo olímpico aconteceu hoje (07/06) em Aracati, vinda do Rio Grande do Norte. Durante o dia, a tocha passa por Aquiraz e Fortaleza. Depois, o revezamento segue por Caucaia, Itapajé, Irauçuba, Forquilha e Sobral. No último dia (09/06), o revezamento encerra em Massapê, Granja, Camocim e Barroquinha.

Até agosto, 327 cidades brasileiras serão contempladas, passando pelas mãos de 12 mil condutores até chegar ao Estádio Maracanã, local onde será acesa a Pira Olímpica e celebrada a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.