Adel acompanha pesquisa sobre os impactos da meliponicultura no Médio Curu

Reunião com meliponicultores na comunidade de Lagoa das Pedras, Apuiarés/CE

Neste trimestre, a graduanda em Agronomia Juliana Lemchen, realizou sob a supervisão da Diretoria de Programas da Adel, pesquisa sobre a importância da meliponicultura para o desenvolvimento sustentável. A pesquisa faz parte do estágio supervisionado de Juliana na Adel e compõe o seu trabalho de conclusão do curso.

Estudante da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Juliana está desde o segundo semestre de 2016 estudando na Universidade Federal do Ceará (UFC), através do Programa ANDIFES de mobilidade acadêmica que alcança estudantes regularmente matriculados em cursos de graduação de universidades federais.

Segundo Juliana, a decisão de fazer o estágio supervisionado na Adel surgiu da convergência de aspirações que ela tinha e das particularidades da própria instituição que trabalha diretamente com a meliponicultura. “Minha vontade de trabalhar e desenvolver uma pesquisa com meliponicultura, aliada a necessidade de dados acerca da prática na região, resultou na realização deste projeto de pesquisa”.

Durante o estágio, com duração de oito semanas, Juliana planejou e elaborou as ferramentas da pesquisa; participou de reuniões com os grupos produtivos beneficiários dos Projetos de Meliponicultura desenvolvidos pela Adel e integrantes da Rede Néctar do Sertão; realizou visitas aos meliponicultores para coleta de dados; e, elaborou um relatório da pesquisa.

A pesquisa

O Projeto de Pesquisa “Meliponicultura e sua importância para o desenvolvimento sustentável: Estudo de caso da Rede Néctar do Sertão” desenvolvido por Juliana tem como foco compreender como a meliponicultura se insere no contexto produtivo da agricultura familiar.

Juliana entrevistando meliponicultor na comunidade de Vila Soares, Apuiarés/CE

O objetivo principal foi analisar a partir da diversidade da agricultura familiar como a meliponicultura tornou-se uma fonte alternativa de renda para as famílias que fazem parte da Rede Néctar do Sertão. Na pesquisa foram analisados as intenções iniciais de cada meliponicultor(a) ao ingressar nos Projetos realizados pela Adel; as dificuldades enfrentadas para realização da atividade; a forma como a meliponicultura está sendo conduzida pelas(os) meliponicultoras(es); e, os resultados diretos e indiretos que tiveram com o início da atividade.

A coleta destes dados foram feitos através da aplicação de um questionário, entrevistas e vivências em campo. Juliana esteve durante a pesquisa, ao longo de quatro semanas, nas comunidades de Boa Vista, Lagoa das Pedras, Assentamento São Pedro, Monte Alverne, Riacho do Paulo, Alto dos Caetanos, Sítio do Meio, Vila Soares e Vila Nova, aplicando os questionários e vivenciando o cotidiano das famílias a fim de compreender como a meliponicultura se insere no contexto sociocultural e econômico de cada morador.

Na pesquisa, além dos dados quantitativos, os fatores subjetivos foram bastante relevantes para análise dos aspectos socioculturais. Para Juliana, as vivências foram de extrema importância para elaboração dos resultados da pesquisa e para sua formação.

“No que diz respeito ao pessoal e profissional, a experiência tem sido ímpar. Não imagino forma melhor de me apropriar o máximo da meliponicultura, como está sendo com essa oportunidade. Me deparei com as mais diversas situações para as quais o meu questionário, acadêmico-universitário, não estava preparado para receber as respostas, já que a realidade do rural é muito diferente da teorizada em sala de aula”, expressa Juliana.

Os resultados

Após a coleta de dados, Juliana realizou entre os dias 14 e 16 de março, reuniões com os meliponicultores(as) que participaram da pesquisa para apresentação de dados quantitativos da pesquisa e impactos que foram observados.

Apresentação dos resultados da pesquisa na comunidade de Sitio do Meio, Pentecoste/CE

Na última quarta-feira (22/03), Juliana apresentou para Diretoria da Adel os dados da pesquisa e em maio ela finaliza o relatório do estágio. A priori, Juliana ressalta que na pesquisa vivenciou diversos estágios da meliponicultura, uma das fontes econômicas da agricultura familiar. Segundo a Diretora de Programas da Adel, Aurigele Alves, este foi um trabalho piloto de pesquisa sobre a meliponicultura que ajuda a entender melhor a atividade e o crescimento da Rede Néctar do Sertão.

“Foi uma experiência incrível para Adel acompanhar a Juliana nesta pesquisa. Certamente, os resultados serão referência para outros técnicos, estudantes, pesquisadores e para nós da Adel seguir no monitoramento e atualização dos dados coletados inicialmente”, enfatiza Aurigele.

Além do relatório técnico com dados acerca da meliponicultura na região do Médio do Curu, Juliana pretende posteriormente, elaborar uma cartilha com informações da pesquisa para acesso das comunidades.

Em geral, a pesquisa aponta que os Projetos de Meliponicultura desenvolvidos pela Adel, gera expectativas positivas para os participantes da Rede Néctar do Sertão. Eles veem que no futuro a atividade poderá complementar a renda e também avaliar como um fator positivo criar e preservar as espécies nativas (jandaíra) e o meio ambiente.

No Dia Mundial da Água, Adel destaca a importância do acesso a água para o desenvolvimento local

O uso de soluções inovadoras para proporcionar o acesso a água de qualidade, bem como o reaproveitamento deste líquido tão necessário para o desenvolvimento local é emergencial. Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), cerca de 1,8 bilhão de pessoas no mundo usam fontes de água contaminadas por fezes para beber, e, a cada ano, 842 mil mortes são relacionadas a falta de saneamento e higiene, bem como ao consumo de água imprópria.

Diante deste cenário, neste Dia Mundial da Água, destacamos os desafios de acesso à água para consumo humano e produtivo enfrentados pelas famílias que residem nas comunidades rurais do Nordeste brasileiro.

Além do grave problema da escassez de água, existe a necessidade premente da ampliação de infraestrutura hídrica básica nas comunidades rurais. Sem infraestrutura adequada, as centenas de famílias não tem acesso aos benefícios socioeconômicos mínimos necessários à sua permanência no campo e consequentemente aumenta o êxodo rural.

Desde outubro de 2016, a Adel por meio do Projeto de Segurança Hídrica que integra o Programa Raízes desenvolvido pela CPFL Renováveis vem colaborando para garantir a segurança hídrica as famílias de nove comunidades rurais dos municípios João Câmara e São Miguel do Gostoso, no Rio Grande do Norte.

Morador da comunidade de Boa Esperança em São Miguel do Gostoso (RN) transportando água para consumo

Nestes municípios, o abastecimento de água nas comunidades rurais é irregular e nos períodos de seca, a população sempre é atendida com medidas paliativas, como o transporte de água em carros de boi e caminhões pipa, adotadas por Programas Emergenciais dos Governos Municipais.

Desse modo, a água que é um recurso fundamental para a vida e um elemento estratégico para o bem-estar da população e desenvolvimento local ainda é um direito a ser garantido para muitas famílias que residem no meio rural.

Projeto Segurança Hídrica

A Adel através do Projeto Segurança Hídrica busca ampliar o acesso à água segura para consumo humano e para a produção, através de um modelo que integra inovação tecnológica, fortalecimento de capacidades e gestão comunitária das águas nas comunidades de Queimadas, Brinco de Ouro, Modelo I, Modelo II, Ouro Verde e Florêncio José e Baixa do Novilho no município de João Câmara e Umburanas e Boa Esperança no município São Miguel do Gostoso.

Por meio da implantação de sistemas de bombeamento, abastecimento e dessalinização, movido a energia solar fotovoltaica 807 famílias (3.230 pessoas) são diretamente beneficiadas pelo Projeto. No total, a Adel está perfurando e recuperando nove (9) poços profundos, três (3) Sistemas de Abastecimento de Água, nove (9) Micro usinas solar, (3) sistemas de tratamento de água via osmose reversa (dessalinizador), cinco (5) áreas produtivas com sistema de irrigação por gotejamento.

Revitalização de cisterna na comunidade de Boa Esperança, em São Miguel do Gostoso (RN)

Além da recuperação e implantação dos sistemas de abastecimento de água nas comunidades, serão realizadas oficinas com os agricultores sobre produção sustentável e gestão e uso das águas. Na primeira etapa do Projeto, foram revitalizadas vinte e uma (21) cisternas na comunidade de Boa Esperança. A revitalização aconteceu por meio de mutirões e apoio da comunidade local.

Ontem (21/03), a Adel celebrou junto com os parceiros e as famílias da comunidade de Boa Esperança em São Miguel do Gostoso (RN), os primeiros resultados alcançados pelo Projeto. Wagner Gomes, Diretor de Negócios da Adel, entregou oficialmente junto com a equipe do Programa Raízes as cisternas revitalizadas pelo Projeto.

Diretor de Negócios da Adel, Wagner Gomes, equipe do Programa Raízes da CPFL Renovavéis e beneficiários do Projeto Segurança Hídrica

A perspectiva da Adel é colaborar na implantação do Projeto de Segurança Hídrica nas comunidades do Rio Grande do Norte onde o Programa Raízes tem atuação. O desejo da organização é que o acesso a água e as tecnologias de convivência com o semiárido possam colaborar para o desenvolvimento das comunidades rurais do Nordeste brasileiro.

Adel está contratando novo colaborador para área de comunicação

A Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel), com sede em Pentecoste/CE, está com vaga aberta para contratação de um Assistente de Comunicação.

Confira abaixo o descritivo da vaga e as informações necessárias para participar do processo de seleção:

PRINCIPAIS FUNÇÕES:
• Auxiliar a Diretoria de Comunicação da Adel;
• Auxiliar na produção e criação de conteúdo para os principais canais de comunicação da Adel (redes sociais, site, boletins);
• Acompanhar e realizar registros (imagem/vídeo) das atividades dos projetos.

PREFERÊNCIAS:
– Formação em Comunicação Social (Jornalismo, Publicidade e Propaganda e Relações Públicas);
– Ter ótimo texto; domínio de internet e ferramentas da web;
– Necessário ter habilidades com design gráfico, Photoshop, Adobe;
– Noções básicas de fotografia;
– Noções básicas de edição de vídeo;
– Possuir perfil empreendedor; proativo; responsável e organizado;
– Possuir Carteira de Habilitação AB;
– Disponibilidade para viajar.

Interessados devem enviar e-mail com o currículo para: comunicacao@adel.org.br, com o título – Vaga Assistente de Comunicação.

Mais informações: (85) 3352.1222 | 99126.9602

Adel inicia as atividades do Projeto Moradia Urbana com Tecnologia Social (MUTS)

A partir de hoje (16/03), a Adel inicia o autorrecenseamento do Projeto Moradia Urbana com Tecnologia Social (MUTS) no Residencial Nova Caiçara (Orgulho Tropical II), em Sobral. O autorrecenseamento é uma atividade que busca fortalecer a comunidade para que ela seja protagonista nas transformações do lugar onde vivem e de suas próprias vidas.

A atividade de autorrecenseamento viabiliza a efetiva participação dos moradores e é um dos eixos da tecnologia social “Transformando Realidades por meio da Mobilização e Organização Comunitária” desenvolvido pela Rede Internacional de Ação Comunitária – INTERAÇÃO. Esta tecnologia é baseada nos instrumentos da instituição internacional Slum Dwellers International (SDI) e tem possibilitado o fortalecimento das comunidades urbanas.

A metodologia do SDI é constituída pelo tripé – poupança comunitária, autorrecenseamento e intercâmbio de experiências. No Brasil, o SDI é representado pela INTERAÇÃO. Antes de iniciarmos o autorrecenseamento, a Adel juntamente com a INTERAÇÃO mobilizou os moradores, realizou oficinas, reuniões setoriais e a primeira assembleia de moradores do Residencial Nova Caiçara.

Reunião com moradores do Residencial Nova Caiçara (Orgulho Tropical II)

O Residencial Nova Caiçara (Orgulho Tropical II) foi construído através do Programa Minha Casa Minha Vida e 832 famílias são beneficiadas pelo Projeto. Inicialmente, os moradores do Residencial participam do autorrecenseamento e, posteriormente, eles terão a possibilidade de escolher dentre quatro tecnologias sociais – Bibliotecas Comunitárias; Gestão Comunitária de Resíduos Sólidos Orgânicos e Agricultura Urbana; Hortas Urbanas; ou, Joias Sustentáveis, qual desejam implementar na comunidade.

Após a escolha da tecnologia social pelos moradores, a Adel com o apoio da organização proponente da tecnologia social inicia o processo de implantação. Além da Fundação Banco do Brasil e das organizações proponentes, o Projeto Moradia Urbana com Tecnologia Social é realizado em Sobral pela Adel e Cáritas Cratéus, com apoio local dos moradores e da Prefeitura Municipal de Sobral.

Primeira Assembleia de moradores do Residencial Nova Caiçara (Orgulho Tropical II) – 21/03/2017

O Projeto conta com um Grupo de Acompanhamento Local (GAL) constituído por representantes do Banco do Brasil, moradores do Residencial, poder público e instituição executora do Projeto. A Adel é representada por Wagner Gomes, Diretor de Negócios. As demais instituições são representadas por: Bruno Costa (Banco do Brasil); Francisco Barbosa (Presidente da Associação de Nova Caiçara); e, Iracema Souza (Secretaria dos Direitos Humanos, Habitação e Assistência Social de Sobral). As reuniões do Grupo são realizadas preferencialmente em Sobral.

Sobre o Projeto Moradia Urbana com Tecnologia Social (MUTS)

O Projeto Moradia Urbana com Tecnologia Social nasce de um caso de sucesso de atuação da Fundação Banco do Brasil na reaplicação da Tecnologia Social “Cisternas de Placas” certificada em 2001, que se tornou uma política pública para o semiárido brasileiro do governo federal: Programa 1 Milhão de Cisternas – P1MC.

Para o Projeto, a Fundação Banco do Brasil identificou no BTS, tecnologias sociais, certificadas pelo Prêmio Fundação Banco do Brasil, passíveis de serem reaplicadas em empreendimentos habitacionais do PNHU e as estruturou de forma a serem implementadas em duas fases:

Primeira Tecnologia Social

A primeira TS a ser reaplicada em todos os empreendimentos beneficiados é a Transformando Realidades por meio da Mobilização e Organização Comunitária, desenvolvida pela Rede Internacional de Ação Comunitária – INTERAÇÃO, baseada nos instrumentos da instituição internacional Slum Dwellers International (SDI): autorrecenseamento, poupança comunitária e intercâmbio, e consiste fundamentalmente em um trabalho de mobilização e organização comunitária. Essa tecnologia será explicada detalhadamente mais adiante, em capítulo específico.

Segunda Tecnologia Social

São quatro as TS escolhidas para serem disponibilizadas para reaplicação na segunda fase do projeto, como continuidade à reaplicação da primeira TS:
· Criação de Bibliotecas Comunitárias – VAGA LUME;
· Gestão Comunitária de Resíduos Orgânicos e Agricultura Urbana – CEPAGRO;
· Produção Agroecológica de Alimentos em Meio Urbano: Hortas Urbanas – Instituto PÓLIS;
· Joias Sustentáveis na Ilha das Flores – REDE CRIAR.

As segundas TS serão reaplicadas nos empreendimentos beneficiados de acordo com a escolha dos moradores durante o processo de reaplicação da primeira TS. Ou seja, enquanto a primeira TS será reaplicada em todos os empreendimentos, estabelecendo os primeiros passos de mobilização e organização comunitária, a segunda será escolhida dentre as quatro citadas para desenvolver ações de consolidação da organização comunitária.

Mais informações: https://moradiaurbanats.org.br/

Adel anuncia a criação da Diretoria de Negócios

Wagner Gomes, Co-fundador e Diretor de Negócios da Adel

Dando continuidade à sua missão e com foco no seu desenvolvimento institucional, a Adel criou uma nova diretoria dedicada aos projetos na área de negócios. Wagner Gomes, Co-fundador e ex-Diretor de Relações Institucionais assume esta nova posição estratégica da organização.

Com esta nova Diretoria, as funções de relações institucionais foram somadas a Diretoria de Desenvolvimento e ficam sob a responsabilidade do atual Diretor Gláucio Gomes que ressalta o quanto estas funções são importantes para o crescimento institucional.

“Seguimos cumprindo com nossa missão, acima de tudo, e, priorizando o relacionamento com os parceiros que compartilham de nossa visão e que nos apoiam na implementação de nossos programas e projetos. A Diretoria de Desenvolvimento assume estas funções como extremamente estratégicas e prioritárias a partir de agora”, comenta Gláucio.

Diretoria Adel – Helano Luz (Financeiro), Aurigele Alves (Programas), Adriano Batista (Executivo), Gláucio Gomes (Desenvolvimento), Wagner Gomes (Negócios) e Evilene Abreu (Comunicação).

A nova Diretoria tem como objetivo desenvolver e implementar soluções inovadoras ajustadas à demanda de clientes que desejam colaborar através de suas próprias estratégias para promoção do desenvolvimento humano, incorporar ou disseminar práticas de sustentabilidade corporativa ou ainda compensar, controlar e mitigar impactos derivados de suas operações.

Um dos motivos para criar essa nova Diretoria é ampliar as capacidades da Adel para aproveitar ao máximo as novas oportunidades que surgem para ONGs que produzem e compartilham conhecimentos e tecnologias para o desenvolvimento no Brasil e no mundo.

Nos últimos nove anos, a Adel desenvolveu muitas competências sobre a promoção de desenvolvimento local através da formação e o apoio ao empreendedorismo em comunidades rurais. E, suas expertises são disponibilizadas através de serviços a empresas, governos e outros atores da sociedade civil.

