Jovens do Projeto Caroá participam de intercâmbio na Bahia

Encontro com os líderes da Cooperativa Coopercuc, Bahia

Entre os dias 15 e 19 de maio, parte da nossa equipe e três jovens beneficiados pelo Projeto Caroá estiveram na Bahia participando de intercâmbio na Coopercuc – Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos.

A Coopercuc é formada por 204 cooperados, em sua maioria mulheres, que produzem doces e geleias a base de frutas nativas do sertão. O objetivo da visita foi conhecer de perto a história e os caminhos que as mulheres usaram para criar e desenvolver esse projeto que tem suas bases na Agricultura Familiar. Assim como, conhecer um pouco da gestão da cooperativa, observar as instalações e conhecer o trabalho que eles realizam com os cooperados.

No primeiro dia de visita às instalações da Coopercuc, os participantes do intercâmbio estiveram reunidos com o Diretor Financeiro, José Rodrigues, conhecido como Carlinhos e a Secretária da Cooperativa, Carla. Nesse primeiro contato foi apresentado a história da Coopercuc que surgiu com o intuito de ampliar a participação das mulheres na renda familiar e nas decisões políticas. Com a mobilização e organização das mulheres surgiu a oportunidade de trabalhar com o Umbu, produto típico da região semiárida da Bahia.

Carlinhos ressaltou que primeiramente as comunidades mobilizadas passaram a desenvolver pequenas unidades de produção nas próprias casas das famílias. Em seguida, elas se associaram e em 2004 oficializaram a Coopercuc com 44 cooperados. Para Carlinhos, o cuidado que eles tiveram com a base de produtores, com as comunidades, e, primordialmente, com a organização das mulheres da região, foi essencial para consolidação da iniciativa.

Presidente da Coopercuc, Denise Cardoso, apresentando as instalações

 

Num segundo momento, Aurigele Alves, nossa Diretora de Programas, apresentou o trabalho da Adel e as atividades do Projeto Caroá, que tem como principal objetivo colaborar com a criação da primeira cooperativa de jovens empreendedores do território. Rayssa Duarte, Neto Ribeiro e Vitor Esteves, jovens beneficiados pelo Projeto e articuladores da iniciativa, também expressaram o sonho e os planos para criação da Caroá.

Segundo Tales Rilton, Assessor de Projetos, o momento foi bastante rico e os jovens do Projeto Caroá tiveram a oportunidade de tirar dúvidas sobre os desafios enfrentados, os avanços, assim como a experiência de organização e formação de uma cooperativa.

No intercâmbio, os jovens conheceram as instalações da Agroindústria da Coopercuc, a loja que vende os produtos, as cisternas que eles armazenam água da chuva, a estação de tratamento das águas cinzas e o viveiro de mudas que visa o melhoramento genético do umbuzeiro e de outras espécies da região. Eles também visitaram a propriedade do Sr. José Wilson, cooperado da Coopercuc, morador da comunidade Serra da Besta, em Uauá, Bahia.

Visita ao viveiro de mudas

A visita realizou-se na roça do Sr. José, local onde ele produz maracujá, umbu, manga, goiaba, feijão, mandioca, milho, dentre outras culturas. Percebeu-se os desafios enfrentados ao produzir em uma região semiárida, onde não chove regularmente há dois anos. Os jovens da Caroá trocaram diversas experiências com ele e aprenderam sobre as culturas produzidas, inclusive ganharam algumas sementes para que façam o plantio no Ceará.

Inspiração

O intercâmbio foi inspirador para ambos os grupos. A equipe da Coopercuc ficou bastante entusiasmada com a participação da juventude do Ceará. Carlinhos incentivou muito os jovens a criar a Cooperativa Caroá e manifestou a alegria de ver a atuação de jovens nas áreas rurais. Segundo ele, não há uma participação considerável de jovens na produção e nos espaços de decisões nos quais a Coopercuc se insere.

Os jovens Vitor Esteves, Rayssa Duarte e Neto Ribeiro, Tales Rilton e Aurigele, Assessor de Projetos e Diretora de Programas da Adel a caminho da Bahia (da esquerda para direita)

Para Rayssa Duarte, jovem participante do intercâmbio, a atividade proporcionou bastante aprendizagem. “Todo o caminho que a Coopercuc trilhou nos dar ânimo para que o projeto Caroá se desenvolva com sucesso no Ceará. A experiência da Coopercuc já foi compartilhada com a Caroá, a missão agora é disseminar todo o conhecimento que adquirimos com os outros jovens do grupo e desenhar futuro da Cooperativa Caroá.”

Nos próximos dias, será compartilhado com os demais beneficiados pelo projeto a experiência vivenciada e realizado o cadastro dos futuros associados. O Projeto Caroá é realizado pela Adel e apoiado pela Companhia Siderúrgica do Pecém através do Programa Ideia da Gente.

Adel realiza intercâmbio com grupo de produtores rurais

 

Ontem (17/05), realizamos o segundo intercâmbio com os produtores rurais das comunidades beneficiados pelo Projeto de Segurança Hídrica, componente do Programa Raízes desenvolvido pela CPFL Renováveis. O intercâmbio ocorreu no Assentamento Modelo 1, no município de João Câmara, Rio Grande do Norte.

Onze produtores rurais, sendo dois do Assentamento Modelo 1 e nove dos Assentamentos Boa Esperança, Florêncio José, Modelo 2 e Ouro Verde participaram da atividade. Desta vez, o objetivo do intercâmbio foi promover a troca de experiências entre produtores que trabalham com irrigação em pequenas propriedades e de forma coletiva.

Reunião com os produtores rurais no Assentamento Modelo 1

No intercâmbio foram apresentados os benefícios do trabalho coletivo, as culturas que permitem maior rentabilidade e quais as estratégias utilizadas para o escoamento da produção. No primeiro momento, os participantes do intercâmbio reuniram-se com os produtores do Assentamento Modelo 1 e discutiram as vantagens e desafios do trabalho em grupo, bem como as alternativas para os desafios expostos, as formas de organização, gestão dos recursos e a expansão da área produtiva.

Em seguida, o grupo visitou uma área irrigada de dois hectares, cultivada coletivamente no próprio Assentamento. Nesse espaço eles trabalham com diversas culturas – milho, feijão, pimentão, mamão e hortaliças. A renda média da atividade é cerca de um salário mínimo por família.

Visita à área de produção coletiva

O Assentamento Modelo 1 possui um grupo de produtores composto por 22 assentados. Embora não possuam uma associação, pretendem possuir um regimento interno e reuniões mensais para abordar assuntos sobre a produção, divisão de tarefas, prestação de contas, divisão de lucros e as necessidades de manutenção e investimentos na área produtiva.

Para Sebastião Carlos da Silva, Produtor do Assentamento Modelo 1, o regimento interno é de extrema importância. “Na comunidade de vocês, na criação dos novos grupos. É importante que tenha um coordenador, um vice e um regimento. O regimento vai ser bom para colocar as regras e evitar brigas”, ressalta. Rita de Cássia Lopes, Produtora do Assentamento Modelo 2, destacou a importância do trabalho em grupo. “Com o trabalho em grupo conseguimos muitas vitórias, conseguimos um poço. Eu e as meninas plantamos hortaliças, milho, feijão e acerola. Vendemos as caixas de acerola por R$ 20,00 para dois comércios em João Câmara”.

A expectativa da Adel é que a partir dos intercâmbios e das vivências do Projeto os produtores rurais implementem nas comunidades onde vivem ações que possam contribuir com o desenvolvimento da comunidade. Além de promover os intercâmbios, o Projeto de Segurança Hídrica apoia as comunidades beneficiadas na implantação das ideias. Cada comunidade recebe um kit de irrigação para 2 hectares, um poço equipado e legalizado, e, uma micro usina de energia fotovoltaica que reduzirá os custos com energia elétrica em até 60%.

Primeiro intercâmbio realizado

Outra experiência que foi compartilhada com os participantes através dos intercâmbios foi o uso dos sistemas de dessalinização e energia fotovoltaica. Em abril deste ano, a Adel realizou o primeiro intercâmbio com as lideranças comunitárias de Brinco de Ouro e Queimadas, em João Câmara; e, Umburanas, em São Miguel do Gostoso, para conhecer como estes sistemas funcionam.

Conhecendo as instalações dos sistemas de dessalinização e energia fotovoltaica

 

Os sistemas de dessalinização da água via osmose reversa é umas das alternativas para garantir o acesso a água de qualidade. A dessalinização via osmose reversa consiste na pressurização da água salobra através de um sistema de membrana de filtragem. A água passa por poros microscópicos que fazem a retenção do sal e outras impurezas e o resultado é uma água doce, própria para o consumo.

Com a implantação dos sistemas, espera-se ampliar nestas comunidades a quantidade de água potável e reduzir as doenças relacionadas ao uso da água não tratada dos poços. No total, serão beneficiados com esta tecnologia mais de 2.200 moradores.

O Projeto Segurança Hídrica é realizado pela Adel no Rio Grande do Norte e integra o Programa Raízes desenvolvido pela CPFL Renováveis. O objetivo do Projeto é ampliar o acesso à água segura para consumo humano e para a produção, através de um modelo que integra inovação tecnológica, fortalecimento de capacidades e gestão comunitária das águas, em nove comunidades rurais.

Jovens empreendedores rurais acessam o Fundo Veredas

Raquel Ferreira, Coordenadora do Fundo Veredas deseja boas vindas aos jovens

Ontem (09/05), mais doze jovens do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) acessaram crédito do Fundo Veredas, estratégia criada pela Adel desde 2012, que investe especificamente em empreendimentos de jovens rurais.

A reunião com os jovens para concessão dos créditos ocorreu no anexo da Adel, em Pentecoste. Durante a manhã, a equipe do Fundo Veredas apresentou aos jovens como funciona a nova fase do Fundo Veredas, assim como a logística de solicitação de assessoria técnica e o uso do centro de formação em Pentecoste.

Aurigele Alves, Diretora de Programas, destacou com entusiasmo o apoio aos jovens empreendedores rurais e a importância dos jovens solicitar a instituição a assessoria técnica e gerencial aos projetos. “A maioria dos jovens vivenciam sua primeira experiência empreendedora e nesse momento é imprescindível contar com nossa assessoria para vencer os desafios e alcançar os resultados esperados”, relata.

Victória, Liliane e Taís (da direita para esquerda) jovens que acessaram o Fundo Veredas neste ciclo

A maioria dos jovens que acessam os recursos financeiros do Fundo Veredas investem na ampliação e/ou implementação dos projetos de negócios planejados por eles ao longo do Curso Empreendedorismo e Gestão de Negócios. Os jovens beneficiados neste ciclo residem nos municípios de Apuiarés, Caucaia, Pentecoste, São Luís do Curu e São Gonçalo do Amarante.

Os empreendimentos dos jovens abrangem diversas áreas, tais como: loja de cosméticos, estúdio de fotografia, panificadoras, manicure, vendas de roupas/jeans, avicultura, venda de frutas, corte e vinco, produção e venda de trufas e sorvetes, além da produção e venda de artesanato.

O jovem Misael Sales, 25, por exemplo, possui um estúdio de fotografia e audiovisual, em São Luís do Curu/CE e acessou o Fundo Veredas para investir na infraestrutura do empreendimento. Para ele, acessar os recursos do Fundo Veredas só tem sentido graças ao que aprendeu através da formação do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER), que o ensinou a gerir, a pensar e a praticar o bem na comunidade onde vive a partir do seu trabalho.

No caso do jovem Gleison Sousa, 30, o crédito servirá como pontapé inicial para suas vendas de jeans no município de Pentecoste/CE. Graduando em Administração, Gleison afirma que antes de participar da formação do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) já possuía conhecimento prévio sobre empreendedorismo e que a participação no PJER aprimorou seus saberes e sua capacidade de gestão. Para o jovem, o Fundo Veredas traz uma oportunidade que muitas vezes o mercado de crédito não possibilita.

Jovens assinam Termo de compromisso do Fundo Veredas

A Coordenadora do Fundo Veredas, Raquel Ferreira, que acompanha todas as etapas do processo de participação dos jovens, desde a solicitação do crédito à liberação conta que este momento é muito importante para os jovens. “É o momento que o jovem enxerga que o sonho verdadeiramente pode se tornar realidade, que o seu plano não ficará apenas escrito e sim será colocado em ação”, destaca.

Resultados do Fundo Veredas

No total, 140 empreendimentos foram apoiados pelo Fundo Veredas, incluindo negócios individuais e coletivos. Ainda este ano, no mês de abril, dois jovens repetiram o acesso ao crédito – Gilberlane Oliveira e Elielton Morais.

O jovem empreendedor rural Gilberlane Oliveira que trabalha com a produção de jalecos acessou o Fundo Veredas pela quarta vez com o intuito de ampliar o negócio através da compra de mais matéria-prima para a produção de seu produto.

Gilberlane produzindo jalecos

Já Elielton Morais acessou o Fundo Veredas pela segunda vez e celebra as conquistas do empreendimento dele. Elielton criou uma gráfica rápida no Centro de Pentecoste que além de prestar serviços para a população gera emprego e renda para ele e mais quatro jovens do município.

Além destes jovens, a Adel já beneficiou através do Fundo Veredas, cerca de 200 jovens com idade entre 18 e 32 anos e com residência no território. No total, foram concedidos até abril de 2017, R$ 543.522,99 em créditos aos jovens.

A perspectiva é que cada vez mais os jovens empreendedores rurais possam acessar o crédito e contribuir com o desenvolvimento econômico local de suas comunidades.