Oficinas sobre desenvolvimento técnico e gerencial auxiliam agricultores no Rio Grande do Norte

Produtores locais acessam conhecimento através de oficinas

Desde setembro, a Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel) realiza oficinas formativas com agricultores sobre desenvolvimento técnico e gerencial de suas pequenas propriedades rurais no Rio Grande do Norte. Os participantes são beneficiários do Programa EDP Renováveis Rural – programa social realizado pela EDP Renováveis em quatro comunidades nos municípios de Touros e Jandaíra, no Rio Grande do Norte.

A etapa formativa do Programa busca a ampliação de capacidades pelos indivíduos, com foco em processos pedagógicos. Através de métodos de aprendizagem diversos, as agricultoras e os agricultores têm acesso a novos conhecimentos e a meios para aliar soluções modernas e inovadoras com seus saberes tradicionais, em muitos casos, de natureza empírica.

Esses processos pedagógicos vão além de oficinas e dias de campo (aprendizagem técnica e prática). A Adel busca proporcionar o acesso a conhecimento também por meios não-tradicionais, como a troca de saberes e de experiências entre atores locais (sessões de intercâmbio) e sessões e encontros de assessoria técnica, em que, a partir da interação entre os agricultoras(es) e profissionais especializados, gera-se aprendizagem.

Essas atividades permitem às/aos agricultoras(es) aprenderem um pouco mais sobre novos meios de produção e gestão, e, sobre as estratégias de resiliência no campo. Toda oportunidade de interagir com novos conhecimentos, seja se relacionando com técnicos especialistas ou com seus pares, é uma possibilidade real de aprender algo que será útil e importante no aprimoramento de suas práticas de produção, de gestão dos estabelecimentos rurais, na condução da comercialização dos produtos de seus empreendimentos agropecuários etc.

Nesse sentido, interação é o elemento chave no processo formativo. No contexto específico do Programa EDP Renováveis Rural, esse campo de aplicação das capacidades individuais é a pequena propriedade rural, em que, de modo geral, se pratica a agricultura familiar.

Oficinas aplicadas

Já foram realizadas nas comunidades Lagoa de Serra Verde, Tubiba, Zabelê e Cabeço oficinas sobre Associativismo e Empreendedorismo, Gestão da Propriedade, Produção de Galinha Caipira e Comunicação para a comercialização almejando-se a maior assimilação e aplicação do conteúdo no dia a dia das famílias. As oficinas possibilitaram aos participantes a compreensão do conteúdo de forma lúdica e cooperativa, estimulando as agricultoras e agricultores a descobrirem seu verdadeiro perfil empreendedor e os potenciais associativos das comunidades.

Visita aos quintais das pequenas propriedades rurais durante a Oficina sobre Criação de Galinha Caipira, comunidade Tubiba, Touros (RN)

Maira Zanduzzo, Gerente Ambiental na EDP Renováveis destaca a importância de conhecer a realidade local: “A gente chega em todas as comunidades e faz um estudo sobre o tipo de produção que eles têm, como funciona, o que gera renda, qual é a dinâmica social, como eles se organizam. Com isso, a gente consegue a partir de uma metodologia bem estabelecida, definir que tipos de ações sociais vamos executar e quem serão os beneficiários”.

Este momento proporcionou, ainda, visitas aos quintais de duas propriedades. Os participantes puderam identificar as características da criação de galinha caipira pela família, observando instalações, manejo sanitário e alimentar dos animais. A atividade permitiu uma maior interação entre os moradores, gerando troca de experiências e promovendo novos aprendizados e práticas.

O agricultor José Paulino, proprietário de um dos quintais visitados, ressalta a importância da oficina: “A atividade foi muito interessante, conquistei novos conhecimentos de forma prática e simples. Entendendo a relação com a água, a comida, a limpeza. Através das dicas a gente pode ver o que errou e melhorar”.

Para saber mais sobre o projeto, visite nossa última notícia: http://www.adel.org.br/diagnostico-apresenta-potencialidades-e-vulnerabilidades-de-comunidades-rurais-no-rio-grande-do-norte/

Adel realiza oficina sobre Inovação e Tecnologias Socioambientais com estudantes de Escolas Públicas

 

Por meio do Projeto Jovens Empreendedores e Protagonistas Rurais nas Escolas, realizado em quatro instituições públicas de ensino do Estado do Ceará, a Adel iniciou na última semana, a oficina Inovação e Tecnologias Socioambientais com 50 estudantes de cada Escola. Vinte e cinco em cada turno.

O principal objetivo da oficina é proporcionar aos estudantes a compreensão do que são essas tecnologias e a sua importância no processo de sustentabilidade e desenvolvimento local. A partir dessa aprendizagem, os jovens podem abrir o leque de possibilidades e aplicar os conhecimentos aprendidos na elaboração de microprojetos pontuais e possíveis de serem implantados por eles próprios, com poucos recursos e de forma resiliente em suas escolas e/ou comunidades. Após discutida a importância do acesso e do uso das Tecnologias Socioambientais, a oficina orienta os jovens sobre como elaborar seus microprojetos.

Ao início de cada oficina os jovens constroem um mural do comprometimento e são divididos em equipes cooperativas, onde cada um exerce um papel: o Coordenador é o responsável por articular seus colegas de equipe para realização das tarefas; o Organizador é o responsável por administrar os recursos disponíveis para realizar as tarefas; o Escritor é responsável por anotar as ideias dos debates do grupo; o Comunicador é o responsável por ser o “porta-voz” da equipe, representando-a nos momentos de diálogo com outros atores envolvidos na Oficina e nos momentos de apresentação e o Estimulador é o responsável por motivar os demais participantes a cumprirem com suas respectivas funções.

 

Para a Coordenadora de Projetos da Adel, Raquel Ferreira, esta segunda fase é uma etapa brilhante. “A gente conseguiu atingir 400 jovens de diversas formas. Essa oficina é uma atividade prática, as cinco primeiras oficinas a gente pode considerar oficinas de sensibilização, então esse momento se torna a concretização das demais oficinas” ressalta.

Para a elaboração dos microprojetos, os jovens participam de quatro atividades: Árvore de Problemas e Objetivos; Elaboração da Matriz FOFA para análise situacional do ambiente; Escrita e Apresentação do Projeto.

Natália Martins, 16, estudante da escola Edite Alcântara Mota de General Sampaio compartilha suas impressões sobre o encontro: “A oficina foi muito importante, pois muitos alunos têm vontade de desenvolverem um projeto só que não tem ninguém que incentive. Eu já tinha interesse em desenvolver um projeto e com a oficina de Inovação e Tecnologias Socioambientais eu pude dar minhas ideias, compartilhar com meu grupo, fazer com que nosso microprojeto possa ir adiante e a gente possa compartilhar com nossos outros colegas e levar em breve para além da escola”. Natália e sua equipe buscam desenvolver um projeto que ajude a combater o bullying no ambiente escolar.

 

De cada turma serão eleitos três microprojetos que tiverem maior destaque, ou seja, quatro por escola, que serão apresentados no Seminário de encerramento do Projeto . Em breve divulgaremos mais detalhes sobre o processo de escolha. Mas antes disso, os jovens ainda participarão de intercâmbios, onde conhecerão na prática iniciativas inovadoras e casos de sucesso que estão sendo desenvolvidos na região.

Sobre a participação nesta oficina

A seleção dos jovens para esta etapa aconteceu de acordo com os seguintes critérios: Número de participação nas cinco oficinas realizadas na primeira etapa, resposta à pergunta que foi feita a cada jovem, se possui interesse em desenvolver um microprojeto e o terceiro critério foi a participação, jovens que se destacaram durante as oficinas e foram identificados com perfil de protagonistas. Através do cruzamento desses três dados a equipe gestora do Projeto conseguiu chegar nos 25 de cada turma.

A primeira etapa compreendeu cinco oficinas: Sustentabilidade e Conservação da Caatinga; Juventude e Protagonismo Rural; Juventude e Empreendedorismo Rural; Juventude e Direitos Humanos e Água e Desenvolvimento do Semiárido. Realizadas em quatro escolas: EEM São Sebastião em Apuiarés; EEM Waldemar Alcântara em São Gonçalo do Amarante; EEM Etelvina Gomes Bezerra em Pentecoste e EEFM Edite Alcântara Mota em General Sampaio. Faz parte do portfólio de ações do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER), resultado de parcerias firmadas com a Unesco (United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization) e Rede Globo através do Criança Esperança, e, com o Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ceará (CEDCA/CE). Conta com o apoio da Secretaria da Educação do Estado do Ceará (SEDUC-CE).

Diagnóstico apresenta potencialidades e vulnerabilidades de comunidades rurais no Rio Grande do Norte

 

Desde março de 2018, a Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel) realiza diversas atividades no âmbito do Programa EDP Renováveis Rural – programa social realizado pela EDP Renováveis Brasil nos municípios de Touros e Jandaíra, no Rio Grande do Norte.

O Programa EDP Renováveis Rural é uma estratégia para ampliar as capacidades de agricultores e agricultoras de pequenas propriedades em comunidades rurais no semiárido do Nordeste brasileiro. Faz isso a partir do investimento em capacitação, em difusão de tecnologias socioambientais e em assessoria aos atores locais para formação de arranjos produtivos e fortalecimentos de redes de proteção social.

Dentre as atividades realizadas até o momento, destaca a produção de um Diagnóstico sobre as potencialidades e vulnerabilidades de quatro comunidades rurais beneficiadas. O Diagnóstico contemplou entrevistas semiestruturadas com lideranças, representantes de órgãos públicos, instituições da sociedade civil e outros atores estratégicos nas comunidades rurais.

Além das entrevistas, a Adel realizou oficinas de Diagnóstico Rural Participativo (DRPs) com o objetivo de elaborar a cartografia social das comunidades atendidas. Os dados evidenciaram oportunidades, potencialidades e os desafios no contexto dos estabelecimentos produtivos de cada agricultor familiar.

 

Jandaíra e Touros somam mais de 40 mil habitantes e são municípios rurais localizados na região de Mato Grande. A agricultura e a pecuária em regime extensivo nesses municípios são basicamente para subsistência. O Diagnóstico definiu o perfil produtivo de cada agricultor(a) e foi essencial para a orientar a indicação das tecnologias socioambientais de convivência com o semiárido que serão implantadas nas propriedades dos pequenos produtores rurais nos dois municípios atendidos.

Na próxima etapa do Projeto, a Adel vai implantar tecnologias sustentáveis de convivência com o semiárido. Em um primeiro momento serão instaladas: Cisternas de Produção de 52 Mil litros; Unidades de produção agroecológica de mel de abelhas nativas; Unidades de Produção Agroecológica Integrada e Sustentável (PAIS); Unidades de reuso das águas cinzas; Unidades de criação de Galinhas Caipiras; Unidades de produção de mel (Apis); e, Unidades de produção de palma com reuso de água.

Repletos de talentos, habilidades, saberes e conhecimentos, as comunidades rurais onde o Programa é realizado têm imenso potencial criativo. “O principal objetivo do Programa EDP Renováveis Rural é contribuir com as comunidades vizinhas aos Parques Eólicos da Empresa e ajudá-los a desenvolver melhor as potencialidades que eles já têm”, explica Emiliana Fonseca, Especialista Ambiental da EDP Renováveis Brasil.

 

 

Sobre o Diagnóstico

O Diagnóstico de Potencialidades e Vulnerabilidades para o Desenvolvimento Rural de comunidades localizadas no entorno dos Parques Eólicos da EDP Renováveis Brasil nos municípios de Touros e Jandaíra, no Estado do Rio Grande do Norte, reúne dados relevantes para orientar a implantação de tecnologias socioambientais de convivência sustentável com o semiárido em 40 pequenas propriedades de agricultores familiares beneficiados pelo Programa EDP Renováveis Rural.