Adel adere à Greve Geral do dia 28 de abril

A Adel acredita no profissionalismo como um princípio na gestão de ONGs no Brasil e no mundo. Desde o início da nossa jornada, há 10 anos, investimos no constante aprimoramento administrativo, gerencial e técnico. Sempre pautamos escolhas e decisões com base no desejo de ser eficiente e efetivo em nossos projetos e em todas as atividades que realizamos – respeitando os investimentos de nossos parceiros, clientes e aliados e, principalmente, das comunidades e das pessoas que impactamos diariamente.

Sempre nos posicionamos como uma organização apartidária, concentrada na proposição e gestão técnica, com qualidade, de projetos e ações para o desenvolvimento local. Nosso maior foco é o resultado de nossa atuação e o cumprimento de nossa missão: promover o desenvolvimento local de comunidades rurais a partir do empreendedorismo e do protagonismo de jovens e agricultores.

Portanto, é em respeito a essa rede de pessoas e organizações e, especialmente, à nossa missão que, neste momento tão crítico e importante da História do Brasil, aderimos ao significativo movimento social que busca dar uma resposta contundente às propostas de reformas e outras medidas que ameaçam direitos sociais e humanos. Que afrontam o espírito declarado na Constituição Federal brasileira de 1988: de reduzir a pobreza e as desigualdades socioeconômicas no campo e na cidade. Trata-se de um objetivo do Estado brasileiro e não de governos específicos.

Acreditamos na importância da democracia e das políticas públicas. E que todas as pessoas devem ter acesso a oportunidades que lhes garantam o direito de buscar o melhor para si e para suas comunidades, promovendo equanimidade. Isso apenas é possível em uma sociedade que preza por liberdade ao mesmo tempo em que zela por justiça social e afirmação dos direitos humanos.

Acreditamos, ainda, que reformas em legislação podem ser propostas e adotadas, desde que sejam discutidas de modo amplo, democrático e aberto com toda a sociedade brasileira, respeitando o contexto histórico e as muitas representações da sociedade civil neste país tão grande e diverso.

Considerando os impactos que reformas estruturantes como essas causam, entendemos que apenas na prática democrática há respostas legítimas para os desafios que o Brasil enfrenta hoje – envolvendo e não excluindo a riqueza de conhecimentos e contribuições da sociedade civil organizada.

Acreditamos, por fim, que somos parte da sociedade civil organizada brasileira. E que temos compromisso e responsabilidade com um projeto e uma visão de Brasil mais socialmente justo. Apenas em um Brasil mais justo poderemos um dia alcançar a nossa visão de futuro como organização.

Sendo assim, assumindo nosso papel como parte da sociedade civil brasileira, que se mobiliza e se organiza para defender direitos adquiridos, comunicamos que aderimos à Greve Geral marcada para esta sexta-feira (28/04/2017). Todos os escritórios e núcleos avançados da Adel não irão funcionar amanhã e convidamos os jovens empreendedores rurais, agricultores familiares, sociedade civil organizada, entidades e parceiros a fazer parte deste momento histórico do nosso país.

Pentecoste, 27 de abril de 2017

Diretoria Adel

Adel dá continuidade as atividades de formação do Projeto Caroá

Everardo Alves (ao centro), instrutor da oficina “Como produzir abelhas de maneira sustentável”, e os jovens do Projeto Caroá

Amanhã (19/04), a Adel inicia a oficina Boas Práticas de Produção e Processamento dos produtos da Agricultura Familiar com os jovens que participam do Projeto Caroá – Cooperativa de Jovens Empreendedores Rurais.

A oficina ocorrerá na sede da Adel (anexo), em Pentecoste e integra as atividades de formação do Projeto Caroá que busca contribuir para inclusão socioprodutiva dos jovens rurais. Ministrada por Fabiola Moreira, Economista Doméstica, a oficina abordará como as boas práticas (higiene de alimentos, bem estar animal, produção de doces e processamento mínimo de hortaliças) podem ser desenvolvidas pelos jovens na Cooperativa.

Esta oficina, acontece nos dias 19 e 20/04, e leva em consideração a necessidade de atender a comercialização dos produtos que serão produzidos pela Cooperativa. As boas práticas de produção e processamento dos produtos podem fortalecer a venda dos produtos dos cooperados nas feiras, nos Programas Governamentais de Comercialização (PAA e PNAE), dentre outros mercados.

As atividades de formação do Projeto Caroá compõe a segunda etapa do Projeto e teve início em março. Primeiro, foi realizado um diagnóstico sobre as potencialidades do território e a viabilidade da implantação da Cooperativa. Em seguida, os jovens empreendedores rurais foram convidados a participar das atividades de formação e pensar a estruturação da cooperativa.

Participação do Projeto Caroá no evento de inauguração da CSP em São Gonçalo do Amarante/CE

O Projeto Caroá é realizado pela Adel e conta com o apoio do Programa Ideia da Gente promovido pela Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP). A maioria dos jovens beneficiados pelo projeto são empreendedores e cultivam diversos produtos da agricultura. O jovem Vitor Esteves, articulador e integrante do projeto, esteve no último dia 04, expondo os produtos da agricultura familiar no evento de inauguração da CSP em São Gonçalo do Amarante.

Atividades de formação

As atividades de formação do Projeto Caroá possibilitam aos jovens empreendedores o conhecimento sobre técnicas de produção, gestão e comercialização dos produtos da agricultura familiar.