Segundo Wagner Gomes, a criação desta nova diretoria integra as estratégias de desenvolvimento institucional da Adel que foram desenhadas ao longo da sua história. “A criação da Diretoria de Negócios é um passo significativo para sustentabilidade da instituição e visa fortalecer e consolidar as atividades de prestação de serviços que promovam o desenvolvimento local de territórios rurais através do empreendedorismo e do protagonismo de jovens e agricultores”.

Wagner Gomes é Co-fundador e integrante do Conselho de Administração da Adel. Economista e especialista em desenvolvimento local, reconhecido como Empreendedor Social de Futuro pela Folha de São Paulo e pela Schwab Foundation em 2010. Integrante da Rede de Fellows da Ashoka Empreendedores Sociais e da Rede Folha de Empreendedores Socioambientais. No último ano, atuou como Diretor de Relações Institucionais da Adel.

Leia mais sobre as expertises da Adel: http://www.adel.org.br/que-fazemos/#servicos

Adel dá continuidade ao Projeto de Pesquisa em parceria com a Columbia University

Nas próximas semanas, entre 13 e 24 de março, a Adel inicia as atividades de campo da pesquisa de avaliação de impactos do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) realizada em parceria com a School of International and Public Affairs (SIPA) da Columbia University, de Nova York, EUA. O projeto iniciou em dezembro de 2016 e chega a etapa de coleta de dados.

Em janeiro de 2017, a Adel recebeu os estudantes de pós-graduação da Columbia University, Santiago Ramirez e Surabhi Bajpai. Eles estiveram ao longo de uma semana na sede da Adel, em Pentecoste/CE, conhecendo o trabalho da organização e planejando a metodologia da pesquisa de avaliação de impacto do PJER.

Durante a primeira visita, os pesquisadores da Columbia University entrevistaram co-fundadores e integrantes da equipe da Adel, visitaram jovens beneficiados pelo Programa Jovem Empreendedor e parceiros da instituição, com o objetivo de entender com maior profundidade, os impactos e as transformações nas condições de vida e de trabalho dos jovens que participam do PJER.

Santiago Ramirez, Columbia University; o casal Everardo Alves e Luciana, beneficiados da Adel; Surabhi Bajpai, Columbia University; e, Aurigele Alves, Diretora de Programas Adel em visita aos jovens em jan/2017 (Da esquerda para direita)

Nesta etapa de coleta de dados, mais de 300 jovens da região serão mobilizados para participar de entrevistas e grupos focais realizados pela pesquisa. O objetivo é reunir dados sobre mudanças em suas trajetórias e em suas condições de vida, de trabalho e de acesso a oportunidades, considerando sua participação no PJER.

Também serão coletados dados com grupos de comparação, formados por jovens que não participaram do Programa para dar consistência à análise sobre os impactos do Programa e sua relevância para a juventude local, as comunidades e o território, por uma perspectiva de ampliação de oportunidades e desenvolvimento local.

A expectativa é apresentar ainda no primeiro semestre de 2017 um relatório completo com os resultados do estudo para subsidiar novos planos e estratégias para o aprimoramento do PJER, bem como, compartilhar com os parceiros atuais e potenciais apoiadores as contribuições para o desenvolvimento da região.

Surabhi Bajpai, Columbia University; o jovem empreendedor Thiago Duarte; Santiago Ramirez, Columbia University; e, Gláucio Gomes, Diretor de Desenvolvimento Adel em visita aos jovens em jan/2017 (Da esquerda para direita)

“Esperamos mostrar como o Programa justifica os investimentos sociais que foram realizados nos últimos sete anos e apresentar estratégias ainda mais efetivas para aumentar sua escala e seus impactos nos anos seguintes”, ressalta Gláucio Gomes, Diretor de Desenvolvimento da Adel.

O Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER)

Criado e desenvolvido pela Adel desde 2009, o PJER cria oportunidades para o desenvolvimento de empreendimentos rurais por jovens empreendedores e já beneficiou mais de 700 jovens de nove municípios do Estado do Ceará – São Gonçalo do Amarante, Pentecoste, Paracuru, Umirim, Caucaia, São Luís do Curu, Tejuçuoca, General Sampaio e Apuiarés.

Com uma abordagem integrada, o PJER trabalha com as habilidades empreendedoras da juventude e possibilita o acesso a conhecimento, crédito orientado, redes e tecnologias. Estes componentes integram a própria estratégia de atuação da Adel e são considerados indispensáveis para os jovens criar ou aperfeiçoar um projeto de negócio na comunidade onde reside.