Jovem empreende e é referência na comunidade

jovem

Francisco Heitor Vieira, 25, nasceu e cresceu na comunidade de Xixá, Pentecoste. É o caçula de cinco irmãos e aprendeu desde pequeno a lidar com a terra com os pais, Antônio Sinval e Maria Vieira. Filho de agricultores, ele e os irmãos sempre trabalharam na agricultura.

Aos vinte anos, quando concluiu o Ensino Médio, Heitor ficou dois anos apenas ajudando sua família e fazia alguns cursos no município. Um deles, o de recepcionista, o qual não se identificou, e que lhe fez seguir a dica de um amigo de procurar o Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) da Adel.

Tímido, logo no início do Curso de Empreendedorismo e Gestão de Negócios, imaginou que teria muitos desafios para empreender. Entretanto, ao longo da formação percebeu que o curso ampliava sua atuação na comunidade e lhe motivava a ajudar outras pessoas. “Nunca pensei em ser um jovem ativo na minha comunidade, sempre fui inibido, agora sou visto por todos como um empreendedor, uma referência, principalmente pela minha família”.

Antes de ingressar no PJER, Heitor também trabalhava para outros produtores colhendo pimenta. Ele conta que ganhava muito pouco e mesmo o pai produzindo coco e a mãe sendo aposentada, tinha a necessidade de ter uma renda melhor. Algo que lhe trouxesse segurança e permitisse concretizar seus sonhos – um deles o de cursar uma faculdade.

Heitor (ao centro)  com os pais Antônio Sinval e Maria Vieira

Heitor (ao centro) com os pais Antônio Sinval e Maria Vieira

 

Em 2014, quando ele concluiu a formação empreendedora na Adel, planejou realizar na propriedade da família um aviário. Pela análise do mercado e condições climáticas da região, viu que a avicultura poderia ser um bom investimento. Com o apoio do Fundo Veredas da Adel fez dois aviários, comprou pintos, insumos e investiu no seu negócio intitulado “Frango histórico”.

Após quatro meses começou a fornecer frango para moradores da comunidade, mercearias e para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) de Pentecoste. Sua renda triplicou e, recentemente, ele ingressou no Curso de Administração para melhor gerir o seu negócio.

Heitor conta que o Programa não lhe proporcionou somente ter o próprio negócio, mas a liberdade e autonomia para fazer o que gosta. “Mudou muito as coisas lá em casa neste dois anos, agora tenho autonomia financeira, não muito, mas posso comprar minha própria roupa, sair com os amigos, e o melhor de tudo, pagar minha faculdade, isso me deixa muito feliz e corajoso”.
Heitor com o pai no aviário

Heitor com o pai no aviário

D. Maria Vieira, mãe do jovem afirma que ele é mais ativo e tornou-se referência na comunidade. “Meu filho mudou muito, fico feliz de vê-lo participar de atividades na comunidade e está trilhando o próprio caminho, sou muito grata a todos que o ajudaram”.

Perspectivas

No futuro, Heitor pretende comprar um maquinário para fazer a ração na propriedade, aumentar a produção de frango para atender melhor o mercado local e comercializar os produtos através da Caroá – Cooperativa de Jovens Empreendedores Rurais, que ele e outros jovens do território estão articulando.

Heitor acredita que através da faculdade, do apoio da família, da Adel e da Cooperativa possa ser referência na área. “Quero ser um dos maiores produtores da região, quero construir mais espaços na minha propriedade que fortaleça o negócio. Minha família e a Adel já tem me ajudado muito e agora tem a Cooperativa que veio somar com meu sonho”.

Heitor com os pais Antônio Sinval e Maria Vieira

Heitor com os pais Antônio Sinval e Maria Vieira

Heitor é um dos jovens beneficiados pelo Programa Jovem Empreendedor Rural da Adel que conta este ano, com o apoio do Instituto Carrefour, Manos Unidas, Instituto Oi Futuro, Fundação Interamericana, Fundo Caixa Socioambiental e Prefeitura Municipal de São Gonçalo do Amarante.

Beco Cultural realiza Sarau em Apuiarés

beco-cultural

No próximo domingo (28/08), às 19h, o Beco Cultural, iniciativa vencedora do Prêmio de Inovação Comunitária da BrazilFoundation e apoiada pela Adel, realiza Sarau Cultural em Apuiarés/CE. O encontro reúne diversos artistas e celebra os três anos de existência do grupo.

Em 2013, o jovem Beto Cruz concluía sua graduação em Pedagogia na Universidade Federal do Ceará (UFC) e retornava para Apuiarés trazendo na bagagem além do diploma, conhecimentos que seriam partilhados com a comunidade. Ao reencontrar o amigo Erandi Muniz, os dois começaram a fabular sobre seus sonhos e tiveram a ideia de criar o Beco, um espaço cultural e educativo, que oferece atividades pedagógicas e culturais, tais como, teatro, reforço escolar, roda de leitura, artes manuais, música, entre outras linguagens para as crianças e os jovens.

A ausência de um espaço para os artistas locais divulgarem o seu trabalho foi uma das motivações para criação do projeto. Também a lacuna no aprendizado dos estudantes da rede pública de ensino de Apuiarés impulsionou a dupla. “Boa parte das crianças e adolescentes não aprendem a ler nas séries iniciais. Fui percebendo essa carência no aprendizado das crianças e assim fomos idealizando as ações do Beco. De repente, a garagem e o beco da casa dos meus pais foram ocupados pela meninada e começamos a fazer arte e cultura juntos”, conta Beto.

O artista e co-fundador do Beco Cultural Erandi Muniz com as crianças

O artista e co-fundador do Beco Cultural Erandi Muniz com as crianças

Com o apoio do Prêmio, as ações do Beco Cultural foram expandidas para duas comunidades do município – Canafístula e Monte Alverne e cerca de 250 crianças, adolescentes e jovens passaram a ser atendidos diretamente. Atualmente, o grupo promove aulas de violão; curso de inglês; teatro; recreação; projetos de leitura e eventos culturais.Desse modo, o que iniciou de maneira espontânea com aulas de reforço e contação de histórias para a meninada, tornou-se um espaço cultural ativo na cidade. Hoje o Beco Cultural reúne artistas e realiza diversas oficinas e eventos culturais. Este ano, o grupo inscreveu-se no Prêmio de Inovação Comunitária da BrazilFoundation, recebeu apoio da Adel e ficou entre as cinco melhores iniciativas do Brasil.

Crianças no espetáculo de fantoches sobre os cuidados com a zica

Crianças no espetáculo de fantoches sobre os cuidados com a zica

O Sarau Cultural, no próximo domingo, vai reunir a comunidade para festejar os três anos do Beco Cultural com a participação de diversos artistas. Será uma noite festiva e na ocasião, a Adel e BrazilFoundation entregarão de maneira simbólica o Prêmio de Inovação Comunitária conquistado pelo grupo. Haverá apresentações de grupos de teatro, músicas, contos nordestinos, recital de poesias e exposição de arte.Beto Cruz, co-fundador do projeto, relata a alegria de construir através da arte outras possibilidades de viver. “Estou muito feliz com a culminância das nossas ações, pois sabemos que não é fácil promover cultura. É perceptível a alegria das crianças, dos jovens e do público em geral. Espero dar continuidade as nossas ações expandido para outros municípios, pois vejo a arte como um caminho rico para nossas crianças e jovens”.

Prêmio de Inovação Comunitária

A BrazilFoundation lançou em outubro de 2015 o Prêmio de Inovação Comunitária para apoiar iniciativas informais em parceria com diversas organizações madrinhas no Brasil. A Adel foi uma das organizações madrinhas e o Beco Cultural esteve entre as 75 iniciativas que receberam apoio dentre 144 inscrições.

Com o apoio financeiro de 5 mil reais e mentoria da Adel o Beco Cultural investiu na restauração do espaço do projeto, comprou equipamentos e elaborou materiais para oficinas. Em seguida, eles foram escolhidos por uma banca composta por doadores e equipe da BrazilFoundation entre os 24 finalistas do Prêmio.

Grupo de teatro, após apresentação no Beco Cultural

Grupo de teatro, após apresentação no Beco Cultural

 

Nessa etapa, eles foram escolhidos por meio de votação popular uma das cinco melhores iniciativas do Brasil. Além da visibilidade do projeto, eles receberam renovação do apoio de R$ 5 mil reais e mentoria da Adel para os próximos seis meses.

Evilene Abreu, Diretora de Comunicação da Adel, destaca que é inspirador para Adel apoiar iniciativas como o Beco Cultural. “Ao valorizar a cultura e a arte local estamos criando outras possibilidades de agir e de promover o desenvolvimento local. Quando oportunizamos que as crianças e jovens tenham acesso a educação, a arte e a cultura estamos fazendo ações que vão reverberar positivamente na vida das pessoas e das comunidades”.

Equipe do Fundo Veredas analisa Projetos de Negócios

veredas

Jovens egressos do Curso Empreendedorismo e Gestão de Negócios

Ontem (17/08), a equipe do Fundo Veredas iniciou a análise dos Projetos de Negócios dos jovens empreendedores rurais que participaram do Curso Empreendedorismo e Gestão de Negócios da Adel no último semestre.

Quinze jovens de seis municípios cearenses – São Gonçalo do Amarante, Caucaia, Umirim, Paracuru e Apuiarés, apresentaram seus Projetos de Negócios ao Fundo Veredas com o intuito de obter apoio financeiro para implantar suas ideias na comunidade.

Após a análise da equipe, que segue até amanhã (19/08), e é composta pela apreciação técnica do Projeto de Negócio e o aval da vizinhança, será realizado a pactuação com os jovens nos dias 24 e 25/08, na sede da Adel em Pentecoste e no Centro de Formação do Jovem Empreendedor Rural em Sororoca, São Gonçalo do Amarante, respectivamente.

Raquel Ferreira, Coordenadora do Fundo Veredas, ressalta que esta etapa é fundamental para implementação dos empreendimentos. “Os jovens que buscam o Fundo Veredas nos mostram o quanto desejam fazer a diferença em suas comunidades. Ao preencher a ficha deles percebemos de fato que eles querem dar novos passos para realizar seus sonhos e se tornar empreendedores”.

A Adel entende que o aval da vizinhança é essencial na análise dos projetos. O apoio da comunidade e família é fundamental para os jovens vencer os desafios que surgirão na implementação dos seus empreendimentos.

Raquel Ferreira (Coordenadora do Fundo Veredas) e Marcosuel Bastos (Agente de Crédito)

Raquel Ferreira (Coordenadora do Fundo Veredas) e Marcosuel Bastos (Agente de Crédito)

Acesso ao Fundo Veredas 
O Fundo Veredas é uma estratégia da Adel para apoiar a abertura e o desenvolvimento de empreendimentos de jovens empreendedores rurais, com o intuito de promover a inclusão socioprodutiva de jovens e contribuir para o desenvolvimento local.

Atualmente, os recursos do Fundo Veredas são destinados aos jovens com idade entre 18 e 32 anos, com residência em um dos municípios de atuação da Adel; e, egressos do Curso Empreendedorismo e Gestão de Negócios promovido pelo Programa Jovem Empreendedor Rural da Adel.

Ao participar do Curso Empreendedorismo e Gestão de Negócios os jovens são motivados a elaborarem seus Projetos de Negócios e colocar em prática suas ideias empreendedoras. Mas, muitos jovens apresentam como desafio a falta de recursos financeiros para investir no empreendimento.

Raquel Ferreira (Coordenadora Fundo Veredas) e as jovens Juvelina Xavier e Gabriella Brito (da esquerda para direita)

Raquel Ferreira (Coordenadora Fundo Veredas) e as jovens Juvelina Xavier e Gabriella Brito (da esquerda para direita)

Desse modo, o Fundo Veredas viabiliza a continuidade dos jovens no Programa Jovem Empreendedor Rural possibilitando o acesso aos recursos financeiros e assessoria aos empreendimentos.

Segundo o Diretor Executivo da Adel, Adriano Batista, o Fundo Veredas possibilita que a juventude rural coloque suas ideias em prática. “O Fundo Veredas impacta positivamente a vida de um jovem que tem uma ideia, elaborou um projeto de negócio, precisa e desejar pôr em prática. Através do acesso ao crédito, nós reforçamos para os jovens que acreditamos no seu potencial e queremos contribuir efetivamente para o desenvolvimento econômico local do nosso território”.

Jovens beneficiados

O acesso ao crédito é na maioria das vezes, o ponto de partida para realização dos sonhos de muitos jovens beneficiados pelo Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER). A formação direciona na escolha e na sistematização de ideias para abrir o negócio dos mesmos e o crédito ajuda na concretização destes planos.

Através do Fundo Veredas, cerca de 140 jovens do Território implentaram projetos e novos empreendedores já sonham em colocar em prática sua ideia. A jovem Brena Késia, 26, mora em Umirim e pretende criar uma panificadora. “Estou bastante ansiosa para acessar o crédito e investir, é uma oportunidade que estava buscando para melhorar minha vida”.

Raquel Ferreira (Coordenadora Fundo Veredas) e o jovem Ricardo Rodrigues

Raquel Ferreira (Coordenadora Fundo Veredas) e o jovem Ricardo Rodrigues

O jovem Ricardo Rodrigues, 25, da comunidade de Catuana, Caucaia, pretende ampliar sua venda de frutas através do acesso ao Fundo Veredas. “Acessar o crédito do Fundo Veredas irá me colocar dentro do mundo dos negócios, enxerguei isso na formação e agora quero colocar em prática e desenvolver ainda mais”.

Este ano, a Adel pretende através do Fundo Veredas beneficiar mais 60 jovens do Território e possibilitar com o apoio dos parceiros o surgimento de novos negócios. A Adel conta com o apoio do Instituto Carrefour, Manos Unidas, Instituto Oi Futuro, Fundação Interamericana e Fundo Caixa Socioambiental para execução desta estratégia.

Jovem empreende na área de computação

dsc7665

José Rafael Marques da Silva, 23, reside na sede de Pentecoste, é filho de Maria José e José Rosanio, e o mais velho de três irmãos. Desde pequeno demostrava curiosidade por tecnologia e em consertar objetos em casa.

Seu pai Rosanio é marceneiro e Rafael desde criança acompanhava o pai no trabalho. Aos dez anos, o jovem já fabricava brinquedos de madeira para brincar e auxiliava na construção de móveis e carrocerias para vender na comunidade.

Sua mãe, D. Maria sempre trabalhou nas atividades do lar e cuidando dos filhos. Ela conta que Rafael desde pequeno era muito curioso e ousado, isso lhe afligia às vezes. “Encontrava ele mexendo nas tomadas com defeitos, ventiladores e celulares, tinha medo dele levar um choque ou algo parecido, não dava muita credibilidade, mas às vezes ele conseguia consertar (risos).

Dedicado, Rafael destacava-se no colégio e segundo seus pais os professores sempre elogiavam a participação do filho. “Era nítido o esforço dele em aprender, muitas atividades escolares ele se destacava, nas feiras de ciências ganhava muita visibilidade diante da sua criatividade”, afirma D. Maria.

Rafael Marques, D. Maria, sua mãe, e suas irmãs Ranielly e Rafaely (da direita para esquerda)

Rafael Marques, D. Maria, sua mãe, e suas irmãs Ranielly e Rafaely (da direita para esquerda)

Aos doze anos, Rafael deixou de auxiliar o pai na marcenaria e foi trabalhar em uma sorveteria. De lá para cá, não parou mais. Trabalhou como carpinteiro, em lanchonete, fábrica de sapato, lojas de suplemento animal e com manutenção de celular.

Com a conclusão do Ensino Médio e após trabalhar em diversas áreas, ele decidiu fazer um curso técnico. Tinha interesse pelas áreas de eletrônica e informática, e aos dezessete anos fez um curso de manutenção de computadores em Pentecoste.

Novos planos

O curso de manutenção de computadores foi por um curto período (dois meses), mas Rafael logo começou a prestar serviços na fábrica da cidade e fazer “bicos” na área de eletrônica e informática. Nesse período, uma amiga convidou Rafael para participar do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) da Adel.

Ele conta que logo enxergou a possibilidade de se capacitar e investir em um negócio próprio. “Como fazia muitas atividades e tinha dificuldade de conciliar com um trabalho formal, eu senti a necessidade de ter algo próprio”.

Rafael Marques em seu laboratório

Rafael Marques em seu laboratório

Rafael relata que fazer parte do Programa Jovem Empreendedor Rural é uma experiência única. “Aprendi muito em como gerir um negócio, me tornei mais desinibido, fiz novas amizades e compreendi a importância do trabalho em equipe e de se capacitar sempre se mantendo atualizado. Foi muito bom o que vivi durante a formação do Programa”.

Após seis meses no Programa Jovem Empreendedor (PJER), o jovem decidiu elaborar um projeto de negócio na área de computação e eletrônica. “Sonhava em ter minha própria loja, atender os clientes em Pentecoste. Mas, eu não tinha noção de preço, não conhecia o mercado, porque ainda é muito fechado”.

Devido à falta de conhecimentos na área e condições financeiras, o sonho de Rafael foi prorrogado por alguns dias. Durante um ano e meio ele morou na capital do Estado e começou a trabalhar no CEPEP – Centro de Estudo e Pesquisa em Educação Profissional, onde fazia a manutenção dos computadores.

Rafael Marques fazendo a manutenção dos equipamentos

Rafael Marques fazendo a manutenção dos equipamentos

 

Neste período, Rafael uniu a necessidade de ter uma renda com o desejo de aprender. “Aprendi muito no CEPEP, havia muitos profissionais na instituição que me auxiliava nas dificuldades e dúvidas, pessoas que fortaleceram meu conhecimento teórico e prático. Sem falar que fiz muitas amizades que viriam me ajudar futuramente no meu negócio, sou muito grato o que vivi lá”, enfatiza.

A vivência em Fortaleza, longe da família, lhe trouxe também muitas responsabilidades. “Morando sozinho, eu amadureci muito e aprendi a resolver percalços profissionais e pessoais. No início, tinha um amigo que dividia as despesas comigo, mas quando ele saiu, eu me dei conta que o que ganhava no trabalho não dava nem para pagar contas. Então ai eu percebi que era o momento de voltar para casa e retomar meu projeto”.

Concretizando sonhos

Aos 22 anos, Rafael retornou à Pentecoste, com a ideia de concretizar o seu projeto. Com suas economias e o apoio dos pais ele viu que seria viável montar a sua loja – World of Harckers. Juntos reformaram a casa da família e compraram equipamentos e utensílios necessários para abrir o negócio.

Rafael Marques em sua loja, na sede de Pentecoste

Rafael Marques em sua loja, na sede de Pentecoste

A World of Harckers fica na casa da família do jovem, em Pentecoste. No momento, o quarto de Rafael é também seu laboratório de trabalho e a varanda da casa a recepção.
Com a finalidade de reduzir custos e preservar o meio ambiente, Rafael reaproveitou algumas peças de computadores. Ele transformou as telas de notebook em luminárias para a bancada e as fontes e peças de aparelhos elétricos reutiliza de forma estratégica e útil para as suas atividades.Além da infraestrutura e equipamentos, Rafael investiu em Marketing e Comunicação. Observando a necessidade de comunicar e mostrar para os futuros clientes a existência do seu negócio, idealizou o nome do empreendimento e contratou uma agência de comunicação para produzir sua identidade visual.

Rafael Marques recebendo os clientes na loja

Rafael Marques recebendo os clientes na loja

Após concretizar o sonho de ter sua própria loja, Rafael já faz novos planos. “Tem vários equipamentos que quero comprar e também fazer o restante da reforma da loja. Estou planejando acessar uma linha de crédito do Fundo Veredas da Adel para ampliar meu negócio”.Atualmente, a loja tem clientes fixos e a rentabilidade varia de acordo com o mês. “Tem mês que tenho muitas demandas, mas outros que apenas bicos. A crise realmente afetou todo mundo, tenho muitos computadores consertados que estão há semanas a espera de seus donos”.

A ousadia de Rafael e sua gratidão a todos que colaboram com a realização de seus sonhos é imensa. “Agradeço em primeiro lugar a minha família que sempre me apoiou, meus amigos, que nos momentos de angústias, foram muitas dificuldades e sem eles não teria conseguido, também a Adel através do apoio e formação, aprendi bastante e isso é muito significativo”.

Rafael é um dos jovens beneficiados pelo Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) que está dando uma Nova Cara ao Sertão. Ele encontrou na área de computação uma oportunidade para empreender e contribuir com o desenvolvimento do município.

Adel divulga Nota Técnica sobre Eleições 2016

eleicoes

NOTA TÉCNICA DA AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL SOBRE PROCESSOS ELEITORAIS

A Agência de Desenvolvimento Econômico Local – Adel vem, respeitosamente, apresentar nota técnica aos parceiros, apoiadores e públicos beneficiários acerca do seu posicionamento sobre os processos eleitorais.

De acordo com o Regimento Interno da Adel, a instituição não adotará qualquer tipo de posição partidária e não participará, de nenhum modo, de processos eleitorais na administração pública, o que inclui o fato de estar vedado o apoio, de qualquer tipo que seja, a candidatos e partidos em qualquer pleito a ser realizado.

Salienta-se, desde logo, que a Adel manterá diálogo pacífico e propositivo com atores políticos, econômicos, sociais e culturais relevantes e estratégicos em seus ambientes de atuação, com absoluta neutralidade partidária e sem nenhum tipo de discriminação político-ideológica, sempre tendo como principal alvo e propósito o cumprimento de sua missão institucional.

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2016

Nas eleições municipais de 2016, que elegerão no dia 2 de outubro, em todo o país, prefeitos e vereadores, a Adel não adotará qualquer tipo de posição partidária e não participará de nenhum modo, dos processos eleitorais. Todavia, a mesma não participará de nenhum evento de cunho político partidário, bem como não convidará nenhum candidato ou aliado para participar de suas atividades, no período de 60 dias que antecede as eleições municipais.

Do exposto, posiciona-se que a Adel manterá o diálogo com as instituições públicas e que após as eleições municipais, as atividades e projetos em andamento seguirão o seu curso, bem como novos diálogos e parcerias poderão surgir neste âmbito.

5º Encontro da Rede Jovens Empreendedores Rurais

encontro

Na última sexta-feira (29/07), a Adel realizou o 5º Encontro da Rede Jovens Empreendedores Rurais no auditório da EEEP Alan Pinho Tabosa, em Pentecoste/CE. Cerca de noventa jovens de nove municípios do Estado do Ceará estiveram no evento.

O Encontro reuniu jovens que participam do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) da Adel desde 2009 para debater o tema – “Ecossistema Empreendedor: Desafios e Oportunidades no Território”.

O evento possibilitou a interação entre os jovens empreendedores e o fortalecimento da Rede. Um espaço para a juventude rural discutir suas inquietações e qual o tipo de desenvolvimento deseja para o território.

Adriano Batista, Diretor Executivo da Adel, deseja boas vindas aos jovens
Durante o evento os jovens participaram de um painel, palestra, oficinas e atividades culturais. No período da manhã, aconteceu o Painel: Quais as motivações para os jovens empreenderem?, mediado por Pâmela Gaino, ativista e empreendedora social, com atuação na área de juventude, empreendedorismo e educação.


O Painel Quais as motivações para os jovens empreenderem? contou com a participação de quatro jovens do território que compartilharam suas histórias de vida. Rafael Marques, 22; Gabriela Marques, 21; Benedito Barbosa, 21; e, Rayssa Duarte, 24; além de serem jovens beneficiados da Adel e empreendedores, têm em comum o desejo de permanecer no território e serem agentes de desenvolvimento local.

Pâmela Gaino (mediadora), Gabriela Brito, Rayssa Duarte, Benedito Barbosa e Rafael Marques (da direita para esquerda) – participantes do Painel: Quais as motivações para os jovens empreenderem?

Benedito Barbosa, conta que o que lhe motivou a empreender foi “enxergar um negócio, uma oportunidade na minha própria comunidade porque eu não quero sair do meu território”. A Designer de Moda Rayssa, 24, acredita que empreender é reinventar sempre. Atualmente, está empreendendo na Caroá – Cooperativa de Jovens Empreendedores Rurais, uma ideia coletiva dos jovens do território para comercializar os produtos a um preço justo para os jovens e consumidores.

Ecossistema Empreendedor

Ainda no período da manhã, o Diretor de Desenvolvimento da Adel, Glaucio Gomes, ministrou a Palestra – Ecossistema Empreendedor: Desafios e Oportunidades. Com experiência e atuação na área de Gestão do Desenvolvimento, ele discutiu com a juventude rural as perspectivas do território.

Gláucio ressaltou a visão da Adel para o desenvolvimento do Território e a importância da Rede de Jovens Empreendedores Rurais. “Essa rede crescendo, se fortalecendo e fazendo coisas juntas é tão ou mais importante do que todo o processo anterior a ela, pois empreender é uma atitude de aproveitar o que você tem de recursos e oportunidades onde você está pra gerar mudanças”.

Gláucio Gomes, Diretor de Desenvolvimento Adel

 

A Adel acredita que a Rede de Jovens Empreendedores Rurais possibilita uma maior comunicação e interação entre os sujeitos do território. A troca de saberes, as experiências empreendedoras, as oportunidades e os desafios vistos no coletivo serão mais fáceis de serem solucionados.

Adriano Batista, co-fundador e Diretor Executivo da Adel ressalta que somente de forma endógena alcançaremos o desenvolvimento do território. “Nós acreditamos que com a participação dos jovens e agricultores é possível empreender e fortalecer a economia local. E enxergamos nos próximos anos, que as pessoas estarão colaborando umas com as outras e utilizando o empreendedorismo para o seu crescimento pessoal e principalmente da sua comunidade”.

Jovens na palestra Ecossistema Empreendedor: Desafios e Oportunidades








Rede de Jovens Empreendedores Rurais 
A Rede de Jovens Empreendedores Rurais é uma iniciativa dos jovens empreendedores rurais que participam do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER), desenvolvido pela Adel.

A Rede mobiliza e engaja jovens de comunidades rurais em uma experiência de compartilhamento, cooperação, troca e aprendizagem. Atualmente 222 jovens participam da Rede e diariamente interagem entre si em um grupo virtual.

Thais Oliveira e Jackeline Soares (da direita para esquerda) fazendo uma apresentação musical no evento
O 5º Encontro da Rede de Jovens Empreendedores Rurais foi realizado pela Adel com o apoio do Instituto Carrefour, Manos Unidas, Instituto Oi Futuro, Fundação Interamericana, Fundo Caixa Socioambiental, Prefeitura Municipal de São Gonçalo do Amarante e EEEP Alan Pinho Tabosa.