Em março, a Adel realizou as seguintes oficinas: Cooperativismo e Gestão de Cooperativas (16h), com o Assistente de Projetos da instituição Tales Rilton; Produção de Galinha Caipira de Corte e Postura (24h), com o zootecnista Davyd Herick; e, Como produzir abelhas de forma sustentável (16h), com o Produtor/Experimentador e Articulador da Rede Néctar do Sertão, Everardo Alves.

Registro da oficina Cooperativismo e Gestão de Cooperativas

Além dos jovens do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) desenvolvido pela Adel participam jovens e agricultores do território que acreditam que através do cooperativismo é possível aumentar a produção e obter uma renda melhor. A jovem empreendedora rural Ana Maria Macieira, da comunidade de Livramento, São Gonçalo do Amarante/CE, conta entusiasmada após a oficina de Cooperativismo e Gestão de Cooperativas sua participação e do esposo no projeto.

“Esse encontro foi importante para aprofundar mais sobre o assunto cooperativa, entender como vai funcionar, saber com nós jovens vamos protagonizar dentro da cooperativa. Acho que fui mais longe ainda, consegui trazer o Rubens, meu esposo também agricultor, para esse encontro tão importante que há tempos eu convidava e ele não vinha. Eu consegui trazê-lo e acho que gostou, agora eu estou mais forte pois são duas pessoas pensando juntos”.

Em breve os participantes do projeto vão fazer intercâmbios e conhecer outras experiências cooperativistas no Nordeste. No dia 26/04, eles participarão da oficina “Os Programas Governamentais de Comercialização (PAA e PNAE) e sua importância para o desenvolvimento local” com o intuito de aprender como comercializar os produtos da agricultura familiar através destes Programas, quais os desafios e como acessá-los.

Breve currículo da instrutora da oficina 

Fabíola Moreira é graduada em Economia Doméstica pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e especialista em Vigilância Sanitária; Supervisora Nacional de Serviço de Alimentação no setor Turismo Certificada pelo SENAI DF; Consultora de Controle Higiênico Sanitário e do Programa de Rádio Dom Bosco; e, Instrutora da Faculdade e Escola Técnica Apoena.

Fabíola tem experiência em auditoria em indústria de pescado para certificação da ISO 22000 e em coordenação de Projetos na área de Segurança Alimentar. Foi instrutora de cursos de beneficiamento de leite, frutas, confeitarias e boas práticas de fabricação e manipulação dos alimentos. Durante três anos foi Consultora de assuntos doméstico da Rede União.

Adel inicia projeto nos municípios de Amontada e Itarema no Ceará

Visita da equipe da Adel à área de produção agrícola na comunidade de Patos Bela Vista, em Amontada/CE

Nos dias 10 e 11 de abril, a Adel iniciou o projeto de apoio as cadeias produtivas de coco e mandioca nas comunidades Patos Bela Vista e Pachicu nos municípios de Amontada e Itarema, respectivamente.

O projeto integra o Programa Raízes desenvolvido pela CPFL Renováveis e tem por objetivo promover o fortalecimento das cadeias produtivas de coco e mandioca, através da realização de diagnósticos e da elaboração de planos de trabalho que subsidiam os projetos de estruturação das cadeias produtivas.

Casa de Farinha na comunidade Pachicu, Itarema/CE

Nas comunidades de Patos Bela Vista e Pachicu as principais atividades econômicas são oriundas da agricultura de subsistência. Além das culturas tradicionais (cultivo de feijão e milho) eles produzem coco e mandioca e, ainda em estágios iniciais, comercializam estes produtos.

Com a realização deste projeto, a Adel busca juntamente com a CPFL Renováveis colaborar com o desenvolvimento local destas comunidades. Segundo o Diretor de Negócios da Adel, Wagner Gomes, o projeto visa além do levantamento de informações que possam subsidiar ações e projetos voltadas para o fortalecimento das cadeias produtivas do coco e mandioca a elevação da renda das 120 famílias que trabalham com as cadeias produtivas.

Oficina Planejamento Participativo

Além do diagnóstico da situação atual das cadeias produtivas de coco e mandioca nas comunidades, a Adel realiza oficinas de planejamento estratégico e operacional com os moradores. Ontem (11//04), a equipe da Adel realizou em cada comunidade, a oficina sobre Planejamento Participativo.

Oficina na comunidade de Patos Bela Vista, em Amontada

O objetivo da oficina foi discutir com os moradores a visão e o conhecimento de cada um sobre o local onde vivem e trabalham. Na oficina, os participantes falaram sobre a história da comunidade, os sonhos e projetos que almejam alcançar.

Na comunidade de Patos Bela Vista a maioria dos participantes da oficina foram os jovens. Cada morador expressou através de desenhos o mapa de suas propriedades e da comunidade e expressaram os desafios através da montagem de uma árvore de problemas.

Sr. José Velusiano, líder comunitário, apresenta mapa do plantio e comunidade

Os participantes das oficinas se mostraram entusiasmados e sonham com uma oportunidade de desenvolvimento do lugar onde vivem. Sr. José Velusiano, líder comunitário de Patos Bela Vista ressaltou durante a oficina as capacidades existente na comunidade e apresentou através de desenho um mapa do plantio das culturas.

Os moradores de ambas as comunidades identificam com principais desafios para o crescimento das cadeias produtivas a ausência de coco com qualidade e a desvalorização dos produtos oriundos da mandioca (farinha, goma).