Live sobre Segurança Alimentar marca o dia da Agricultura Familiar

Na semana, em que é comemorado o Dia Internacional da Agricultura Familiar, a Adel vai realizar, na próxima quinta-feira (29), às 18h, no seu canal do YouTube e LinkedIn, a Live “O papel da Agricultura Familiar na Segurança Alimentar”.

O evento conta com a participação do Professor da Universidade Federal do Ceará, José Arimatea Bezerra, especialista em Educação Popular em Saúde e Coordenador de Gestão do Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE/UFC).  A mediação ficará por conta da Assessora de Negócios da Adel, Régma Queiroz, profissional com experiência em gestão de programas de desenvolvimento rural.

A agricultura familiar é o principal regime de organização da produção rural no Brasil. É a atividade responsável pela produção da maior parte da comida que chega nas mesas brasileiras hoje. Não apenas no Brasil, mas no mundo: de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), a agricultura familiar é responsável por 80% da produção mundial de alimentos.

São cerca de 15 milhões de trabalhadores rurais, 74% da mão de obra empregada no campo, em 4 milhões de estabelecimentos rurais, respondendo por quase 40% do Produto Interno Bruto agropecuário nacional, sendo a principal fonte de alimentos do Brasil. A Região Nordeste concentra aproximadamente 50% dos estabelecimentos de agricultura familiar do país.

Apesar da agricultura familiar ser peça chave na garantia da segurança alimentar e nutricional da população, as políticas públicas voltadas para sua promoção vêm sofrendo gradativa desestruturação, em especial o Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).

Essa situação colabora para o agravamento da insegurança alimentar no país, intensificada pela Pandemia da Covid-19. Segundo dados da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Penssan) divulgados em 2020, são 19 milhões de brasileiros em situação de insegurança alimentar.

De acordo com Gláucio Gomes, Diretor de Desenvolvimento na Adel, nas pequenas propriedades rurais vivem famílias que produzem comida que contribui para atender, com oferta de preços mais justos, à demanda de todo o país e que, ao mesmo tempo, integram o segmento social mais afetado por cenários de pobreza extrema e insegurança alimentar no Brasil.

“Essa é uma das grandes contradições de nossa sociedade. O desenvolvimento sustentável e com justiça social passa pelo fortalecimento da agricultura familiar. E agricultoras e agricultores precisam de acesso a conhecimento e tecnologia, de suporte técnico, de investimento e da disponibilidade de políticas públicas que formem uma rede de proteção social sólida para garantia de seus direitos fundamentais. O ganho de produtividade e de rentabilidade na agricultura familiar no Brasil representaria impacto social positivo ímpar e uma verdadeira transformação na realidade do campo no país”, ressalta.

Na Live desta semana, a Adel espera reforçar o debate sobre as políticas públicas voltadas para o fortalecimento da agricultura familiar e como essa atividade pode auxiliar no combate à fome, fenômeno social, político e econômico que vem se intensificando no Brasil. Para participar do encontro, inscreva-se no canal da Adel do YouTube.

O evento segue disponível, acompanhe:

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *