Adel inaugura primeiro meliponário no território

_dsc2027Na próxima quarta-feira (07/12), a Adel inaugura um meliponário modelo na comunidade de Lagoa das Pedras, Apuiarés/CE. A atividade faz parte do Projeto Rede de Meliponicultores do Vale do Curu e será destinado ao cultivo de mel de abelhas sem ferrão.

O meliponário foi construído em parceria com a Rede Néctar do Sertão e a Associação dos Criadores de Abelhas de Lagoa das Pedras. Atualmente, a Rede Néctar do Sertão conta com quarenta e cinco produtores de seis comunidades, Lagoa da Pedras, Vila Soares, Sítio do Meio, Boa Vista, Riacho do Paulo e Monte Alverne, de dois municípios do território, Apuiarés e Pentecoste.

A perspectiva é que o meliponário possa ser um espaço de produção, aprendizagens e trocas de conhecimentos. Como os meliponicultores estão organizados em Rede acredita que será possível gerir de maneira sustentável o espaço e fortalecer a atividade no território seguindo três diretrizes: a preocupação ambiental, social e econômica.

O principal intuito é atender os produtores locais e realizar estudos sobre a meliponicultura. Inicialmente será priorizado a produção de mel, o próximo passo é utilizar as abelhas para polinização de plantas nativas e agrícolas, com foco na preservação, conservação e promoção do desenvolvimento sustentável.

_dsc2036

Everardo Alves (ao centro) visitando o meliponário em construção

Everardo Alves, meliponicultor e um grande observador das abelhas sem ferrão manifesta sua satisfação pela construção do meliponário. “É um sonho pra mim vê essa atividade se consolidar no território. Abandonei outros tipos de produção na minha propriedade e não me arrependo. Sei que é possível ter uma renda digna, preservando a nossa caatinga”.

Durante o dia da inauguração será realizado um encontro com todos meliponicultores que fazem parte da Rede Néctar do Sertão e a oficina “Boas Práticas na Colheita – maturação e conservação do mel de abelha sem ferrão”. A oficina será ministrada pelo por Jânio Felix, doutorando em Zootecnia na Universidade Federal do Ceará (UFC) , sócio da Associação Cearense de Meliponicultura (ACMEL) e pesquisador na área de meliponicultura há mais de seis anos.

O meliponário terá capacidade para comportar entre 150 e 200 caixas colonizadas, e servirá de fonte para desenvolver pesquisas de cunho científico, através de parcerias com universidades e institutos federais, inspiração para projetos de educação ambiental juntamente com escolas da região e o mais importante, buscar a preservação de uma das espécies de abelha mais importantes da caatinga.

Esse meliponário é mais um passo importante para criação de abelhas nativas na região, aonde o mesmo servirá de modelo para outros que virão, não só em estrutura mais também no seu modelo de gerenciamento participativo, estou muito feliz de estar participando desse momento tão importante para a meliponicultura do estado do Ceará. 

Projeto Rede de Meliponicultores do Vale do Curu

O Projeto Rede de Meliponicultores do Vale do Curu é uma das ações do Programa Soluções Rurais da Adel e tem como objetivo contribuir para o fortalecimento da Rede de Meliponicultores do território através de práticas produtivas sustentáveis e da consolidação da produção de mel de abelhas nativas.

A iniciativa faz parte das ações da Adel em parceria com a Rede Néctar do Sertão e busca fortalecer a cadeia produtiva do mel de forma agroecológica no Vale do Curu. Através da articulação dos meliponicultores e apoio da Adel são instalados fundos rotativos comunitários que auxiliam na estruturação da cadeia produtiva e ampliam as técnicas de produção agroecológica.

Este projeto conta com o apoio do Instituto População e Natureza (ISPN) e tem investido na criação e fortalecimento de fundos rotativos solidários nas comunidades rurais de Pentecoste e Apuiarés.

Adel divulga resultado da seleção do PJER

_dsc9011Após análise das fichas de inscrições e visita as famílias dos jovens que se inscreveram para o Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) a Adel divulga a lista dos jovens selecionados.

No total, foram 105 jovens que se inscreveram para o Programa, 51 mulheres e 54 homens de nove municípios do Território – São Gonçalo do Amarante, Pentecoste, Paracuru, Umirim, Caucaia, São Luís do Curu, Tejuçuoca, General Sampaio e Apuiarés.

Destes, 70 foram aprovados na primeira etapa de seleção do PJER. Após visita aos jovens e seus familiares 35 vão compor a nova turma de jovens empreendedores do território. Eles veem no PJER a oportunidade para colocar suas ideias em prática, empreenderem e conquistar sua autonomia financeira.

A seleção para nova turma do PJER iniciou em setembro e encerrou hoje (18/11). O processo seletivo aconteceu em duas etapas e de maneira extensa. Na primeira etapa, foram analisadas por meio da ficha de inscrição o perfil de cada jovem. Na segunda etapa, a equipe da Adel visitou a propriedade do jovem para conhecer a família e as potencialidades e dificuldades de cada participante para empreender.

Segundo Tales Rilton, Assessor de Formação do Programa, as visitas foram essenciais para compreender as ideias de cada jovem. “Nas visitas a gente observou quais as ideias de negócios dos jovens e porque eles resolverem empreender, atentando para os desafios de cada empreendimento e levando em consideração o contexto socioeconômico no qual a comunidade está inserida”.

whatsapp-image-2016-11-08-at-16-16-08

Visitas as famílias, Sítio do Meio, Pentecoste/CE

As visitas as famílias ainda no período de seleção do Programa é uma ação pioneira do Programa que trouxe resultados bastante positivos. Através do contato com as famílias foi possível apresentar aos pais o trabalho da Adel e os impactos do Programa no território.

A seleção dos jovens é uma etapa bastante importante para o Programa. Nesta etapa, a Adel percebe quais são as demandas dos jovens do território e identifica os possíveis empreendedores que podem contribuir com o desenvolvimento de suas comunidades.

Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER)

O Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) é desenvolvido pela Adel desde 2009, e cria oportunidades para o desenvolvimento de empreendimentos de jovens empreendedores rurais.

Ele consiste na aliança entre 04 (quatro) componentes, considerados essenciais para que os empreendedores encontrem condições adequadas e favoráveis para sua atuação: acesso a conhecimento, crédito orientado, apoio no fortalecimento organizativo e acesso a tecnologias.

O acesso a conhecimento, primeiro componente do PJER, é apresentado aos jovens por meio do Curso Empreendedorismo e Gestão de Negócios. O Curso é composto por oficinas, tutoria e encontros focais com os jovens.

No primeiro momento, os jovens são convidados a participar da aula inaugural no dia (28/11) e ficam uma semana imerso no Centro de Formação do Jovem Empreendedor Rural na comunidade de Sororoca em São Gonçalo do Amarante.

Nesta primeira semana eles estudam temas sobre empreendedorismo, desenvolvimento local e projeto de negócio. Posteriormente, eles participam de tutorias, encontros focais e oficinas elegíveis para aprofundar os conhecimentos em determinados temas.

O PJER conta com o apoio do Instituto Carrefour, Fundação Interamericana, Instituto Oi Futuro, Manos Unidas, Prefeitura Municipal de São Gonçalo do Amarante e Fundo Socioambiental Caixa.

Confira a lista dos jovens selecionados para a nova turma do PJER: http://migre.me/vwRel

Jovem investe em negócio familiar e alcança novos mercados

_dsc1034-diedoDiego Ferreira Borges, 23, integrante do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) tem uma história diferente da maioria dos colegas que ele encontrou no Curso Empreendedorismo e Gestão de Negócios do Programa.

Natural de Fortaleza, único filho homem de três irmãos, migrou para o município de Paracuru, no interior do Estado do Ceará há três anos. Sua vinda para Paracuru foi motivada pelo desejo de permanecer próximo aos pais e também pela falta de oportunidade na capital.

A família de Diego morava há algumas décadas na Barra do Ceará, um dos bairros mais antigos e periféricos da cidade de Fortaleza. Educar os três filhos e enfrentar os desafios cotidianos na cidade não foi fácil, conta D. Euzimar. “Eu sempre conversei com eles sobre a vida, as drogas e as influências nesse mundo, isso foi muito importante diante do número de jovens presos e mortos que temos acompanhado na região que morávamos. Sou feliz, eles sempre foram obedientes e ouviram nossos conselhos”.

Com o apoio e incentivo dos pais Diego sempre se dedicou aos estudos. Ainda adolescente, frequentava a Escola em um turno e no outro auxiliava o pai nas atividades da metalúrgica, pequeno empreendimento familiar. Sr. Zacarias Ferreira, pai de Diego, junto com o irmão, montou o pequeno negócio a partir da necessidade e dos saberes que tinham na área. Sem nenhuma noção de gestão, o foco do empreendimento sempre foi dar conta das despesas básicas da família.

_dsc1064

Pai e filho juntos na metalúrgica

A metalúrgica sempre fez parte da vida de Diego e daí veio sua paixão pela área. “Aprendi muito com meu pai e tio a trabalhar na área, e eu ajudava sem ser remunerado antes, porque gostava muito de estar com eles. Devo minha família o conhecimento em metalúrgica que tenho hoje”, afirma.

Ao concluir o Ensino Médio e completar os dezoito anos, Diego decidiu ter sua própria independência financeira e começou a trabalhar como auxiliar de técnico de impermealizador em uma termelétrica. No mesmo período, ele iniciou o Curso Técnico de Edificações e seus pais decidiram vim embora para Paracuru.

A distância dos pais e as dificuldades de conciliar o curso com o trabalho, logo fizeram Diego repensar suas escolhas. Como seu pai trouxe o ofício que fazia junto e logo começou a disponibilizar os serviços de metalúrgica em Paracuru, Diego veio após dois anos trabalhar auxiliando o pai.

Em Paracuru, a família de Diego encontrou um mercado bastante promissor. No município os serviços da área são escassos e com a habilidade e presteza deles, logo tornaram-se referência na atividade. Mas, os conhecimentos de gestão ainda faltavam e Diego por indicação de uma amiga se inscreveu para o Curso Empreendedorismo e Gestão de Negócios do PJER.

“Inicialmente fui por curiosidade, mas depois enxerguei que era uma oportunidade de me emponderar mais e saber lidar com algumas situações do nosso negócio que até então eram complicadas de se sobressair”, afirma Diego.

Durante o Curso Empreendedorismo e Gestão de Negócios Diego elaborou um plano de negócio para ampliar o negócio da família e torná-lo produtivo e confortável para as atividades ali desenvolvidas. Hoje, após seis meses, o negócio está organizado e as atividades são otimizadas. “Os clientes gostaram das reformas e da nossa proatividade depois da nova estrutura”, comenta Diego.

_dsc1074

Diêgo e sua família

O empreendimento de Diego e de sua família é intitulado como uma oficina de esquadrias de alumínio. Ele, o pai e o tio seguem trabalhando juntos e já conseguem alcançar novos mercados. Além dos municípios vizinhos de Paracuru, eles atendem clientes em Fortaleza, com entregas em domicílio. Trabalham com janelas, portas, portões e alumínio em geral.

Diego é um dos jovens beneficiados pelo Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) desenvolvido pela Adel que está dando uma Nova Cara ao Sertão. Ele enxergou no empreendedorismo a oportunidade para diversificar e ampliar o negócio familiar, bem como ter sua própria renda.

Jovem de Paracuru realiza sonho de ser empreendedora

_dsc0829

Edvania Custódio da Costa, 22, nasceu na sede de Paracuru, é a filha mais jovem de dois irmãos. Sua mãe, D. Marlucia Custódio conta que a filha é uma empreendera nata. “Ela já nasceu com o dom de empreender, lembro que ela fazia pulseiras e vendia adesivos no colégio para conseguir seu próprio dinheiro”.

Os pais de Edvania se separam quando ela era recém-nascida e D. Marlucia, natural do Rio Grande do Norte relata que foi em meio as dificuldades que aprendeu a superar os obstáculos e na nova fase de sua vida em Paracuru. “Tive que descascar cocos para poder sustentar meus filhos, aprendi a ganhar meu próprio dinheiro em meio as dificuldades, sempre busquei formas de conseguir uma renda, seja através de serviços prestados quanto na venda de confecções de uma amiga em troca de comissões”.

Edvania herdou da mãe a esperteza e persistência. Desde muito jovem foi dedicou-se aos estudos e ajudar na renda da casa. Ainda no Ensino Fundamental, começou a fabricar bijuterias para vender no colégio. A arte de fazer as bijuterias aprendeu com os programas de TV. “Aprendi a fazer vendo TV, vi alguns programas que abordava o processo de fazer bijuterias e vi que era uma oportunidade ter uma renda, comecei fazer a gosto, falo assim porque sabia o que as meninas naquela época gostavam, cores, formatos, combinações, e isso me ajudou no sucesso de venda que foi”.

_dsc0881

Edivania (ao centro) com a mãe, Marlúcia, e o seu irmão Edgleison Custódio

No Ensino Médio Edvania mudou o foco, a jovem deixou de lado as bijuterias e começou a vender cosméticos por encomenda em troca de comissões no município. No primeiro mês a jovem superou as vendas de revendedoras experientes, e foi daí que a família e os amigos viram nascer uma empreendedora de sucesso no município.

“Lembro que um amigo meu vendo minhas atividades diárias de estudo e vendas, falava que eu deveria trabalhar em um programa de TV só de vendas, porque eu sabia se expressar bem na hora de vender algum produto”, relata Edivania.

Durante três anos Edivania conciliou as atividades do colégio com a venda de cosméticos e tornou-se em 2012 uma das revendedoras mais solicitadas no Paracuru. Mas, ela sempre acreditava que era necessário ter conhecimentos de gestão. Desse modo, começou a fazer vários cursos na cidade – controle de produção, técnica em secretariado e auxiliar administrativo e financeiro.

Foram quatro anos trabalhando como revendedora, mas a atividade não se consolidou e logo ela foi trabalhar em uma sapataria de Paracuru. Como a remuneração era maior, Edvania tentou conciliar as duas atividades, mas não conseguiu e decidiu paralisar as suas atividades de revendedora.

Edvania ficou na sapataria apenas três meses, e logo em seguida, trabalhou como secretaria em um escritório de advocacia. Ambas as experiências não tiveram êxito, e depois surgiu a oportunidade de trabalhar na Associação Beneficente de Paracuru, uma organização voltada para o apadrinhamento de crianças.

Ousadia

Quando começou trabalhar na Associação Beneficente de Paracuru, Edvania começou a pensar em retomar as vendas. Ao mesmo tempo, ela soube através de uma amiga que as inscrições do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) estavam abertas. “Vi que era uma oportunidade de investir no meu grande desejo de empreender, não hesitei em sair da ONG, apesar de gostar muito de lá, decidi participar da formação e me capacitar para ser uma empreendedora de sucesso”, afirma Edvania.

A jovem ingressou no PJER, fez o Curso Empreendedorismo e Gestão de Negócios. “Minha passagem pelo PJER me trouxe vários momentos proveitosos e que eu não tinha ideia do quanto ia me marcar. Logo tive que aprender a fundo o que era meu negócio, conhecê-lo mais profundo e ver se dava para eu empreender na área de vendas de cosméticos. E o resultado foi muito satisfatório, porque além de trabalhar com vendas, poderei levar beleza as pessoas. Além de saber gerenciar meu negócio, e isso é maravilhoso” enfatiza.

Depois do curso a jovem se viu pronta para investir e colocar em prática o que aprendeu na formação. Edvania elaborou um plano de negócio e submeteu ao Fundo Veredas da Adel. Ela planeja ampliar o estoque de produtos, investir no marketing do negócio e ganhar mais clientes da região.

_dsc0787“Além de ter o suporte do crédito que proporcionou a ampliação do meu estoque, que chamo de pronta entrega, onde vou poder suprir a maioria das necessidades dos meus clientes, não me arrependo de ter deixado meu emprego para fazer o curso, porque existia uma Edvania antes do PJER, e outra agora” afirma a jovem.

Edvania é uma das jovens beneficiados pelo Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) desenvolvido pela Adel que está dando uma Nova Cara ao Sertão. Ela enxergou no empreendedorismo a oportunidade para ter o seu próprio negócio e permanecer no município.

Adel incentiva a cultura da prevenção

_dsc1504Depois do Outubro Rosa, período dedicado à conscientização da mulher no combate e prevenção ao câncer de mama, inicia-se a campanha “Novembro Azul”. Desta vez, visando promover o combate do câncer de próstata, incentivando os homens à realização do exame.

A Adel apoia estas campanhas e incentiva seus colaboradores a aderir a causa. Na última semana de outubro foi realizado na sede da Adel um coffee time com a equipe em prol da Campanha Outubro Rosa, conscientizando sobre a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama.

Nesta semana, em virtude também da Campanha Novembro Azul, a Adel realizou um momento de informar e conversar a respeito deste movimento com seus colaboradores. A organização atualmente tem dezesseis colaboradores e entende a importância dos homens e mulheres se cuidarem.

_dsc1468

Equipe Adel na Campanha Outubro Rosa

Através da prevenção e de um diagnóstico precoce é possível reduzir as estatísticas negativas que crescem a cada ano sobre o câncer. O desejo da Diretoria da Adel é seguir nesta luta, alertando o quanto é importante a prevenção. Que as pessoas vistam suas “camisas rosas e azuis” e participem desta luta com dignidade.

Campanhas de conscientização

Nos meses de outubro e novembro acontece um movimento internacional para a conscientização a respeito do câncer de mama e da próstata, respectivamente. Estas campanhas tem como objetivo sensibilizar mulheres e homens para a importância do diagnóstico precoce do câncer.

Espera-se que as campanhas de conscientização sobre a doença no Outubro Rosa e Novembro Azul incentivem homens e mulheres a procurarem o médico regularmente e prevenir-se.

Mais informações e dicas sobre os cuidados com a saúde:

http://www.inca.gov.br/outubro-rosa/

http://www.ladoaladopelavida.org.br/campanha/novembro-azul

Adel realiza Projeto de Segurança Hídrica no Rio Grande do Norte

14906913_1279146448802098_561440584059551247_nEntre os dias 24 e 28 de outubro, a Adel iniciou o Projeto de Segurança Hídrica nos munícipios de São Miguel do Gostoso e João Câmara, no Rio Grande do Norte. O projeto integra o Programa Raízes desenvolvido pela CPFL Renováveis e tem por objetivo ampliar o acesso à água segura para consumo humano e para a produção, através de um modelo que integra inovação tecnológica, fortalecimento de capacidades e gestão comunitária das águas, em nove comunidades rurais.

O Programa Raízes da CPFL Renováveis tem como foco o desenvolvimento econômico, ambiental e social de comunidades do entorno dos empreendimentos onde a Companhia atua. A ideia do Programa é aproximar as comunidades e os agentes locais para pensar e construir o desenvolvimento local baseado nos princípios da Sustentabilidade.

A parceria da Adel com a CPFL Renováveis para realização deste projeto é uma oportunidade para instituição ampliar sua área de atuação. A Adel atua há nove anos no Ceará e a realização deste projeto em um novo estado do Nordeste é mais um desafio e conquista da organização, destaca Gláucio Gomes, Diretor de Desenvolvimento da Adel.

“É fantástico para Adel esta experiência, expandir a atuação para um novo estado do Nordeste e aplicar tecnologias socioambientais e soluções que estamos já trabalhando há alguns anos no Ceará em um contexto com desafios parecidos. Vamos aprender mais sobre como reaplicar essas tecnologias e adequá-las às particularidades de uma nova região, ao mesmo tempo em que vamos contribuir para o desenvolvimento local dessas comunidades. O Programa Raízes tem uma abordagem multidisciplinar bastante consistente para promover o desenvolvimento local e é um orgulho para a Adel poder fazer parte dessa iniciativa”.

14925303_1279147928801950_8451243469141967389_n

Diagnóstico de viabilidade das águas e das tecnologias existentes nas comunidades

O acesso a água é uma das principais limitações para o desenvolvimento local no Nordeste brasileiro. Entretanto, a Adel acredita que é possível mesmo em meio a este desafio, melhorar as condições de vida das famílias, gerar renda e ampliar a produção agrícola no semiárido, por meio do uso de tecnologias sustentáveis. Através da instalação de equipamentos físicos, capacitação às famílias na gestão das unidades produtivas e de recursos hídricos implantados, a Adel almeja colaborar com o desenvolvimento local.

Durante a realização do Projeto de Segurança Hídrica, a Adel vai realizar um diagnóstico de viabilidade das águas e das tecnologias existentes nas comunidades. Além disso, serão levantadas as alternativas de solução de recursos hídricos para o consumo e para produção; promover intercâmbios com as lideranças das comunidades; instalar diversas tecnologias sociais; realizar oficinas sobre gerenciamento de recursos hídricos para abastecimento de água e de irrigação, dentre outras atividades.

A perspectiva da Adel é colaborar na implantação do projeto de Segurança Hídrica nas comunidades do Rio Grande do Norte onde o Programa Raízes tem atuação. O desejo da organização é que o acesso a água e as tecnologias de convivência com o semiárido possam colaborar para o desenvolvimento das comunidades rurais na região.

Programa Raízes CPFL Renováveis

Com o objetivo de criar um amplo Programa de Investimento Social Privado, visando contribuir para aumentar o impacto social, ambiental e econômico positivo nas comunidades e ao entorno onde a CPFL Renováveis atua, e a partir de um processo participativo com as comunidades e os agentes locais, nasceu o Programa Raízes.

O primeiro ciclo do programa (2013-2015) apoiou projetos relacionados a cadeias produtivas, turismo, artesanato, infraestrutura, cultura, esporte e lazer, nos municípios de São Miguel do Gostoso, Parazinho, João Câmara e Touros (Rio Grande do Norte) e Palmares do Sul (Rio Grande do Sul). Nessa primeira fase do programa foram beneficiadas indiretamente 9.188 pessoas. Para o ciclo atual do Raízes (2016-2017), todos os projetos seguem os seguintes pilares: Segurança Hídrica, Compromisso com as Gerações Futuras e Cadeias Produtivas.

Para realização do Programa Raízes, a CPFL Renováveis conta com parceiros locais e regionais. Neste ciclo, a Adel é parceria no Projeto de Segurança Hídrica, nos municípios de São Miguel do Gostoso e João Câmara, no Rio Grande do Norte.

Site do Raízes: http://www.cpflrenovaveis.com.br/raizes

Jovem empreende e permanece em sua comunidade

xxbcbv

Matheus Araujo de Sousa Carvalho, 21, é o filho mais velho de três irmãos. Filho da D. Maria Araújo e do Sr. Wilamar Carvalho, nasceu e cresceu em Paracuru. Ainda criança, o jovem desejava contribuir para o desenvolvimento da sua comunidade e do seu município.

Muito curioso, Matheus sempre buscou saber o porquê das coisas. “Sempre busquei me informar, aprender mais e descobrir o porquê de tudo, acompanhei de perto as dificuldades da comunidade despertando o meu interesse em suprir suas necessidades. Políticas públicas, ações sociais é uma delas, mas tinha que fazer algo ao meu alcance, que melhorasse de alguma forma a vida das pessoas próximos a mim”, afirma Matheus.

Os pais de Matheus são separados há mais de duas décadas e isso implicou bastante na sua formação familiar. Sua mãe teve que ir para outra cidade em busca de trabalho para sustentar a família, e o jovem e suas duas irmãs tiveram que ficar com os avós maternos.

Apesar da distância e das dificuldades, sua mãe sempre foi presente, quando a mesma não estava, os avós supriam a necessidade de afeto e carinho dos netos. “Meus avós são muito importantes, meu avô é meu pai, minha referência dentro da minha família”, afirma Matheus.

Ainda no Ensino Fundamental, Matheus já se posicionava nas atividades, gostava de participar de todos os movimentos estudantis e expressar o seu ponto de visita em ajudar o próximo. “Sempre gostei de participar de grêmios estudantis, gincanas, atividades que eu pudesse contribuir e mostrar minha opinião, minha vontade de mudar o lugar em que vivo”, relata.

D. Maria, conhecida como Mariana, sempre apoiou os filhos nos estudos. Apesar de não ter concluído o ensino básico, ela acredita que através do conhecimento é possível fazer muitas transformações. “O conhecimento é muito importante e através dele podemos ver o mundo com outros olhos, e ajudar o próximo. Não conclui os estudos, mas incentivo muito meus filhos a seguir os estudos e fazer a diferença”.

Desejo de ter sua própria renda

Em 2010, quando Matheus concluiu o Ensino Fundamental, surgia nele o desejo de ter sua própria renda. Assim, no segundo ano do Ensino Médio ele começou a trabalhar em uma lanchonete próximo de casa. “Naquela época eu queria ter a minha própria renda, poder comprar minhas próprias coisas e ser independente”, afirma.

Durante oito meses conciliou os estudos com os serviços prestados na lanchonete, mas após esse período decidiu sair porque queria focar só nas atividades culturais que executava na comunidade. Ele viu ao concluir o Ensino Médio em 2013, que fazer um trabalho cultural no município era muito importante para juventude.

Com esse desejo, ele fez vários cursos voltados para formação social, técnico e cultural. Um dos projetos que ele atuou e destaca foram os cursos da Agenda 21, patrocinado pela Petrobras, associações comunitárias e grupos culturais. Esta experiência com a cultura despertou Matheus para pensar o desenvolvimento de sua comunidade e também lhe oportunizou o acesso ao Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) da Adel. Por meio de uma amiga, ele soube das inscrições do Programa em Paracuru e não hesitou em fazer sua inscrição.

Contato com empreendedorismo

No ano de 2015, Matheus ingressou no Curso Empreendedorismo e Gestão de Negócios da Adel, e a partir dos conhecimentos/temas abordados na formação ele percebeu que o empreendedorismo poderia ser uma ferramenta viável para ele ajudar sua comunidade e concretizar o sonho de ter sua própria renda.

Apaixonado pela área cultural, conciliar os trabalhos na comunidade com um trabalho era um grande desafio. Desse modo, ele decidiu durante a formação e após analisar as oportunidades do seu entorno que montar uma mercearia seria um negócio rentável.

“Vi na formação a importância do estudo de mercado, e que a viabilidade de um negócio se dá através desses estudos. Decidi empreender em uma mercearia porque enxerguei que não tinha muitas na comunidade e que a demanda era grande, inicialmente não é uma ajuda social significativa como queria, mas sei que dei o primeiro passo para o desenvolvimento da minha comunidade”, pontua Matheus.

Ele que sonha em promover o acesso da juventude a arte e a cultura no município, sabe que ter a própria renda já é o primeiro para essa construção. A maioria dos jovens ainda migram do município para outras cidades em busca de sua independência e deixam de participar ativamente das ações culturais.

_dsc0958

Matheus Araújo com a mãe, D. Mariana, e a irmã Aryane Araújo

Matheus acessou o Fundo Veredas da Adel, em 2016, e após seis meses de funcionamento o negócio começa se estabilizar e ele já conta com o apoio e retorno da mãe para o município. “Tenho planos de inserir dentro da mercearia a venda de salgados e doces, diante da minha experiência na área, e também pelo apoio da minha mãe, que está morando com agente novamente, e da minha família”.

Matheus é um dos jovens beneficiados pelo Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) desenvolvido pela Adel que está dando uma Nova Cara ao Sertão. Ele encontrou no empreendedorismo a oportunidade para ajudar e permanecer em sua comunidade e dá continuidade ao sonho de ser um agente cultural local.

Jovens selecionados para segunda etapa da seleção do PJER

foosApós análise das fichas de inscrições dos jovens que se inscreveram para o Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) a Adel divulga a lista dos jovens aprovados nesta primeira etapa da seleção.

No total, foram 105 jovens se inscreveram, 51 mulheres e 54 homens de nove municípios do Território. Vinte e quatro em São Gonçalo do Amarante, vinte e um em Pentecoste, quinze em Paracuru, doze em Umirim, dez em Caucaia, nove em São Luís do Curu, seis nos de Tejuçuoca e General Sampaio e dois jovens de Apuiarés.

A seleção para nova turma do PJER iniciou em setembro e segue até próxima semana. Neste semestre, o processo de seleção acontece em duas etapas e de maneira mais extensa. Na primeira etapa, foram analisadas por meio da ficha de inscrição o perfil de cada jovem. É desejável que os jovens tenham perfil de líderes e estejam dispostos a pensar o desenvolvimento da sua comunidade e de negócios com fins econômicos e sociais.

A segunda etapa da seleção dos jovens acontece a partir de hoje (01/11) e segue até 18/11. A equipe da Adel visitará a propriedade do jovem para conhecer a família e as potencialidades e dificuldades de cada participante para empreender. Nesta etapa serão visitados 60 jovens. Destes, somente 35 serão selecionados para ingressar no Programa. A aula inaugural está prevista para acontecer no dia 28/11.

Segundo Aurigele Alves, Diretora de Programas da Adel, a seleção acontece em um período mais longo e os resultados são mais positivos. “Os jovens que se inscreveram para o processo seletivo do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) são muito bons, temos muitas expectativas para esta nova turma a se formar. É um processo longo, mas bastante produtivo”.

Os jovens pré-selecionados veem no PJER uma oportunidade para colocar suas ideias em prática, empreenderem e conquistar sua autonomia financeira. “Muitos destes jovens já desenvolvem alguma atividade na comunidade, mas não têm acesso as ferramentas de gestão, e isso eles acreditam que o Programa pode proporcionar”, conta Fábia Oliveira, Assessora de Formação da Adel.

Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER)

É uma estratégia para criar oportunidades para o desenvolvimento de empreendimentos rurais por jovens empreendedores de comunidades rurais. É um programa direcionado para a Juventude Rural, desenhado, planejado e gerido por jovens empreendedores rurais do sertão cearense.

O PJER é desenvolvido pela Adel desde 2009, e cria oportunidades para o desenvolvimento de empreendimentos de jovens empreendedores rurais. Consiste na aliança entre 04 (quatro) componentes essenciais para que os empreendedores encontrem condições adequadas e favoráveis para sua atuação: acesso a conhecimento, crédito orientado, apoio no fortalecimento organizativo e acesso a tecnologias. O Curso Empreendedorismo e Gestão de Negócios integra o primeiro componente.

O PJER conta com o apoio do Instituto Carrefour, Fundação Interamericana, Instituto Oi Futuro, Manos Unidas, Prefeitura Municipal de São Gonçalo do Amarante e Fundo Socioambiental Caixa.

Curso de Empreendedorismo e Gestão de Negócios

O Curso Empreendedorismo e Gestão de Negócios consiste na aplicação de um conjunto de técnicas, oficinas e ferramentas que possibilitam aos jovens formandos o conhecimento necessário para a definição, planejamento e elaboração do projeto de negócio que será apresentado ao final da formação.

O Curso é composto por oficinas, tutoria e encontros focais com os jovens. No primeiro momento, os jovens participam de uma aula inaugural e ficam uma semana imerso no Centro de Formação do Jovem Empreendedor Rural em Sororoca, São Gonçalo do Amarante. Nesta primeira semana eles estudam os temas empreendedorismo, desenvolvimento local e projeto de negócio. Posteriormente, eles participam de tutorias, encontros focais e oficinas elegíveis para aprofundar os conhecimentos em determinados temas.

A lista dos candidatos selecionados para segunda etapa do PJER está disponível neste link: http://migre.me/voxs1