Empreendedorismo Feminino, Protagonismo e Cooperação

Hoje, 19 de novembro, comemoramos o Dia do Empreendedorismo Feminino, data criada pela Organização das Nações Unidas (ONU), a partir de uma iniciativa da ONU Mulheres, a fim de apoiar o público feminino contra a desigualdade de gênero no mercado de trabalho.

Para nós é muito importante destacarmos essa data. Trabalhamos diariamente com mulheres que empreendem, lideram seus negócios e são protagonistas em suas comunidades. No Brasil, de acordo com a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor 2020 (GEM), as mulheres empreendedoras somam mais de 30 milhões.

Na comunidade Arribão, município de Touros/RN, as mulheres são as protagonistas das mudanças locais. Há tempos, as donas de casa queriam de alguma forma também trabalhar e gerar uma renda extra para ajudar nas despesas. Então, o grupo fundou a Associação Nossa Senhora de Fátima em 2017. Antes sem local fixo, com muita ousadia e persistência iniciaram uma produção coletiva de bolos caseiros, na cozinha da sogra de Flaíze de Oliveira, líder da Associação Comunitária de Arribão. “A ideia era vender os produtos porta a porta em Arribão, nas localidades vizinhas e em um pequeno comércio na própria comunidade. A gente pensou nessa solução porque era uma coisa que todas sabíamos fazer”, explica.

Flaíze de Oliveira, líder da Associação Comunitária de Arribão

Hoje, cerca de nove mulheres que compõem a Associação possuem um local para fortalecer a atuação do grupo na comunidade, o Centro Comunitário. “Pra gente é a realização de um sonho muito antigo, não estamos nem acreditando. É uma alegria muito grande ter esse espaço para que possamos nos reunir e realizar nossas atividades. Nossa expectativa é que fortaleça ainda mais o nosso grupo”, comemora Flaíze.

Centro Comunitário

O Centro Comunitário, gerido pela Associação, foi inaugurado na última quinta-feira, 18 de novembro. Construído por nós, a ação faz parte do projeto socioambiental desenvolvido pela CPFL Energia Renováveis no município. O local tem aproximadamente 56m² e conta com recepção; salão para reuniões, palestras e oficinas; vestiário; banheiro, com acesso a cadeirantes; despensa e cozinha, onde são produzidos bolos e quentinhas. Também foi construída, na área externa, uma cisterna de placa de 7 mil litros, visando garantir uma reserva de água. Além de toda essa infraestrutura, as mulheres foram capacitadas e acompanhadas para o desenvolvimento e consolidação do empreendimento.

“Fizemos todo o processo de pesquisa de preço para selecionar a construtora que iria assumir os trabalhos. Estivemos à frente da compra do material e acompanhamos toda a obra. Estamos ainda realizando um trabalho de assessoria com a comunidade”, explica a nossa Gerente de Novos Negócios, Regma Queiroz. Também fomos responsáveis por realizar o diagnóstico socioambiental em Arribão e, foi justamente durante as visitas e reuniões, que identificamos nas mulheres de lá esse perfil empreendedor e o engajamento delas em ações que buscam melhorias para a comunidade.

Com o incentivo da CPFL Renováveis, elas conseguiram aprimorar seus conhecimentos e passaram a fazer cursos no município vizinho. Todos os dias, uma van ia buscar o grupo, que se deslocava para João Câmara. O percurso era de uma hora e meia. Muitas vezes, elas precisavam levar os filhos pequenos porque não tinham com quem deixá-los. “Pensamos em desistir algumas vezes, pois os resultados não aparecem da noite para o dia. Mas, quando uma mencionava isso, outra já trazia palavras de encorajamento”, relata Flaíze. Desta forma, elas conseguiram concluir três cursos de capacitação.

Com a entrega do Centro Comunitário, a ideia é ampliar as atividades e fazer refeições (quentinhas e “prato feito”), pois já perceberam que existe a demanda. Além disso, estão em negociação com a Conab, empresa pública vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, para comercializarem esses produtos em uma grande rede de escolas, hospitais e postos de saúde. O protagonismo e a resiliência dessas mulheres é fundamental para o processo de desenvolvimento local de seus territórios.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *