Jovem usa paixão por plantas ornamentais e abre o empreendimento Flor do Sertão

 

Sabrina Santos, 22, mora em uma comunidade rural chamada Vila Bezerra, localizada no município São Luís do Curu/CE, distante cerca de 80Km da capital do estado. Ela tem orgulho em ser filha de agricultores, com quem aprendeu muito sobre a vida no campo e os cuidados com a natureza. A paixão pelo meio rural a fez concluir o curso técnico em Agropecuária.

Sabrina participou do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER) da Adel em 2016 e hoje possui o empreendimento Flor do Sertão, onde produz vasos rústicos de cactos e suculentas ornamentais. E busca utilizar material reciclado para produção dos jarros, como quengas de coco ou troncos de árvore. Ela acredita que pode ajudar sua comunidade através do seu trabalho, realizando uma atividade sustentável.

 

A Flor do Sertão também atua como uma mini floricultura onde são trabalhados os cuidados com o meio ambiente e a ideia de reciclar para florir. Além disso, realiza montagens e restauração de jardins, tendo como missão difundir as cores do sertão mundo afora através das plantas. Para ela, ser uma empreendedora ajudou mais do que em sua vida profissional, contribuiu também para se tornar uma pessoa melhor. “Eu preservo, eu cuido, eu refloresto, sou mulher, sou jovem e sou agricultora! Tenho um enorme orgulho da minha história e de quem eu sou”, afirma.

Sabrina, apesar das dificuldades enfrentadas após finalizar seu curso técnico e de não conseguir um emprego, conseguiu voltar para sua comunidade para trabalhar com algo que gosta e que tem vocação, gerando renda para ela e mais 4 jovens locais – novos postos de trabalho gerados a partir da escolha de Sabrina em empreender em sua comunidade. Eles acreditam que sem cooperação nada acontece. Ela é mais um exemplo dos muitos jovens que estão dando uma nova cara ao sertão através de seus esforços e sonhos.

Conheça a Flor do Sertão no Instagram: @flordosertaoce.

Adel segue atuação no Projeto Paulo Freire

 

Há cerca de dois meses, demos início às atividades no âmbito do Projeto Paulo Freire. A Adel está desenvolvendo o Projeto de Capacitação em Acesso às Políticas Públicas, que busca promover ações de capacitação e educação sobre o tema para os povos do semiárido. Assim como analisar suas conquistas, dificuldades e desafios, potencializando o desenvolvimento das competências individuais e coletivas por agricultores e agricultoras. Um dos principais objetivos é contribuir para construção do pensamento crítico sobre o papel das políticas públicas na vida dos envolvidos com o projeto, que atua em 86 comunidades de 10 municípios no Território Cariri Oeste.

No último dia 10 de janeiro foram realizadas duas oficinas com agricultores e agricultoras nas comunidades de Riacho Verde em Tarrafas e Pereiro no município de Antonina do Norte. As oficinas abordam temas divididos em quatro eixos: Direitos Humanos e Educação; Terra, Trabalho e Produção; Mulheres, Jovens, Povos e Comunidades Tradicionais; Água, Soberania e Segurança Alimentar.

 

Já foram realizadas 17 oficinas desde o início do Projeto. Até a conclusão do Projeto, serão realizadas 172 oficinas em todo o Cariri Oeste. Elas têm como público prioritário jovens e mulheres, no entanto, contempla demais membros das famílias, já atendidas ou não pelo Projeto Paulo Freire. Enquanto os pais e mães participam das oficinas, seus filhos são atendidos em atividades recreativas paralelas.

Segundo Dario Lima, um dos beneficiados, o momento é importante para que as comunidades tomem conhecimento de seus direitos: “Todos nós temos o direito de dar sugestão no que estamos construindo juntos. O encontro nos dá oportunidade para discutir sobre o que podemos ter. É um momento interessante e bem organizado”, afirma. Dario, também conhecido na região como Inácio, ajudou a fundar o Sindicato de Tarrafas na década de 1980 e hoje vive em Assaré. Ele acredita na união das pessoas pela busca da cidadania.

 

Para Aurigele Alves, Diretora de Programas da Adel e gestora do Projeto, os percursos formativos realizados permitem ouvir as comunidades, abre espaço para que os moradores mostrem suas vozes e disseminam conhecimentos essenciais sobre políticas públicas, legislação e governança local para o exercício da cidadania pelos agricultores e agricultoras. Colabora também para o protagonismo social das comunidades no processo de desenvolvimento local, na construção de soluções para seus maiores desafios para melhorar suas condições de vida e de trabalho em maior prazo. É um momento rico e forte do início ao fim, destaca.

Sobre o Projeto

O Projeto Paulo Freire visa contribuir para a redução da pobreza rural em 31 municípios cearenses por meio do desenvolvimento do capital humano e social e do desenvolvimento produtivo sustentável pautado na geração de renda, no âmbito agrícola e não agrícola, com foco principal em jovens e mulheres.

É uma realização da Secretaria do Desenvolvimento Agrário (SDA), do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) e do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), gerenciado através da Unidade de Gerenciamento de Projeto (UGP) que tem a competência para definir as linhas gerais de política e diretrizes.